Família apela à libertação de diplomata da Comissão Europeia detido no Irão

Johan Floderus já foi julgado por espionageme aguarda o veredicto
Johan Floderus já foi julgado por espionageme aguarda o veredicto Direitos de autor AmirAbbas Ghasemi/AP
De  Méabh Mc Mahon
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O diplomata Johan Floderus, de 33 anos e nacionalidade sueca, está detido numa prisão do Irão há quase dois anos, acusado de espionagem. O alto-funcionário do serviço de ação externa da União Europeia (UE) poderá ser condenado à morte e a sua irmã falou à euronews sobre os riscos que corre.

PUBLICIDADE

A UE considera a detenção ilegal, arbitrária e parte daquilo a que se apelida de "diplomacia dos reféns", praticada pelo Irão para fazer pressão política sobre o Ocidente. A família do diplomata tentou sensibilizar a opinião pública, num evento em Bruxelas,e falou com a euronews.

"As fotografias do julgamento mostram-me que ele está muito diferente do irmão que conheço. Vejo que não tem a mesma luz nos olhos. Parece muito mais magro, muito pálido, claro, uma vez que quase nunca sai da cela e sei que não come tanto como necessita. Para já para não falar da dor interior de estar ali", explicou Ingrid Floderus.

"Aagora é acusado de algo pelo qual talvez seja condenado a pena de morte. E está sozinho porque nem sequer termos um embaixador sueco no Irão", acrescentou.

O detido passou 300 dias em isolamento e agora está numa cela com luz, 24 horas por dia, que o impede de descansar. Durante os primeiros dez meses, não pôde contactar a família. 

Ele é um homem inocente e quero realçar que não creio que ninguém acredite que o meu irmão tenha cometido os crimes de que é acusado. Portanto, trata-se de um grande jogo político em que o meu irmão está a ser usado como peão.
Ingrid Floderus
Irmã do diplomata Johan Floderus

Depois de várias greves de fome, o diplomata passou a ter um número muito limitado de chamadas telefónicas. Apenas duas chamadas foram com vídeo e a comunicação tem de ser feita em Inglês e não em Sueco.

"O meu Inglês não é fluente, porque sou sueca, mas temos de falar em Inglês durante essas chamadas, caso contrário... é uma exigência do outro lado. E também sabemos que ele está a ser supervisionado e que eles interrompem a chamada telefónica se for dito algo que eles não querem. Por isso, é difícil para nós saber o que se está realmente a passar e aquilo a que ele talvez esteja forçado a dizer", disse a irmã do diplomata.

O julgamento por espionagem, praticado alegadamente a favor de Israel, decorreu ao longo dos ultimos dois meses e o diplomata aguarda agora pela sentença.

"Ele é um homem inocente e quero realçar que não creio que ninguém acredite que o meu irmão tenha cometido os crimes de que é acusado. Portanto, trata-se de um grande jogo político em que o meu irmão está a ser usado como peão. Isso é algo que não posso aceitar. E não creio que a Suécia e a União Europeia també não devem aceitar", concluiu.

No início do julgamento, a Comissão Europeia emitiu um comunicado em que apelou à libertação incondicional do seu funcionário, que considera imocente de todas as acusações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Irão anuncia troca de prisioneiros com EUA depois do desbloqueio de fundos iranianos

Josep Borrell confirma que o cidadão sueco detido no Irão é um diplomata da UE

Irão liberta trabalhador humanitário belga