EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Estado da União": Eleições europeias mergulham França na incerteza

O presidente francês Emmanuel Macron levanta o polegar do seu carro depois de votar nas eleições europeias, domingo, 9 de junho de 2024
O presidente francês Emmanuel Macron levanta o polegar do seu carro depois de votar nas eleições europeias, domingo, 9 de junho de 2024 Direitos de autor Hannah McKay/AP
Direitos de autor Hannah McKay/AP
De  Stefan Grobe
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Esta edição do "Estado da União" centra-se no resultado das eleições europeias, que levaram o Presidente francês Macron a convocar uma votação nacional dentro de algumas semanas, mergulhando a França na incerteza política. Outro tema: uma semana de intensa atividade diplomática sobre a Ucrânia.

PUBLICIDADE

As eleições europeias terminaram - e as negociações sobre as futuras alianças, coligações e cargos de topo já começaram.

Em reuniões, reuniões e mais reuniões, os vencedores e os vencidos do veredito dos eleitores começaram a preparar-se para os próximos cinco anos de batalhas legislativas.

Mas, antes de mais: foi uma semana de intensa atividade diplomática para a Ucrânia.

O Presidente Volodymyr Zelenskyy deslocou-se à Conferência de Recuperação da Ucrânia, em Berlim, à cimeira do G7, em Itália, e a uma cimeira mundial sobre a paz, na Suíça.

Apelou à ajuda a curto prazo para a reparação da rede de eletricidade da Ucrânia, ao investimento a longo prazo no seu sistema energético e renovou os seus apelos a uma maior ajuda para repelir os ataques de mísseis da Rússia.

Zelenskyy agradeceu aos deputados alemães no Bundestag o seu apoio contínuo e deixou claro o que pensa sobre o compromisso com Moscovo: quase nada.

"A Rússia tem de ser responsabilizada pela agressão da guerra. A Rússia tem de remover as ruínas. A Rússia tem de pagar por todos os danos que ocorreram no nosso país. (...) Não permitiremos que a Rússia continue a marchar pela Europa com o seu desprezo pela vida".

A nível europeu, o apoio à Ucrânia parece estar assegurado, uma vez que as eleições europeias trouxeram a mesma maioria de partidos centristas.

Ao mesmo tempo, os eleitores também reforçaram a extrema-direita, como esperado, especialmente em França.

O partido Rassemblement Nacional de Marine Le Pen obteve ganhos espetaculares e aproximou-se das portas do poder em Paris.

Este terramoto político permitiu ao Presidente Emmanuel Macron convocar eleições antecipadas dentro de poucas semanas.

Alguns observadores consideraram que se tratava de uma aposta arriscada. Mas Macron apelou às forças moderadas para se unirem contra os extremos à direita e à esquerda:

"Estou convencido de que alguns dos sociais-democratas, dos radicais (centro-esquerda), dos Verdes, dos democratas-cristãos, dos herdeiros de Charles de Gaulle (centro-direita) e, mais amplamente, de que muitos dos nossos concidadãos e líderes políticos que não se sentem representados pelos extremos podem trabalhar em conjunto com os seus líderes para construir um novo projeto".

Para debater os acontecimentos desta semana, falámos com Jacob Kirkegaard, membro sénior do German Marshall Fund e do Peterson Institute for International Economics.

O centro venceu as eleições europeias e os seus partidos mantêm uma maioria sólida. O que é que podemos esperar agora? Será que as coisas vão continuar como sempre?

PUBLICIDADE

Penso que, de facto, será muito próximo do habitual. Penso, por exemplo, que o processo de seleção da próxima equipa dirigente, ou seja, as presidências da Comissão, do Conselho, do Alto Representante, etc., será bastante rápido. Penso que será um processo bastante rápido, claramente liderado pela recondução, na minha opinião, de Ursula von der Leyen como Presidente da Comissão, impulsionado pelo facto de o PPE ter tido um bom desempenho, de a CDU ter tido um bom desempenho na Alemanha. Por isso, embora não se possa dizer que ela tenha um forte mandato democrático a apoiá-la, ela tem, no entanto, um mandato melhor do que qualquer outro candidato alternativo.

Supondo que tem razão, o Parlamento Europeu vai reeleger Ursula von der Leyen para a presidência da Comissão Europeia. Será que ela vai tentar aproximar-se da extrema-direita e que impacto terá isso na sua agenda política?

Não, não creio que essa seja a sua primeira estratégia. Ela ainda tem uma maioria, baseada nos liberais, no centro-direita e no centro-esquerda. Para além disso, devemos lembrar que o Partido Verde foi um dos que sofreu perdas significativas nestas eleições. O que isso significa é que os Verdes, que claramente recearão que Ursula von der Leyen, num novo mandato, enfraqueça aspectos do Acordo Verde. Bem, eles precisam de procurar influenciar mais do que antes, porque estão em menor número. Por isso, se ela precisa de se aproximar, eu diria que os Verdes seriam uma oportunidade muito melhor, porque não lhe custaria muito, na minha opinião, em termos de apoio dentro do seu próprio partido e de outros.

Emmanuel Macron convocou eleições antecipadas para daqui a poucas semanas. O que é que espera que venha a acontecer?

PUBLICIDADE

A ironia aqui é que as eleições europeias parecem ter causado mais ondas a nível nacional, em primeiro lugar, claro, em França. Não, quero dizer, penso que estamos agora num período de grande incerteza em França. O sistema eleitoral parlamentar francês é um sistema de duas voltas. Isso torna muito difícil fazer previsões. Dá grande importância a estes acordos de coligação partidária. E estamos a assistir a esses acordos, que são celebrados e depois desfeitos. Vimos os republicanos, ou pelo menos o líder dos republicanos, Eric Ciotti, a tentar juntar-se a Le Pen. Vimos movimentos semelhantes para um novo Front Populaire à esquerda. Exceto que o vencedor, a esquerda mais votada, nas eleições europeias, Glucksman, disse: "Sem mim". Portanto, é muito, muito incerto o que vai acontecer.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": Baixa da taxa de juros e desafios alimentares

Estado da União: A cimeira da NATO e a autodeclarada missão de paz de Orbán

Estado da União: fome iminente no Sudão e a presidência da UE de Orbán