EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Putin discute uso de armas nucleares táticas com o aliado Lukashenko em Minsk

Lukashenko e Putin
Lukashenko e Putin Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nas reuniões sobre segurança, deverão ser abordados os exercícios militares com armas nucleares táticas iniciados pela Rússia e nos quais a Bielorrússia vai participar. Minsk serviu de trampolim para entrada de tropas russas no norte da Ucrânia.

PUBLICIDADE

A segurança e a economia estiveram no topo da agenda de uma reunião de alto nível entre o presidente russo Vladimir Putin e o homólogo bielorrusso Alexander Lukashenko em Minsk. 

O encontro está integrado na visita de dois dias de Putin à vizinha e aliada Bielorrússia, em que as matérias de segurança deverão ter especial preponderância, em particular os exercícios com armas nucleares táticas iniciados pela Rússia e nos quais se espera que a Bielorrússia participe.

O Ministério da Defesa da Rússia informou esta semana que as forças do país tinham iniciado a primeira fase dos exercícios para simular a preparação do lançamento de armas nucleares táticas. 

A segunda fase  também será objeto de discussão. “Parte disto é a participação direta dos nossos amigos e colegas bielorrussos na esfera militar nestes eventos”, afirmou Putin citado pelas agências noticiosas russas. 

"Como acordámos ontem, temos sempre duas partes. A segurança e as questões económicas", disse Lukashenko.

"Sempre adiámos as questões económicas para serem analisadas pelos nossos governos. Mas hoje é apenas uma oportunidade para ouvir o que já foi feito em relação às nossas instruções. Vamos ouvir os peritos, eles vão apresentar-nos um relatório", acrescentou o chefe de Estado bielorrusso.

Bielorrúsia apoiou Moscovo na guerra contra Kiev

Embora as forças bielorrussas não tenham participado diretamente na guerra da Ucrânia, a Bielorrússia serviu de trampolim para a entrada das tropas russas no norte da Ucrânia.

Dependente de empréstimos russos e de energia subsidiada, a Bielorrússia permitiu que o seu território fosse utilizado como ponto de paragem para os militares russos, facilitando o envio de forças do Kremlin para a Ucrânia a partir de solo bielorrusso.

Em 2023, a Rússia também transferiu algumas das suas armas nucleares táticas para a Bielorrússia.

Putin, que está a iniciar o seu quinto mandato, viajou para a China no início deste mês e deverá visitar o Uzbequistão no domingo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China

Xi Jinping promete a Putin continuar a consolidar "amizade de boa vizinhança"

Eleições na Bielorrússia com taxa de participação de 73%