EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Líder do Partido Democrático italiano pede "Europa mais social" no último comício em Roma

Líder italiana do Partido Democrático em comício em Roma
Líder italiana do Partido Democrático em comício em Roma Direitos de autor Andrew Medichini/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Andrew Medichini/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Elly Schlein focou discurso nas prioridades do Partido Democrático, entre elas o cessar-fogo em Gaza e o reconhecimento do Estado palestiniano. A nível nacional, a líder do Partido Democrático defendeu o aumento do salário mínimo.

PUBLICIDADE

A líder do Partido Democrático, Elly Schlein, realizou o último comício em Roma antes das eleições europeias. Em Itália, as votações para o Parlamento Europeu estão marcadas para o dia 9 de junho.

No discurso, Schlein apresentou as prioridades do Partido Democrático, entre elas, a necessidade de um cessar-fogo em Gaza, o reconhecimento do Estado palestiniano e o fim da guerra na Ucrânia. Relativamente às políticas nacionais, a líder do Partido Democrático centrou-se no setor público, afirmando que tanto a saúde como a educação têm de ser sustentadas e melhoradas, e defendeu o aumento do salário mínimo nacional.

“Para começar, a Europa deve ser mais social. Dizemo-lo muitas vezes, mas é verdade que o nosso partido propôs um projeto de lei que exige salvar o setor da saúde de mais cortes e privatizações levados a cabo por este governo. Para nós, tornar a Europa 'mais social' significa investir noutra prioridade, que é a educação pública como forma de encorajar a emancipação social”, disse a líder do Partido Democrático, citada pela AP.

Vários apoiantes do partido, que marcaram presença no comício, revelaram que encaram o Partido Democrático como a única alternativa capaz de desafiar o bloco de direita, tanto em Itália como na Europa.

“Ela [Elly Schlein] é a única alternativa que temos atualmente. Não há outra opção. Gostaria que a esquerda se unisse e apoiasse a Elly para que todos nos tornássemos mais fortes, tanto em Itália como na Europa”, disse uma das apoiantes citada pela AP.

Elly Schlein deixou claro, durante o comício, que o Partido Democrático e o resto da família socialista europeia não aceitam alianças com os conservadores nem com os partidos nacionalistas.

Tudo indica, porém, que estas eleições europeias serão mais um êxito político para a primeira-ministra italiana de direita, Giogia Meloni. De acordo com a última sondagem da Euronews-Ipsos, Meloni tem 27% das intenções de voto, muito acima de qualquer um dos seus adversários. O Partido Democrático e o Movimento Cinco Estrelas estão a oito e dez pontos de distância, respetivamente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: Porque é que Portugal e Malta autorizam o voto antecipado?

Eleições Europeias: “A Europa é um gigante burocrático e um anão político”, diz Giorgia Meloni

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?