O que correu mal nas sanções da UE contra Moscovo? Putin deverá ficar mais seis anos no poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, gesticula enquanto fala durante uma entrevista a um órgão de comunicação social estatal russo em Moscovo, Rússia, 12 de março de 2024.
O Presidente russo, Vladimir Putin, gesticula enquanto fala durante uma entrevista a um órgão de comunicação social estatal russo em Moscovo, Rússia, 12 de março de 2024. Direitos de autor Gavriil Grigorov, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP
De  Clara Preve
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Presidente Vladimir Putin tem praticamente garantida a conquista de mais seis anos de poder nas próximas eleições russas. Os opositores - muitos deles atrás das grades, exilados no estrangeiro ou mortos - dizem que a UE deve intensificar esforços para fragilizar Moscovo.

PUBLICIDADE

Os críticos do Presidente russo Vladimir Putin afirmam que a UE tem de fazer mais para os ajudar a fragilizar o poder russo, antes de uma eleição presidencial tão rigidamente controlada pelo atual presidente do Kremlin que não deixa espaço para qualquer oposição ao seu governo de 25 anos.

Apesar dos esforços da UE para sancionar as autoridades russas pela invasão em grande escala da Ucrânia e pela repressão em curso contra a dissidência, o escrutínio terá lugar semanas depois de Moscovo ter conquistado um território significativo na Ucrânia.

 Entretanto, a elite governante está a enriquecer, a Rússia tem vendido petróleo a um preço superior ao limite estabelecido pelo G7, o exército de Moscovo está a obter tecnologia militar sancionada através de países aliados e a voz do mais feroz crítico de Putin, Alexei Navalny, foi silenciada para sempre no mês passado, quando morreu na colónia penal onde estava detido.

A Rússia pode ser o país mais sancionado do mundo, mas "houve muitos erros" nas medidas restritivas implementadas pelos aliados ocidentais, disse à Euronews o político russo e líder da oposição Dmitry Gudkov. As sanções beneficiaram Putin e estão a prejudicar os russos comuns.

Os funcionários europeus só agora estão a perceber que "algo correu mal", acrescentou Dmitry Gudkov.

No mês passado, um tribunal de Moscovo impediu o principal adversário de Putin, Boris Nadezhdin, um opositor da guerra na Ucrânia, de concorrer às eleições.

Gudkov, líder do partido da oposição Partido das Mudanças, foi exilado na Ucrânia em 2021 depois de ter sido detido - e libertado pouco tempo depois - devido ao que afirma ser um processo criminal "falso" contra ele. Em fevereiro, um tribunal de Moscovo emitiu um mandado de captura contra ele, acusado de distribuir informações "falsas" sobre as forças armadas russas. O antigo político pode apanhar até 10 anos de prisão.

Dmitry Gudkov no parlamento russo em 2015.
Dmitry Gudkov no parlamento russo em 2015.imagem cedida por Dmitry Gudkov

Para os dissidentes russos, a ilegitimidade de Putin não deve ser questionada: o líder russo é alvo, desde março de 2023, de um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra cometidos na Ucrânia; o referendo de 2020 que lhe permitiu concorrer a mais dois mandatos presidenciais de seis anos foi considerado uma farsa pelos observadores internacionais; e estas eleições serão realizadas nos territórios ilegalmente anexados de Donetsk, Luhansk, Kherson e Zaporizhzhia.

Porque é que o Ocidente não conseguiu aplicar sanções de forma eficaz?

De acordo com Rasa Juknevičienė, membro do Parlamento Europeu da Lituânia, a UE não tem uma "estrutura eficaz" para implementar sanções contra a Rússia devido à falta de experiência do bloco.

A União Europeia, composta por 27 países, lançou o seu 13º pacote de sanções contra a Rússia no mês passado para restringir ainda mais o acesso de Moscovo a tecnologias militares e evitar que as sanções sejam contornadas.

Mas, segundo Juknevičienė, os líderes ocidentais têm "medo de punir Putin, de esmagar o regime de Putin e de prestar todo o apoio necessário à Ucrânia".

A Forbes anunciou no ano passado que a riqueza global dos super-ricos da Rússia tinha aumentado em 152 mil milhões de dólares (139 mil milhões de euros) desde 2022. Também contabilizou 110 bilionários na Rússia - mais 22 do que no ano anterior.

Em declarações aos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE em fevereiro, a viúva de Navalny, Yulia Navalnaya, afirmou que as sanções não visaram suficientemente a elite russa. A viúva de Navalny, Yulia Navalnaya, afirmou que as sanções não atingiram suficientemente a elite russa, que transferiu os seus bens para familiares e amigos para evitar a apreensão dos seus bens. "Os amigos de Putin estão simplesmente a rir-se de vocês", disse Navalnaya.

Desde a invasão total da Ucrânia, a Rússia tem conseguido vender petróleo acima do limite de preço de 60 dólares por barril estabelecido pelos países do G7 em dezembro de 2022, de acordo com o Conselho Atlântico. O Kremlin está a movimentar mais de 70 por cento do seu petróleo "através de uma frota sombra", disse Navalnaya.

