EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UE contra-ataca na guerra comercial sobre aviação

UE contra-ataca na guerra comercial sobre aviação
Direitos de autor REUTERS/Yves Herman
Direitos de autor REUTERS/Yves Herman
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

UE contra-ataca na guerra comercial sobre aviação

PUBLICIDADE

A União Europeia fez novo contra-ataque na batalha que leva a cabo com os EUA, há 15 anos, por causa de apoio financeiro estatal à indústria da aviação.

O executivo comunitário publicou, quarta-feira, a lista de produtos norte-americanos que poderão ser alvo de tarifas aduaneiras no valor de 20 mil milhões de dólares.

A lista de produtos importados a taxar inclui frutos secos, ketchup, peixe, tabaco, malas de viagem, carteiras de senhora, tratores, helicópteros e consolas de jogos, entre outros.

Uma decisão tomada após a Organização Mundial do Comércio (OMC) ter dito, há uma semana, que a empresa de aeronáutica norte-americana Boeing recebeu subsídios indevidos.

O governo de Washington acusa os europeus de terem feito o mesmo em relação a Airbus, tendo também apresentado uma queixa junto da OMC (em 2004) e, divulgada, recentemente, uma lista de produtos que poderão ser taxados num total de 11 mil milhões de dólares.

Nessa lista estão produtos que os EUA importam da Europa tais como produtos lácteos, vinho e peixe congelado.

Em ambos os casos, os árbitros da OMC ainda não definiram um valor de compensações a pagar, mas o processo dos EUA contra a Airbus está mais avançado, com uma decisão a ser tomada provavelmente em junho ou julho. O caso da UE contra a Boeing poderá ser decidido no início de 2020.

Ambos os lados disseram que preferem chegar a um acordo e, entretanto, a União Europeia declarou-se pronta a iniciar negociações comerciais formais com os Estados Unidos para reduzir tarifas em produtos industriais e para harmonizar o reconhecimento dos padrões de produção.

No entanto, o lado europeu insistiu que a agricultura não vai ser incluída, apesar de esta ser uma das principais exigências dos EUA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA sofreriam mais que UE numa guerra comercial

UE prepara guerra comercial com EUA

Europeias 2024: Candidatos à Presidência da Comissão Europeia em debate