Como os evangélicos dos EUA e a Igreja Ortodoxa Russa ajudaram a alimentar a agenda anti-LGBTQ+ na Europa

Grupos anti-LGBT seguram uma bandeira arco-íris com autocolantes anti-LGBT durante o primeiro desfile do Orgulho Gay do Kosovo em 2017.
Grupos anti-LGBT seguram uma bandeira arco-íris com autocolantes anti-LGBT durante o primeiro desfile do Orgulho Gay do Kosovo em 2017. Direitos de autor AP Photo/Visar Kryeziu
De  Thibault Spirlet
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A interferência estrangeira e os crescentes movimentos anti-LGBTQ+ estão a ameaçar as perspetivas de adesão à União Europeia dos países dos Balcãs Ocidentais.

PUBLICIDADE

Uma rede crescente de organizações estrangeiras está a injetar centenas de milhões de euros em grupos de "guerra cultural" que fazem campanha para fazer retroceder os direitos das pessoas LGBTQ+ na Europa, alertaram os legisladores europeus.

Numa resolução publicada no início deste mês, o Parlamento Europeu lançou o alerta para a interferência estrangeira em todos os processos democráticos na Europa, salientando que a maior parte do financiamento estrangeiro provém da Rússia e dos EUA.

Prevê-se que esta interferência estrangeira, associada à desinformação e a numerosos ataques perpetrados por atores estrangeiros maliciosos, aumente no período que antecede as eleições para o Parlamento Europeu em 2024, tornando-se mais sofisticada por natureza.

Os eurodeputados assinalaram que pelo menos 50 organizações financiam atualmente atividades anti-género, opondo-se ao que designam por ideologia de género.

"A Europa está a assistir a um número crescente de movimentos anti-género, visando especificamente a saúde sexual e reprodutiva, os direitos das mulheres e as pessoas LGBTIQ+", lê-se no relatório parlamentar da UE.

"Estes movimentos proliferam a desinformação com o objetivo de inverter o progresso dos direitos das mulheres e da igualdade de género. Estes movimentos receberam milhões de euros em financiamento estrangeiro, público ou privado, incluindo da Rússia e dos EUA".

Financiamento e 'modus operandi'

As estratégias utilizadas por estes atores estrangeiros evoluíram ao longo do tempo, devido ao aumento do financiamento e à intensificação das campanhas de desinformação, alertaram os observadores dos direitos humanos.

Membros da extrema-direita norte-americana e da Igreja Ortodoxa Russa, dois dos principais actores do movimento anti-género, uniram forças para aumentar o financiamento de actores ultra-tradicionalistas baseados na Europa, com um enfoque específico na luta contra os direitos LGBTQ+, de acordo com fontes que concordaram em falar com a Euronews sob condição de anonimato por receio de represálias.

Ao longo da última década, as principais organizações de direita cristã, normalmente financiadas por particulares ligados a causas de extrema-direita e libertárias nos EUA, e os oligarcas russos criaram uma rede de agências instaladas em instituições de direitos humanos em toda a Europa para levar a cabo uma diplomacia anti-género e infiltrar-se em posições de poder nos Estados-Membros.

Outras tácticas incluem processos judiciais abusivos destinados a suprimir, intimidar e silenciar os críticos (SLAPPS), lavagem de dinheiro e de reputação, assédio físico, envio de esquadrões de luta pagos para marchas LGBTQ+, pirataria informática de dispositivos de jornalistas com o software Pegasus e utilização de fazendas de trolls que espalham desinformação contra ativistas LGBTQ+.

E o movimento está a ganhar força com mais organizações de outros países, incluindo a Turquia, a Arábia Saudita e a Cidade do Vaticano, a cerrar fileiras no seu lobbying e financiamento anti-LGBTQ+.

Os alvos habituais incluem as minorias em países instáveis, onde podem explorar a polarização para radicalizar o debate político e alimentar a violência, segundo as fontes.

Minar os argumentos a favor da adesão à UE

O festival do orgulho gay da Geórgia, realizado a 8 de julho, é o mais recente evento LGBTQ+ vítima de interferência estrangeira.

Uma multidão de cerca de 2000 manifestantes anti-LGBTQ+ do grupo Alt Info, afiliado à Rússia, invadiu o festival de Tbilisi, num ataque descrito pela directora do Pride, Mariam Kvaratskhelia, como "pré-planeado".

"Penso que se tratou de uma ação pré-planeada e coordenada entre o governo e os grupos radicais. Pensamos que esta operação foi planeada com o objetivo de sabotar a candidatura da Geórgia à UE", disse à Reuters.

Membros da Alt-Info, uma emissora de TV ultraconservadora com laços estreitos com a Igreja Ortodoxa da Geórgia, já haviam perturbado o Orgulho de Tbilisi em 2021. Desde a sua fundação como plataforma mediática conservadora em 2019, o grupo tem tentado expandir a sua influência política através da criação de um partido alternativo ao Sonho Georgiano, no poder, e ao Movimento Nacional Unido, na oposição. Entre os seus objetivos declarados está a procura de relações mais estreitas com a Rússia.