Um relatório elaborado por investigadores do King's College de Londres concluiu que a Rússia tem sido capaz de contornar as sanções importando produtos proibidos através de países amigos como a Geórgia, a Bielorrússia e o Cazaquistão.

"Vemos como as sanções não funcionam e isso é óbvio para o Ocidente", disse a dissidente russa Anastasia Shevchenko à Euronews. Apesar de acreditar que o conceito de sanções em geral pode ser eficaz, Anastasia Shevchenko defende que os aliados têm "muito trabalho a fazer" para que as sanções possam afetar Putin.

Como é que a União Europeia pode ajudar a oposição russa?

Shevchenko foi a primeira pessoa na Rússia a ser processada criminalmente ao abrigo da lei do Kremlin sobre "organizações indesejáveis". Enquanto esteve presa, a sua filha mais velha, Alina, adoeceu. As autoridades russas só permitiram que Anastasia visse a sua filha horas antes de esta morrer.

Para Shevchenko, uma das coisas mais importantes que os funcionários europeus podem fazer nas próximas eleições é reconhecer o regime de Putin como ilegítimo. "Este é um ponto crucial para nós", disse Shevchenko à Euronews.

PUBLICIDADE
Anastasia Shevchenko num protesto em Rostov, na Rússia, para exigir a libertação de Oleg Navalny, irmão de Alexei Navalny, em 2016.
Anastasia Shevchenko num protesto em Rostov, na Rússia, para exigir a libertação de Oleg Navalny, irmão de Alexei Navalny, em 2016.Provided by Anastasia Shevchenko.

"Ninguém conhece Putin melhor do que nós"

Nas eleições de 2018, países como os Estados Unidos, a Hungria e Israel felicitaram Putin pela sua reeleição. A França e a Alemanha reconheceram a sua vitória, mas abstiveram-se de usar a palavra "felicitar".

Os dissidentes também sublinham a necessidade de apoio ocidental aos russos que escaparam ao regime.

Dimitri Androssow, um crítico de Putin que vive atualmente em Berlim, disse à Euronews que alguns programas e oportunidades em todo o mundo foram fechados aos russos. Um deles foi um estágio no Bundestag alemão, que mudou a sua carreira há 10 anos, mas que foi restringido aos cidadãos russos na sequência da agressão do país à Ucrânia, há dois anos.

"O Ocidente deve concentrar-se naqueles que se atrevem a mostrar de alguma forma que são contra este regime", disse Androssow. "Este é o nosso futuro. Esta é a oportunidade democrática para a nossa Rússia. As pessoas que são contra este regime e que não têm medo de falar sobre isso".

Androssow é membro do conselho do Partido da Liberdade do Povo da Rússia. Deixou o país em 2022 devido a perseguições políticas.

PUBLICIDADE

Para o agora exilado Gudkov, os funcionários da UE também deveriam incluir os dissidentes russos na elaboração das políticas de sanções. Gudkov afirma ter apresentado algumas propostas aos colegas europeus, mas estas não foram tidas em consideração.

"Ninguém conhece Putin melhor do que nós. Ninguém conhece o nosso país melhor do que nós. Ninguém conhece as elites e a sociedade civil russa melhor do que nós", afirmou Gudkov. "Mas, infelizmente, os nossos conhecimentos não são tidos em conta quando a política de sanções é aplicada", frisou Gudkov.

A partir do exílio, a mudança

Entretanto, os líderes da oposição apelam aos russos para que compareçam nas urnas no dia 17 de março ao meio-dia e escrevam "Navalny" ou rasguem o boletim de voto como forma de protesto. Embora isto possa não ter um efeito direto sobre o regime, o objetivo é "afetar a perceção destas chamadas eleições", disse Gudkov. A nível interno, a legitimidade de Putin será afetada, acrescentou Gudkov.

"Queremos demonstrar que muitas pessoas que saem à rua e vão às assembleias de voto são contra Putin e a guerra", disse Gudkov. "É o único formato seguro para as pessoas se manifestarem e expressarem a sua posição sem serem detidas."

Shevchenko disse que já está a ver uma mudança na sociedade russa. Imagens e vídeos do funeral de Navalny este mês mostraram centenas de pessoas a fazer fila para prestar homenagem ao líder da oposição, apesar das ameaças de detenção por parte da polícia russa.

PUBLICIDADE

"Quando as pessoas vêem que há muitas pessoas como elas que estão por perto, isso ajuda-as a livrar-se do medo. Penso que isso significa que, passo a passo, deixam de ter medo", frisou disse Shevchenko.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vice-presidente de empresa russa de energia morre "subitamente" de suicídio

Eleições na Rússia #Duma2016: Medvedev e Putin "cantam" vitória do Rússia Unida

Poucos eurodeputados com boas notas dos ambientalistas no Pacto Ecológico