EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Partido Volt apresenta lista transnacional "simbólica" nas eleições europeias

Sophie In 'T Veld e Damian Boeselager, cabeças de lista do partido Volt
Sophie In 'T Veld e Damian Boeselager, cabeças de lista do partido Volt Direitos de autor Volt Europe
Direitos de autor Volt Europe
De  Vincenzo Genovese
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em italiano

Nas próximas eleições europeias, os cidadãos dos 27 Estados-Membros só escolherão candidatos no seu próprio país, como tem sido sempre o caso até à data. Alguns partidos gostariam de alterar esta regra e um deles apresentará uma lista transnacional "simbólica".

PUBLICIDADE

O partido Volt, que tem o mesmo programa eleitoral em 16 estados diferentes, vai apresentar uma lista "simbólica" com candidatos de diferentes países: os principais candidatos serão dois atuais eurodeputados, escolhidos pelos membros do partido: a holandesa Sophie In 'T Veld, que tem assento no grupo Renew Europe, e o alemão Damian Boeselager, já eleito com o Volt em 2019, que faz parte do grupo Greens/Free Alliance for Europe.

No boletim de voto de cada país, os nomes serão diferentes, como explica Francesca Romana D'Antuono, copresidente da Volt Europe, à Euronews.

A lista que estamos a criar não pode participar no processo eleitoral. Mas para nós era muito importante tê-la como símbolo da Europa que queremos ver
Francesca Romana D'Antuono
Co-presidente do Volt Europa

Uma ideia complicada

Em 2022, o Parlamento Europeu tinha aprovado a criação de um colégio transnacional, com a eleição de 28 eurodeputados de diferentes nacionalidades, com base nos votos de todos os cidadãos europeus.

O mecanismo previa dois boletins de voto para cada eleitor: um para o seu círculo eleitoral nacional e outro, igual em toda a Europa, para o círculo eleitoral transnacional. A lista europeia seria dividida em três secções.

Na primeira, os candidatos dos países mais populosos: Alemanha, França, Itália e Espanha. Na segunda, os candidatos dos países de média dimensão, como a Bélgica, a Grécia ou a Suécia e, na terceira, os países mais pequenos, desde a Dinamarca até aos 514 000 habitantes de Malta.

As listas seriam "bloqueadas", com os candidatos das três secções diferentes a serem eleitos alternadamente, de modo a garantir a representação também dos Estados menos populosos e a evitar que os candidatos dos Estados maiores monopolizassem o círculo eleitoral, uma vez que podem contar com um maior número de candidatos.

Mas a proposta não foi aceite pelos governos da UE. Os 15 deputados suplementares que serão eleitos em 2024, ano em que o Parlamento passará dos atuais 705 para 720 deputados, continuarão a ser provenientes de listas nacionais.

Qualquer cidadão da UE poderá candidatar-se noutro país: a própria Sophie in 't Veld, uma das duas principais candidatas do Volt, candidatar-se-á na Bélgica, onde vive há 20 anos. Sandro Gozi, ex-subsecretário para os Assuntos Europeus do governo Renzi, cidadão italiano eleito em França na Liste Renaissance do Presidente Emmanuel Macron, tem assento no atual Parlamento.

Rumo a um futuro transnacional?

Os defensores das listas transnacionais não desistem. O grupo liberal Renew Europe e o Partido Verde Europeu incluíram-no nos seus manifestos eleitorais, tal como o Volt.

Muitos cidadãos teriam ficado entusiasmados com a ideia de votar numa lista transnacional, acredita Sophie in 't Veld . "Mas a ideia foi bloqueada por políticos nacionais que não se entusiasmaram com a possibilidade de os cidadãos poderem efetivamente escolher entre candidatos europeus. Estou certo de que isso irá acontecer no futuro. Se não for em 2024, será em 2029".

As listas transnacionais são vistas como uma forma de elevar o debate político a nível europeu e criar uma única competição eleitoral em vez de 27 diferentes. É por isso que enfrentam a oposição dos partidos nacionalistas, bem como o ceticismo geral dos governos.

O sonho de uma lista europeia, votada por todos os europeus, parece destinada a permanecer assim mesmo: um sonho. Pelo menos por enquanto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Borrell afirma ter “a certeza” que Rússia vai tentar interferir nas eleições europeias

Partidos de direita da Roménia juntam esforços para campanha às europeias

Eleições europeias: Conhecidos os candidatos do partido europeu Volt