O ataque do Alt-Info surge numa altura em que a Geórgia se tem debatido com o seu pedido de adesão à UE nos últimos anos, apesar do esmagador apoio público e político à integração na UE.

O caminho da ex-república soviética para a candidatura à UE tem sido travado por uma política profundamente polarizada e pela influência excessiva de interesses instalados na vida económica, política e pública, a par da disputa territorial com a Rússia nas regiões da Abcásia e da Ossétia do Sul.

PUBLICIDADE

O cancelamento do festival do Orgulho pode ser mais um golpe para as aspirações da Geórgia à UE.

A retórica anti-LGBTIQ, a desinformação e a violência não têm lugar nestes debates", afirmou Roberta Metsola, Presidente do Parlamento Europeu, condenando as "perturbações violentas". Os contraprotestos representaram uma violação da liberdade de expressão e do direito de reunião pacífica da UE, afirmou a embaixadora da UE para o Género e a Diversidade no Twitter.

Dividir e conquistar

A mesma tensão surgiu nos países dos Balcãs Ocidentais, onde os líderes se têm debatido com a necessidade de manter uma linha identitária e política ténue entre os movimentos nacionalistas religiosos anti-LGBTQ+ e a opinião pública europeizante pró-LGBTQ+.

Embora estes países tenham, em geral, elevados níveis de apoio político e público à adesão à UE, os seus progressos no sentido da adesão estagnaram na última década.

O nacionalismo religioso constituiu um desafio significativo, uma vez que os líderes da Igreja Ortodoxa Sérvia, da Igreja Católica e das autoridades islâmicas se uniram para combater os direitos das pessoas LGBTQ+ formando coligações com partidos políticos conservadores.

PUBLICIDADE

Nos últimos anos, as ações anti-LGBTQ+ tornaram-se mais violentas, com agressões físicas por parte de manifestantes ultranacionalistas a participantes no Orgulho da Bósnia e Herzegovina em março deste ano, no Orgulho de Belgrado em 2022 e no Orgulho de Zagreb em 2021.

A controvérsia em torno de um veto que teria reconhecido as uniões entre pessoas do mesmo sexo na Sérvia em 2021 é apenas mais um exemplo da crescente reação conservadora contra os direitos LGBTQ+ que se está a instalar nos países dos Balcãs Ocidentais.

Ponta do icebergue

No entanto, esta tendência não é exclusiva dos países dos Balcãs Ocidentais.

Em 2021, o Fórum Parlamentar Europeu para os Direitos Sexuais e Reprodutivos (EPF) revelou mais de 707,2 milhões de dólares (600 milhões de euros) de financiamento anti-género dos Estados Unidos, da Federação Russa e da Europa, visando especificamente os direitos LGBTQ+ em toda a Europa entre 2009 e 2018.

O vasto relatório, que examinou 117 agentes de financiamento anti-género ativos na Europa, insistiu que as conclusões eram apenas a "ponta do icebergue", uma vez que metade deles - 63 - não dispunha de dados financeiros.

PUBLICIDADE

"É claro que existem enormes lacunas de dados que não podem ser preenchidas neste momento, pelo que 700 milhões de dólares são realmente a ponta do icebergue da dimensão deste movimento anti-género", afirmou o secretário da EPF, Neil Datta.

De acordo com Evelyne Paradis, diretora executiva da ILGA-Europa, os esforços do movimento anti-género para polarizar ainda mais o discurso público estão a levar os governos pró-democracia a alimentar o preconceito e o ódio contra as pessoas LGBTQ+.

"A prática do bode expiatório das pessoas LGBTQ+ está a começar a ser instrumentalizada tanto pelo lado pró-democracia como pelo lado anti-democracia.
Se fizermos disso um indicador de quão bons somos, estamos a criar esta divisão", disse à Euronews.

"Esta polarização crescente não está a ajudar o que deveria ser uma conversa mais saudável e calma. O que está a acontecer neste momento é completamente o oposto".

Em vez disso, Paradis disse que os governos pró-democracia precisam de avançar com a agenda progressista e evitar os efeitos perversos da polarização financiada por estrangeiros.

PUBLICIDADE

"Estamos todos em modo de reação e é muito difícil resistir e estar em modo pró-ativo. Os governos têm de ultrapassar a agenda negativa do movimento anti-género e continuar a promover a nossa agenda positiva. É aí que a estratégia da oposição está a funcionar - está realmente a empurrar toda a gente para o modo reativo."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incidente diplomático e religioso entre Bulgária e Rússia está longe de terminar

Comunidade LGBTQ+ resiste à repressão de Moscovo

Parlamento russo aprovou projeto-lei que proíbe procedimentos de afirmação de género