EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Síria pede ajuda humanitária à União Europeia após sismo devastador

Familiares enterram pessoas que morreram no sismo que abalou a Síria e a Turquia num cemitério na cidade de Jinderis, província de Aleppo, Síria.
Familiares enterram pessoas que morreram no sismo que abalou a Síria e a Turquia num cemitério na cidade de Jinderis, província de Aleppo, Síria. Direitos de autor Ghaith Alsayed/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Ghaith Alsayed/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Comissário europeu para a gestão de crises confirmou pedido e apelou à solidariedade dos 27 Estados-membros. Turquia, também afetada pelo terramoto, avançou com um pedido idêntico

PUBLICIDADE

O governo sírio pediu, esta quarta-feira, ajuda humanitária à União Europeia (UE) para apoiar os trabalhos de buscas e resgate, dois dias após o sismo devastador no sudeste da Turquia, que criou um cenário apocalíptico também na Síria.

A informação foi confirmada pela Comissão Europeia.

"Esta manhã, recebemos um pedido do governo da Síria à UE para assistência através do Mecanismo [Europeu] de Proteção Civil. Partilhámos esse pedido com os Estados-membros da UE e incentivamo-los a contribuir com a assistência em espécie, conforme foi pedido", sublinhou o comissário europeu para a Gestão de Crises, Janez Lenarčič, durante uma conferência de imprensa na qual apresentou recomendações do executivo comunitário para reforçar a resiliência da UE a catástrofes naturais e emergências de grandes dimensões.

O pedido do governo sírio "contém uma longa lista de itens", acrescentou, como assistência nos esforços de busca e resgate, itens médicos, incluindo medicamentos, bem como produtos alimentares e "itens típicos de emergência."

O terremoto de magnitude 7.8 na escala aberta de Richter, que ocorreu pouco depois das 04h00, horário local, na segunda-feira, perto da cidade turca de Gaziantep, já matou mais de 11 mil pessoas nos dois países e fez milhares de feridos.

Na Turquia, contam-se pelo menos 8574 vítimas mortais e na Síria retiraram-se 2662 cadáveres dos escombros.

Os números negros poderão vir a agravar-se nas próximas horas.

A Turquia, que faz parte do Mecanismo de Proteção Civil da UE, solicitou assistência na manhã de segunda-feira com a ajuda dos parceiros europeus, incluindo várias equipas de busca e resgate, a chegar ao país no próprio dia.

Qualquer país do mundo pode ativar o Mecanismo de Proteção Civil da UE caso os seus serviços nacionais de emergência sejam sobrecarregados por um desastre, mas os pedidos são tradicionalmente feitos pelos governos.

No entanto, o terremoto atingiu uma área na Síria que tem territórios controlados pelo governo e alguns mantidos por vários grupos de oposição a Damasco.

A Comissão Europeia disse, inicialmente, estar em contacto com organizações humanitárias no local e que estava a considerar aumentar potencialmente a assistência financeira a essas ONGs em resposta.

O comissário europeu com a pasta da Gestão de Crises, Janez Lenarčič, confirmou isso mesmo, esta quarta-feira, dizendo aos jornalistas que a Comissão também está "a trabalhar para aumentar o apoio financeiro, parte do qual já foi aprovado para áreas afetadas na Síria através dos nossos parceiros humanitários."

Também rejeitou "categoricamente" as acusações de que as sanções da UE impostas ao regime sírio estão a prejudicar os esforços humanitários.

Essas sanções – impostas pela primeira vez em 2011 em resposta à brutal repressão do regime de Bashar al-Assad aos protestos pró-democracia como parte da Primavera Árabe – visam o regime e os seus apoiantes, bem como setores da economia dos quais eles dependem.

Incluem a proibição da exportação de equipamentos que possam ser usados ​​para repressão interna e tecnologia destinada à monitorização e intercetação da Internet e das comunicações telefónicas, a proibição da importação de petróleo sírio e derivados de petróleo e a proibição do comércio de bens pertencentes ao património cultural da Síria, a par de uma proibição de exportar bens de luxo para a Síria. Indivíduos e entidades da UE também estão proibidos de negociar títulos públicos de ou para o governo sírio.

PUBLICIDADE

Lenarčič disse que é importante garantir que a assistência enviada à Síria pelos Estados-membros da UE "vá para as pessoas que precisam dela, que não seja desviada."

"Isso é algo que vamos observar", ressalvou o comissário.

Até esta quarta-feira, 23 países participantes do Mecanismo de Proteção Civil da UE já tinham oferecidoum total de 36 equipas médicas e de busca à Turquia, com um total de 1.500 funcionários e cem cães de resgate.

A Turquia fez outro pedido na manhã de quarta-feira, disse o comissário, para itens de abrigo, incluindo tendas de inverno, cobertores e aquecedores.

PUBLICIDADE

"Este pedido também está a ser atendido agora. As ofertas estão a chegar. E esta assistência também estará a caminho muito em breve", acrescentou Lenarčič.

Papa Francisco apela à solidariedade

O Papa Francisco também apelou, esta quarta-feira, à solidariedade internacional com a Turquia e a Síria.

"Encorajo todos a se solidarizarem com estes territórios, alguns deles já martirizados por uma longa guerra", sublinhou o Sumo Pontífice no final de uma audiência geral.

O Papa apelou, igualmente, às orações pelos elementos que fazem parte das equipas de emergência que operam nos locais afetados.

PUBLICIDADE

 Sublinhou que enfrentam condições meteorológicas adversas no terreno e condições difíceis, para resgatar pessoas com vida dos escombros.

"Os meus pensamentos estão voltados, neste momento, para as populações da Turquia e da Síria, muito afetadas pelo sismo que provocou milhares de mortos e feridos", ressalvou.

"Com emoção, eu rezo por eles e expresso a minha proximidade com estas populações, com as famílias das vítimas e todos os que sofrem com esta calamidade devastadora", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Erdogan: "Impossível estar preparado para enfrentar um desastre como este"

Noroeste da Síria aguarda por ajuda humanitária

Partido Trabalhista britânico apresenta plano de “renovação nacional” na abertura do Parlamento