EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eurodeputados processam Comissão Europeia por descongelar verbas para Hungria

O Parlamento Europeu criticou abertamente a Comissão por ter realizado 10,2 mil milhões de euros em fundos congelados para a Hungria.
O Parlamento Europeu criticou abertamente a Comissão por ter realizado 10,2 mil milhões de euros em fundos congelados para a Hungria. Direitos de autor European Union 2024.
Direitos de autor European Union 2024.
De  Jorge Liboreiro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O Parlamento Europeu prepara-se para processar a Comissão Europeia por ter descongelado 10,2 mil milhões de euros de fundos de coesão para a Hungria, que está sob procedimento por infração.

PUBLICIDADE

A Comissão dos Assuntos Jurídicos e do Mercado Interno do Parlamento Europeu, aprovou, segunda-feira, a proposta de avançar com uma ação judicial contra a Comissão Europeia, pela decisão que tomou em dezembro passado.

Esta decisão terá, ainda, de ser aprovada pela presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, e apresentada ao Tribunal de Justiça Europeu até 25 de março, o mais tardar.

A Comissão Europeia argumentou que o desbloqueio se justificava porque o governo de Budapeste tinha aprovado, em maio do ano passado, uma reforma para reforçar a independência judicial e atenuar a interferência política nos tribunais, em conformidade com quatro "super objetivos" que o executivo tinha imposto.

Os legisladores, fazendo eco das preocupações expressas pela sociedade civil, contestaram o raciocínio e disseram que a reforma não estava à altura do exigido. 

Os eurodeputados queixaram-se, também, de que o dinheiro foi descongelado um dia antes de uma cimeira crucial dos líderes da UE, na qual o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, ameaçou vetar acordos de apoio à Ucrânia.

Numa resolução aprovada em janeiro, os eurodeputados levantaram a perspetiva de uma ação judicial e sublinharam que "a UE não pode, de forma alguma, ceder à chantagem e negociar os interesses estratégicos da UE e dos seus aliados renunciando aos seus valores".

"A Hungria não cumpre o padrão de independência judicial estabelecido nos Tratados da UE, uma vez que as medidas adoptadas não garantem salvaguardas suficientes contra a influência política e podem ser contornadas ou aplicadas de forma inadequada", dizia a proposta.

Comissão Europeia não recuou

Dias mais tarde, os eurodeputados criticaram os comissários europeus Didier Reynders (Justiça), Nicolas Schmit (Emprego) e Johannes Hahn (Orçamento) por terem feito aquilo a que chamaram um "acordo político" com Orbán para garantir o levantamento do seu veto em troca dos 10,2 mil milhões de euros.

Os três comissários europeus mantiveram-se firmes e insistiram que a Hungria tinha apresentado provas suficientes para demonstrar o cumprimento dos quatro "super objetivos", que incluíam medidas para reforçar o Conselho Nacional da Magistratura, um conselho de supervisão autónomo, e para acabar com a ingerência política no Supremo Tribunal.

"A Comissão tinha a obrigação legal de tomar uma decisão", disse Reynders.

O executivo comunitário ainda retém cerca de 12 mil milhões de euros dos fundos de coesão para a Hungria e a maior parte do seu plano de recuperação e resiliência de 10,4 mil milhões de euros, uma situação que Orbán tem denunciado repetidamente como "chantagem financeira".

Cada envelope está sujeito a diferentes conjuntos de condições que exigem alterações legislativas em domínios como os direitos LGBTQ+, a política de asilo, os contratos públicos e a luta contra a corrupção.

Um único pacote

No entanto, na resolução de janeiro, os eurodeputados afirmam que os fundos que permanecem bloqueados "devem ser tratados como um pacote único e integral e que nenhum pagamento deve ser efetuado, mesmo que sejam feitos progressos numa ou mais áreas, mas persistam deficiências noutra".

Valérie Hayer, eurodeputada francesa que é presidente da bancada liberal Renovar a Europa, apelou à Comissão Europeia para que mantenha uma "transparência total" e forneça ao Parlamento Europeu todas as informações relativas à libertação de fundos.

"É muito importante que analisemos os aspectos legais das decisões tomadas pela Comissão", disse Hayer, aos jornalistas.

Esta não é a primeira vez que o Parlamento Europeu apresenta uma queixa judicial para forçar a Comissão a agir, já que em 2021, recorreu a essa medida por o executivo "não aplicar" um novo mecanismo que ligava os pagamentos de fundos da UE ao respeito pelos direitos fundamentais do bloco.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de pessoas protestam na Hungria contra o governo de Viktor Orbán

Novo inimigo político de Orbán divulga alegadas provas de corrupção

Mais de 10 mil pessoas na tradicional travessia do Lago Balaton na Hungria