EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Parlamento europeu investiga nomeação de Martin Selmayr

Martin Selmayr
Martin Selmayr
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Críticos do funcionário alemão apontam o dedo à falta de transparência que dominou o processo.

PUBLICIDADE

A nomeação do alemão Martin Selmayr para o cargo de Secretário-geral da Comissão está a provocar uma tempestade no seio do executivo europeu.

A nomeação teve lugar no dia 21 de fevereiro e apesar da legalidade desta nomeação não estar em causa, os críticos apontam o dedo ao processo.

Esta quinta-feira, a comissão de controlo orçamental do Parlamento Europeu votou a favor de uma investigação sobre o processo que levou a esta nomeação.

"Não é normal que os comissários que estão a decidir sobre uma posição desta relevância não tenham sabido antes da sessão que este tema fazia parte da agenda de trabalhos. A nomeação de um novo secretário-geral não estava na agenda. Assim, os comissários não puderam discutir informalmente e com antecedência quem poderia ser o melhor candidato", afirma o eurodeputado alemão, Sven Giegold, dos Verdes.

A nomeação de Selmayr, muito próximo do presidente da comissão, Jean-Claude Juncker, significa que a influência deste se manteria para além do final do mandato que termina em 2019.

O funcionário alemão é visto por muitos como uma peça fundamental para a implementação das políticas de Juncker durante os próximos 20 meses.

O jornalista francês Jean Quatremer, do diário Libération, um dos críticos mais acérrimos desta nomeação, explica porque razão o governo francês não gostou desta manobra.

"Este posto é normalmente atribuído a um francês. E em Paris, não vale a pena escondê-lo, estão furiosos pelo que acaba de acontecer; em Berlim também porque a chanceler se comprometeu junto a Emmanuel Macron para que seja um francês a ocupar esta posição. Por isso, não se trata de uma luta de bastidores entre estados mas sim uma questão de ambição pessoal levada ao limite", adianta Quatremer.

A nomeação de Martin Selmayr para o cargo de secretário-geral segue-se à saída do holandês Alexander Italianer que ocupava o cargo desde 2015.

João Ferreira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Juncker, Selmayr e os jogos de poder no seio da Comissão

Falta financiamento e ação política para gerir inundações na UE

Anúncios de extrema-direita para as eleições europeias inundam as redes sociais