EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Tudo o que sabemos sobre o acordo de trânsito de cereais entre Bruxelas e cinco Estados-membros

O acordo visa quatro produtos ucranianos: trigo, milho, colza e sementes de girassol.
O acordo visa quatro produtos ucranianos: trigo, milho, colza e sementes de girassol. Direitos de autor Nariman El-Mofty/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Nariman El-Mofty/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Jorge Liboreiro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O acordo visa quatro tipos de cereais que causaram perturbações nos mercados internos dos países que fazem fronteira com a Ucrânia.

PUBLICIDADE

A União Europeia assinou finalmente o tão esperado acordo para resolver uma crescente disputa comercial sobre os cereais ucranianos, uma controvérsia que se tornou uma espécie de teste decisivo à solidariedade duradoura do bloco com a nação devastada pela guerra.

Anunciado no final da tarde de sexta-feira, após dias de intensas negociações nos bastidores, o acordo visa acalmar as preocupações de cinco países do Leste europeu – Polónia, Hungria, Eslováquia, Roménia e Bulgária – enquanto minimiza o impacto negativo nas exportações agrícolas ucranianas, uma das maiores fontes de receitas de Kiev.

O acordo "preserva tanto a capacidade de exportação da Ucrânia para que continue a alimentar o mundo quanto os meios de subsistência dos nossos agricultores", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Eis tudo o que sabemos sobre o acordo.

Por que é que foi necessário um acordo?

A Ucrânia é líder global na produção de cereais, que costumavam ser comercializados em grandes quantidades e a preços competitivos em todo o mundo. Mas quando a Rússia invadiu o país, o comércio foi fortemente prejudicado, particularmente pela rota do Mar Negro, que o Kremlin colocou sob o seu rígido controlo.

Numa tentativa de fornecer um caminho alternativo, a UE decidiu no ano passado suspender as taxas alfandegárias sobre uma ampla gama de importações ucranianas, incluindo produtos agroalimentares como trigo, milho, cevada, aves, ovos e açúcar, que já beneficiavam de um tratamento especial no âmbito do Acordo de Associação UE-Ucrânia de 2014.

A suspensão das taxas, juntamente com a incerteza sobre o Mar Negro, levou a um aumento acentuado do comércio ucraniano através das rotas terrestres para os seus vizinhos europeus.

Por exemplo, em junho, quando a suspensão entrou em vigor, os 27 Estados-Membros importaram 548.838 toneladas de milho ucraniano. Até dezembro, as mesmas importações dispararam para 1.541.183 toneladas.

O influxo causou profunda preocupação entre os países da periferia imediata da Ucrânia - Polónia, Hungria, Eslováquia, Roménia e Bulgária - que argumentaram que o excesso de oferta estava a encher os armazéns, distorcendo a dinâmica económica e deprimindo os preços para os produtores locais.

Sob a ameaça de uma colheita de verão iminente e protestos contínuos dos agricultores, os governos da Polónia, Hungria, Eslováquia e Bulgária proibiram a importação de uma ampla gama de produtos ucranianos isentos de taxas, incluindo cereais, uma decisão surpreendente que foi rapidamente denunciada como incompatível com as regras da UE.

A Comissão Europeia iniciou, então, negociações com os cinco países do Leste europeu e a Ucrânia para chegar a uma solução para toda a UE que pudesse suspender as proibições.

Qual é a essência do acordo?

O acordo impõe "medidas preventivas" sobre quatro produtos ucranianos - trigo, milho, colza e sementes de girassol - que a Comissão considera terem o efeito disruptivo mais forte.

Estes produtos só poderão transitar através dos cinco países da Europa de Leste para terceiros países, o que significa que não serão armazenados no seu território nem adquiridos para consumo interno. 

Isto representa um compromisso importante da Polónia, Hungria, Eslováquia, Roménia e Bulgária, que pressionaram para que uma lista maior de produtos fosse adicionada às medidas que permitem apenas o trânsito.

As suas proibições nacionais visavam uma gama muito mais ampla de importações ucranianas, como laticínios, frutas, açúcar, mel, ovos, carne e vinho.

PUBLICIDADE

Bruxelas, no entanto, insistiu que a solução precisava ser proporcional e baseada em dados económicos.

Como parte do acordo, os cinco países do Leste europeu concordaram suspender as suas proibições unilaterais e cumprir integralmente o acordo em toda a UE.

Isto significa que produtos que antes eram proibidos, como aves e vegetais, terão agora que ter acesso ao mercado interno dos estados vizinhos.

Está previsto que o levantamento das interdições aconteça até 2 de maio, quando as medidas preventivas entrarem em vigor.

PUBLICIDADE

Podiam ser visados outros produtos?

Sim, mas a Comissão Europeia vai adiar quaisquer novas decisões até 5 de junho, data prevista para o fim do atual regime de isenção de taxas.

A Comissão já propôs a prorrogação do regime por mais um ano, até 5 de junho de 2024. O texto legal ainda aguarda aprovação do Parlamento Europeu e do Conselho da UE.

Sob o novo regulamento, a UE introduzirá uma "salvaguarda acelerada" para monitorar a evolução do mercado e reintroduzir taxas sobre produtos que "afetem adversamente" todo o mercado europeu.

Esta opção, de natureza muito mais radical do que as medidas que apenas permitem o trânsito sob o acordo atual, estará sujeita a condições estritas. A Comissão só iniciará uma investigação formal depois de obter "provas prima facie suficientes" de que um produto ucraniano específico está a causar efeitos adversos.

PUBLICIDADE

A investigação terá que ser concluída num período de três meses.

O que mais prevê o acordo?

Dinheiro.

Em troca do levantamento das proibições, a Comissão Europeia desbloqueará um pacote de apoio de 100 milhões de euros para agricultores na Polónia, Hungria, Eslováquia, Roménia e Bulgária.

Os Estados-membros terão o direito de designar as empresas e os produtores elegíveis para o apoio e a Comissão reembolsará posteriormente as despesas.

PUBLICIDADE

Esta não é a primeira vez que o executivo lança este tipo de apoio. No final de março, a Comissão aprovou um envelope de 56,3 milhões de euros para agricultores da Polónia, Roménia e Bulgária para compensar as perdas económicas decorrentes da maior concorrência ucraniana.

Um elemento muito mais vago do acordo é uma promessa da Comissão de melhorar o funcionamento das faixas de solidariedade e garantir que as importações isentas de taxas deixam o mercado europeu e chegam aos países em desenvolvimento em África e no Médio Oriente, que dependem fortemente de alimentos ucranianos de baixo custo.

Problemas logísticos, taxas de transporte elevadas e falta de infraestruturas modernas na Europa Oriental também foram responsabilizados pelo excesso de cereais. Em privado, fontes da Comissão admitem que estas questões são muito complexas e profundas para serem resolvidas com um acordo temporário, o que significa que a pressão sobre os preços locais deve continuar no curto prazo.

"Ninguém pretende que as salvaguardas resolvam sozinhas os problemas por trás da questão, mas elas criam um espaço para respirar", disse um alto funcionário da UE.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Erdoğan rejeita plano da ONU para um Chipre federado

Josep Borrell prepara saída de cena com visitas aos países bálticos

Ex-deputada ucraniana morta a tiro em Lviv