EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE admite sancionar Irão por causa de repressão policial

UE admite sancionar Irão por causa de repressão policial
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Isabel Marques da SilvaNima Ghadakpour
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

UE admite sancionar Irão por causa de repressão policial

PUBLICIDADE

A liberdade de expressão e outros direitos humanos estão a ser violados pelo regime do Irão desde 15 de novembro, quando começaram manifestações contra o aumento dos preços dos combustíveis, alegam organizações de direitos humanos, que apontam para mais de duzentos mortos devido à repressão policial.

As Nações Unidas também estão preocupadas com as violações dos direitos dos mais de sete mil detidos, afirmou a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, na sexta-feira passada.

Outra arma de repressão é o controlo da Internet, que é usada por mais de 60 milhões de pessoas através dos telemóveis. O regime iraniano promete criar um sistema de Internet estatal que vai impedir o uso dos sistemas internacionais, o que também preocupa a Amnistia Intrnacional.

"A questão mais relevante, e talvez, inquietante, é que o controlo estatal da Internet não tem tanto a ver com proteger a imagem do país no exterior. É, sobretudo, uma forma de travar a capacidade de organização dos opositores internos do regime", disse Philippe Hensmans, diretor da delegação da Amnistia Internacional na Bélgica, em entrevista à euronews.

UE admite sancionar

O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, emitiu um comunicado, domingo, criticando "o grande número de mortos e feridos" durante a repressão das manifestações.

No dia seguinte, Josep Borrell garantiu aos jornalistas que não se sente inibido por causa das tentativas para salvar o acordo nuclear com o Irão.

"Uma questão é a repressão desenfreada que está a ocorrer no Irão, outra questão completamente diferente é o acordo nuclear com o Irão, sobre o qual reconheci que recebemos boas notícias dos peritos em Viena. Isso não nos impede de aplicar sanções, se for o caso, para condenar abusos dos direitos humanos. Os direitos humanos não têm nada que ver com o acordo nuclear", disse Borrell, em conferência de imprensa, depois da reunião do conselho de Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Contudo, a Amnistia Internacional considera que a questão nuclear pesa, porque as sanções dos EUA contra o Irão deixaram a União Europeia como principal ator para evitar que o Irão também abandone o acordo.

"A Europa desempenha um papel específico no que toca à situação no Irão, diferente do que é desempenhado pelos EUA. A Europa continua a ter uma via de diálogo aberta com o país e alguns tipos de intercâmbios. Talvez por isso, a União Europeia tenha sido muito prudente nas suas ações, para não pôr em risco os contactos com o Irão", afirmou Philippe Hensmans.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Irão promete "vingança implacável"

Israel critica apoio europeu ao Irão

Análise: UE perde credibilidade diplomática por causa da guerra em Gaza?