EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Parlamento Europeu aprova novo pacto sobre migração e asilo da UE

Maioria dos migrantes e requerentes de asilo chega por mar
Maioria dos migrantes e requerentes de asilo chega por mar Direitos de autor Francesco Malavolta/ all rights reserved by Frontex press
Direitos de autor Francesco Malavolta/ all rights reserved by Frontex press
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Parlamento Europeu aprovou por uma pequena margem a reforma abrangente da política de migração e asilo da União Europeia, quarta-feira, em sessão plenária, em Bruxelas.

PUBLICIDADE

A medida foi precedida de incerteza devido a um crescente coro de dissidência da direita e da esquerda, que não conseguiu inviabilizar a importante votação. A sessão foi brevemente interrompida por manifestantes que protestaram contra a medida.

O Pacto sobre Migração e Asilo, um conjunto elaborado de cinco peças legislativas separadas mas interligadas, só precisa agora da luz verde final dos Estados-membros, que é esperada para o final do mês.

O Pacto prevê regras coletivas para gerir a receção e relocalização de requerentes de asilo, uma questão politicamente explosiva que tem sido uma fonte recorrente de tensão desde a crise migratória de 2015-2016, frustrando as tentativas contínuas de alcançar um entendimento comum a nível europeu. 

A reforma, apresentada pela primeira vez em setembro de 2020, visa virar a página da abordagem nacional, reunindo todos os aspetos da gestão da migração, incluindo a identificação dos requerentes de asilo, os procedimentos fronteiriços acelerados e a reinstalação dos refugiados. 

A sua principal novidade é um sistema de “solidariedade obrigatória” para garantir que todos os países, independentemente da sua dimensão e localização, contribuam para aliviar a pressão sobre o sul da Europa, já que a maioria das pessoas chegam por mar à Itália, Grécia e Espanha.

A ambiciosa proposta da Comissão Europeia tinha centenas de páginas e envolvia uma miríade de questões complexas, como direitos fundamentais, menores não acompanhados, privacidade de dados, contribuições financeiras, períodos de detenção e segurança nacional, o que atrasou o processo legislativo.

O Parlamento e os Estados-membros no Conselho da UE passaram anos a debater e a alterar o Pacto, aprofundando a complexidade. As conversações foram particularmente árduas no Conselho da UE, onde os países defenderam opiniões opostas de acordo com a geografia, economia e ideologia.

Cientes dos grandes riscos, os eurodeputados assumiram a liderança e unificaram a sua posição enquanto esperavam impacientemente que o Conselho seguisse o seu exemplo. As duras negociações entre as duas instituições prolongaram-se por várias rondas e foram concluídas ao nascer do sol de 20 de dezembro. Naquele dia, Roberta Metsola, presidente do Parlamento Europeu, falou de “provavelmente o acordo legislativo mais importante deste mandato” que estava “em preparação há 10 anos”.

O Parlamento aprovou agora este compromisso, embora por uma margem inferior à inicialmente esperada. Os principais partidos estão interessados em ostentar a reforma na sua campanha para as eleições de junho, pois acreditam que pode mostrar aos cidadãos que “a UE cumpre”.

Mas se a reforma corresponde às elevadas expetativas é uma questão que levará tempo a ser respondida: as leis levarão, em média, dois anos a entrar em pleno vigor.

Uma reforma importante, mas controversa

Na sua essência, esta revisão abrange todos os aspectos internos da migração, ou seja, tudo o que acontece quando um requerente de asilo chega ao território do bloco. A dimensão externa é, pelo contrário, coberta por acordos feitos à medida com países vizinhos, tais como a Tunísia, a Mauritânia e o Egito, para evitar, em primeiro lugar, que as partidas irregulares aconteçam.

No ano passado, a UE recebeu 1,14 milhões de pedidos de proteção internacional, o maior número nos últimos sete anos, e registou 380 mil passagens irregulares de fronteiras, metade das quais através da rota central do Mar Mediterrâneo.

Crucialmente, a reforma não altera o antigo “princípio de Dublin”, que afirma que a responsabilidade por um pedido de asilo cabe primeiro ao primeiro país de chegada.

