EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Novo golpe para o Renew: Andrej Babiš retira os seus sete deputados ao Parlamento Europeu

Andrej Babiš, o antigo primeiro-ministro da República Checa, tem sido uma figura controversa entre os liberais europeus.
Andrej Babiš, o antigo primeiro-ministro da República Checa, tem sido uma figura controversa entre os liberais europeus. Direitos de autor Szilard Koszticsak/MTI - Media Service Support and Asset Management Fund
Direitos de autor Szilard Koszticsak/MTI - Media Service Support and Asset Management Fund
De  Jorge Liboreiro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A saída repentina do partido ANO enfraquece ainda mais o Renew Europe e o seu papel tradicional de líder no Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

O grupo liberal Renew Europe, que registou perdas dolorosas nas eleições de junho, sofreu um novo golpe depois de Andrej Babiš, o controverso antigo primeiro-ministro da República Checa, ter anunciado a retirada dos seus sete deputados ao Parlamento Europeu.

Isto significa que o Renew Europe passará de 81 para 74 lugares, enfraquecendo ainda mais a sua posição de líder entre conservadores e socialistas.

Babiš pediu a saída do seu partido ANO com efeito imediato.

A sua decisão, explicou, resulta de divergências relacionadas com a política de migração e o Pacto Ecológico, que o Renew Europe, apesar de alguma resistência, tem apoiado sistematicamente.

"Fomos às eleições europeias dizendo que íamos lutar contra a imigração ilegal, que queríamos revogar a proibição dos motores de combustão interna e alterar fundamentalmente o Acordo Verde", disse Babiš na manhã de sexta-feira.

"Acima de tudo, queremos que a República Checa continue a ser um país soberano. As negociações até agora mostraram que isso não será possível na fação Renew Europe", acrescentou.

O antigo primeiro-ministro acrescentou que vai procurar um novo grupo no Parlamento "com quem possamos promover o nosso programa", embora não tenha sugerido nenhum nome específico.

Bilionário, Babiš tem sido acusado de conflitos de interesses, de intimidar rivais políticos e de utilizar estruturas offshore para evitar o pagamento de impostos. Babiš foi objeto de um longo processo criminal de fraude envolvendo 2 milhões de euros de fundos da UE, que desencadeou protestos de rua. Em fevereiro, foi absolvido pela segunda vez.

A série de escândalos provocou tensões entre Babiš e os seus homólogos liberais na Europa, levantando questões sobre a duração da ligação precária que poderia ser mantida.

Em reação à notícia, a presidente do Renew Europe, Valérie Hayer, disse que o divórcio "já devia ter acontecido há muito tempo" devido ao "caminho populista" do ANO, que se revelou "incompatível" com o grupo.

"No último mês, a sua divergência em relação aos nossos valores aumentou exponencialmente e testemunhámos isso com grande preocupação", afirmou Hayer num comunicado.

"A falta de vontade do ANO em manter o seu compromisso com os valores liberais conduziu ao resultado de hoje. Viraram as costas às nossas firmes convicções e valores pró-europeus".

Hayer, que poderá enfrentar um desafio de liderança já na próxima semana, previu que a saída do ANO solidificaria o Renew Europe e torná-lo-ia "mais unido".

No entanto, a saída dos checos surge num momento particularmente precário para os liberais, que, a cada dia que passa, vêem a sua influência política em Bruxelas diminuir para novos mínimos.

Na quinta-feira, o Renew Europe anunciou a entrada de um eurodeputado do Les Engagés, um partido belga. Horas mais tarde, soube-se que o Volt Europa, o movimento federalista que obteve cinco lugares nas eleições, iria juntar-se aos Verdes e não ao Renew.

PUBLICIDADE

A mudança do Volt não foi oficialmente confirmada, mas acredita-se que se deve à relação complicada do Renew Europe com o ANO e o VVD, o partido neerlandês que assinou recentemente um acordo de coligação com Geert Wilders, um dos líderes de extrema-direita mais proeminentes da Europa.

Hayer prometeu inicialmente realizar uma votação para expulsar o VVD da família liberal mas, após as eleições, voltou atrás nos seus planos, o que teria privado o Renew de mais lugares. Em vez de expulsar o VVD, o Renew irá provavelmente enviar uma missão de observação aos Países Baixos para verificar se o partido está a ultrapassar alguma linha vermelha em termos de valores e princípios liberais, informou a Euronews em exclusivo na quinta-feira.

A retirada dos sete eurodeputados do ANO reforça o grupo de extrema-direita Conservadores e Reformistas Europeus (CRE) como a terceira maior formação do Parlamento, o que se tornou oficial no início desta semana, quando o CRE anunciou uma série de novos membros.

Babiš já excluiu a possibilidade de se juntar ao CRE, uma vez que este grupo já inclui o partido do atual primeiro-ministro, Petr Fiala, que derrotou Babiš em 2021.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partido neerlandês VVD vai manter-se no Renew Europe apesar da coligação com a extrema-direita

Maré vermelha em Madrid para receber os campeões europeus

França: coligação de esquerda vai finalmente chegar a acordo sobre um primeiro-ministro?