EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Estado da União": NATO e reconstrução da Ucrânia em destaque

Conferência sobre Recuperação da Ucrânia decorreu esta semana em Lugano, Suíça
Conferência sobre Recuperação da Ucrânia decorreu esta semana em Lugano, Suíça Direitos de autor Alessandro della Valle/AP
Direitos de autor Alessandro della Valle/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Assuntos marcaram atualidade da semana europeia

PUBLICIDADE

O isolamento estratégico da Rússia na Europa aumentou um pouco mais.

Os 30 países membros da NATO assinaram os protocolos de adesão da Suécia e da Finlândia. Uma aprovação formal das decisões da cimeira da NATO, em Madrid, durante a qual a aliança convidou o país vizinho da Rússia, Finlândia, e o parceiro escandinavo, a Suécia, a se juntarem ao clube militar.

Isto dará mais poder à NATO, especialmente perante da ameaça militar de Moscovo.

Mas aprovação parlamentar no Estado-membro Turquia ainda pode colocar problemas para a integração final da Suécia e da Finlândia como membros, apesar de um memorando de entendimento alcançado entre as três partes.

Enquanto isso, durante uma conferência internacional na cidade suíça de Lugano aprovou-se um conjunto de princípios orientadores da reconstrução da Ucrânia, incluindo a necessidade de reformas amplas para aumentar a transparência e erradicar a corrupção.

A liderar a delegação ucraniana esteve o primeiro-ministro. Descreveu uma fonte particular de financiamento: ativos russos confiscados.

Vários parceiros internacionais, incluindo o presidente da Suíça, rejeitaram o plano.

Os assuntos estão em destaque nesta edição do programa "Estado da União."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estado da União: Von der Leyen e Metsola reeleitos, Trump nomeado

Estado da União: A cimeira da NATO e a autodeclarada missão de paz de Orbán

Estado da União: fome iminente no Sudão e a presidência da UE de Orbán