As cinco leis contidas no Pacto e aprovadas pelos eurodeputados são:

  • O Regulamento de Triagem prevê um procedimento de pré-entrada para examinar rapidamente o perfil de um requerente de asilo e recolher informações básicas tais como nacionalidade, idade, impressões digitais e imagem facial. Serão, ainda, realizadas verificações de saúde e segurança.
  • O Regulamento Eurodac alterado atualiza o Eurodac, uma base de dados em grande escala que armazenará os dados biométricos recolhidos durante o processo de triagem. O banco de dados passará da contagem de pedidos para a contagem de requerentes e evitará que a mesma pessoa apresente múltiplas candidaturas. A idade mínima para coleta de impressões digitais será reduzida de 14 para 6 anos.
  • O Regulamento sobre Procedimentos de Asilo alterado estabelece duas etapas possíveis para os requerentes: o procedimento de asilo tradicional, que é demorado, e um procedimento de fronteira acelerado, que deve durar no máximo 12 semanas. O procedimento de fronteira aplicar-se-á aos migrantes que representem um risco para a segurança nacional, forneçam informações enganosas ou sejam provenientes de países com baixas taxas de reconhecimento, como Marrocos, Paquistão e Índia. Estes migrantes não serão autorizados a entrar no território do país e, em vez disso, serão mantidos em instalações na fronteira, criando uma “ficção jurídica de não entrada”.
  • O Regulamento de Gestão do Asilo e da Migração estabelece um sistema de "solidariedade obrigatória" que oferecerá aos Estados-membros três opções para gerir os fluxos migratórios: recolocar um certo número de requerentes de asilo, pagar 20 mil euros referentes às despesas de cada requerente que se recusem a recolocar no seu país, ou financiar suporte operacional. A Comissão Europeia pretende fazer 30 mil realocações por ano, mas insiste que o sistema não forçará nenhum país a aceitar refugiados, desde que estes contribuam através de qualquer uma das outras duas opções.
  • O Regulamento de Crise prevê regras excecionais que serão acionadas quando o sistema de asilo for ameaçado por uma chegada repentina e massiva de refugiados, como foi o caso durante a crise de 2015-2016, ou por uma situação de força maior, como a pandemia de Covid-19. pandemia. Nestas circunstâncias, as autoridades nacionais serão autorizadas a aplicar medidas mais duras, incluindo períodos mais longos de registo e detenção, e a Comissão terá poderes para solicitar medidas adicionais de "solidariedade".

Riscos para os requerentes de asilo

Desde o início do debate, este Pacto tem sido alvo de críticas por parte de organizações não-governamentais, defensores dos direitos humanos e juristas, que alertam que o forte impulso para ter regras comuns e previsíveis poderá ocorrer à custa dos direitos fundamentais.

O principal ponto de preocupação tem sido o procedimento fronteiriço acelerado: embora as autoridades da UE argumentem que este procedimento mais curto estabelecerá prazos claros para os requerentes e diminuirá o atraso administrativo para as autoridades, as organizações humanitárias contestam que negará aos requerentes de asilo uma avaliação justa e completa, aumentando as probabilidades de deportação.

PUBLICIDADE

“O Parlamento Europeu deveria estabelecer um padrão mais elevado para uma política comum de asilo humana e sustentável”, afirmou a Amnistia Internacional antes da votação de quarta-feira. "No entanto, este pacote de propostas corre o risco vergonhoso de sujeitar mais pessoas, incluindo famílias com crianças, à detenção de facto nas fronteiras da UE; negando-lhes uma avaliação justa e completa das suas necessidades de proteção."

A deportação, no entanto, não é de forma alguma simples, pois depende da boa vontade de outros países em acolher de volta os migrantes cujos pedidos são recusados. No último trimestre de 2023, dos 105 mil cidadãos não pertencentes à UE que deveriam deixar o bloco, apenas 28.900 regressaram aos países de origem.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 17 migrantes resgatados e três desaparecidos em naufrágio ao largo da Grécia

Giorgia Meloni visita Egito para conter imigração ilegal

"Competição vergonhosa". Erdogan acusa Festival da Eurovisão de ameaçar a família tradicional