EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Guaidó quer mais sanções da UE contra Maduro

Guaidó quer mais sanções da UE contra Maduro
Direitos de autor .
Direitos de autor .
De  Isabel Marques da SilvaAna LAZARO
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Juan Guaidó, líder da oposição venezuelana, visitou Bruxelas para pedir apoio das instituiçoes da União Europeiana à luta política contra o presidente Nicolás Maduro.

PUBLICIDADE

Juan Guaidó, líder da oposição venezuelana, visitou Bruxelas para pedir o apoio das instituições da União Europeia à luta política contra o presidente Nicolás Maduro.

Guaidó reuniu-se com Josep Borrell, chefe da diplomacia da União, e com membros do Parlamento Europeu.

O apoio europeu é visto como crucial para que o país continue na linha da frente do interesse da comunidade internacional.

"Não tem sido uma luta simples, mas de muitos anos. Os venezuelanos estão, atualmente, a ser  ouvidos através da minha voz aqui no Parlamento Europeu. Agora vem a fase das ações. Precisamos de reforço das sanções para pressionar a ditadura a fazer eleições presidenciais livres", disse, à euronews, Juan Guaidó, presidente da Assembléia Nacional da Venezuela.

No Parlamento Europeu, o apoio vem, sobretudo, das forças políticas de centro-direita e dos liberais. Esses partidos pedem maior vigor contra o regime de Maduro por parte dos governos da União.

"As sanções são suficientes, mas devem ser aplicadas com maior profundidade e contra mais pessoas. Devemos pressionar o regime porque controla todo o poder", afirmou Jordi Canas, eurodeputado liberal espanhol.

Depois das imagens que correram mundo mostrando a determinação de Guaidó em permanecer como presidente da Assembleia Nacional, quando o tentaram substituir, o político desafiou a proibição de viajar para o estrangeiro e está a fazer uma digressão por vários países.

As forças de centro-esquerda no Parlamento Europeu ainda têm esperança na retoma do diálogo entre as partes.

"O que a União Europeia tem de fazer é apoiar o povo venezuelano e uma saída democrática e justa, com eleições presidenciais que lhes permitam sair da situação atual e, acima de tudo, lidar com a grave situação humanitária", afirmou Javi Lopez, eurodeputado de centro-esquerda espanhol.

Os governos de alguns Estados-membros, nomeadamente Portugal, Espanha e Países Baixos, tentam pressionar os outros paíises da União a reativar, rapidamente, o grupo de contacto internacional, que se reuniour, pela última vez, em outubro passado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

União Europeia deixa de tratar Juan Guaidó como presidente interino

Diplomacia da UE ameaça retaliar contra Venezuela

Organização de Estados Americanos pressiona Maduro