This content is not available in your region

Espaço, um ativo na mira das potências mundiais

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Espaço, um ativo na mira das potências mundiais
Direitos de autor  JM GUILLON, HANDOUT / CNES / AFP

O espaço converteu-se num novo campo de batalha estratégico, económico e de segurança para as grandes potências mundiais. O assunto foi o prato forte do debate durante a Conferência Europeia do Espaço, em Bruxelas.

A União Europeia está interessada em fortalecer a posição do bloco comunitário, enquanto alguns concorrentes estratégicos cerram fileiras, de acordo com a ministra francesa da Defesa, Florence Parly.

Um exemplo da fricção crescente data de novembro, quando a Rússia realizou um teste com um míssil antissatélite.

Os EUA falaram num ato "imprudente"**, **que provocou uma chuva de fragmentos espaciais. Para Bruxelas, é mais um sinal da importância da segurança e da soberania espacial.

"O espaço é uma área cada vez mais contestada. É estratégico. É uma área que deve ser protegida, defendida, também para nós europeus. Vimos isso recentemente com o que aconteceu com o lançamento de um míssil antissatélite que deixou detritos por toda parte e que poderia comprometer as nossas próprias constelações, as nossas constelações soberanas. Penso em particular naquelas que são tão úteis para nossa vida quotidiana: Galileu ou Copérnico", sublinhou o comissário europeu com a pasta do Mercado Interno, Thierry Breton.

Todos os anos, são enviadas dezenas de satélites para o espaço.

Em 2021, em média, a China fez um lançamento por semana.

A gestão do tráfego espacial tornou-se, gradualmente, um problema porque há mais risco de colisão e porque os detritos podem transformar-se em projéteis.

Mas a perda de um satélite teria graves consequências para a terra. Dependendo das aplicações usadas, os smartphones, por exemplo, recorrem a dezenas de satélites por dia.

"Imagine se os satélites fossem desligados durante um dia. Isso seria um desastre. A previsão do tempo seria muito má. Claro que se pode argumentar que podemos conviver com chuva e com sol, mas isso tem um grande impacto para a economia. A previsão do tempo a partir do espaço contribui para a economia europeia em 61 mil milhões de euros de benefícios económicos. Por isso, estamos perante impactos económicos enormes por causa da previsão do tempo. [Em relação à navegação], se desligarmos os satélites de navegação está claro que esta não funciona. [O mesmo em relação às] telecomunicações, bolsas de valores. Hoje tudo depende dos satélites. Então, sim, já estamos absolutamente dependentes e essa dependência aumentará no futuro", lembrou o diretor-geral da Agência Espacial Europeia, Josef Aschbacher.

Para responder a estes riscos e garantir a segurança do bloco europeu, a Comissão Europeia vai apresentar uma proposta para a gestão do tráfego espacial no próximo mês.