Presidente do Parlamento Europeu aprova queixa contra a Comissão Europeia

O Parlamento Europeu interpôs uma ação judicial contra a Comissão Europeia por ter libertado fundos congelados para a Hungria.
O Parlamento Europeu interpôs uma ação judicial contra a Comissão Europeia por ter libertado fundos congelados para a Hungria. Direitos de autor European Union, 2024.
De  Jorge LiboreiroEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, deu luz verde ao processo para apresentar queixa em tribunal contra a Comissão Europeia, devido ao descongelamwento de fundos para a Hungria.

PUBLICIDADE

A proposta aprovada pela comissão parlamentar de Assuntos Jurídicos, na segunda-feira, obteve aprovação final da presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, quinta-feira, após uma reunião com os líderes dos grupos políticos. 

Roberta Metsola tem a autoridade final para intentar ações judiciais contra outras instituições junto do Tribunal de Justiça Europeu. O prazo para a apresentação da queixa termina a 25 de março.

Com esta ação judicial, o hemiciclo aumenta a pressão sobre Ursula von der Leyen, que procura um segundo mandato como presidente da Comissão Europeia,tendo prometido manter-se firme em relação ao Estado de direito, uma questão sensível que absorveu uma energia considerável do seu primeiro mandato.

O Parlamento Europeu foi muito crítico da decisão tomada pela Comissão , em dezembro, que desbloqueou 10,2 mil milhões de euros de fundos de coesão para a Hungria, aos quais o país não tinha podido aceder devido a deficiências persistentes no Estado de direito.

O executivo comunitário argumentou que o desbloqueio se justificava porque o governo de Budapeste tinha aprovado, em maio do ano passado, uma reforma para reforçar a independência judicial e atenuar a interferência política nos tribunais, em conformidade com quatro "super objetivos" que Bruxelas tinha imposto.

Os legisladores, fazendo eco das preocupações expressas pela sociedade civil, contestaram o raciocínio e disseram que a reforma não estava à altura do exigido. Queixaram-se também de que o dinheiro tinha sido descongelado um dia antes de uma cimeira crucial dos líderes da UE, na qual o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, tinha ameaçado vetar acordos-chave sobre a Ucrânia.

Numa resolução aprovada em janeiro, os eurodeputados levantaram a perspetiva de uma ação judicial e sublinharam que "a UE não pode, de forma alguma, ceder à chantagem e negociar os interesses estratégicos da UE e dos seus aliados renunciando aos seus valores".

"A Hungria não cumpre o padrão de independência judicial estabelecido nos Tratados da UE, uma vez que as medidas adoptadas não garantem salvaguardas suficientes contra a influência política e podem ser contornadas ou aplicadas de forma inadequada.

Dias depois, os eurodeputados acusaram os comissários Didier Reynders (Justiça), Nicolas Schmit (Emprego) e Johannes Hahn (Orçamento) de terem feito o que consideraram ser um acordo de bastidores com Orbán para garantir o levantamento do seu veto em troca dos 10,2 mil milhões de euros. 

Os três comissários mantiveram a sua posição e insistiram que a Hungria tinha apresentado provas suficientes para demonstrar o cumprimento dos quatro "super objetivos", que incluíam medidas para reforçar o Conselho Nacional da Magistratura, um conselho de supervisão autónomo, e para acabar com a ingerência política no Supremo Tribunal.

"A Comissão tinha a obrigação legal de tomar uma decisão", disse Reynders.

Verbas congeladas

Bruxelas continua a reter cerca de 12 mil milhões de euros da parte atribuída à Hungria dos fundos de coesão e a maior parte do seu plano de recuperação e resiliência de 10,4 mil milhões de euros, uma situação que Orbán tem denunciado repetidamente como "chantagem financeira".

Cada envelope está sujeito a diferentes conjuntos de condições que exigem alterações legislativas em domínios como os direitos LGBTQ+, a política de asilo, os contratos públicos e a luta contra a corrupção. Os funcionários da Comissão afirmaram que pouco ou nenhum progresso foi feito a este respeito.

Na resolução de janeiro, os eurodeputados alertam para o facto de os fundos que permanecem bloqueados "deverem ser tratados como um pacote único e integral e de não deverem ser efetuados pagamentos, mesmo que se registem progressos numa ou mais áreas, mas persistam deficiências noutras".

Esta não é a primeira vez que o Parlamento recorre ao Supremo Tribunal do Luxemburgo para forçar a Comissão a agir. O hemiciclo apresentou uma ação judicial contra o executivo, em 2021, por "não aplicar" um novo mecanismo que vinculava os pagamentos de fundos da UE ao respeito pelos direitos fundamentais do bloco.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputados processam Comissão Europeia por descongelar verbas para Hungria

Eurodeputados questionam comissários sobre acordo com Viktor Orbán para libertar milhares de milhões em fundos congelados

Bruxelas desbloqueia 10 mil milhões de euros de fundos congelados da UE para a Hungria face às ameaças de Orbán contra a Ucrânia