EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Notícias falsas inundam o Reino Unido e a França antes das eleições

O Presidente francês Emmanuel Macron e o líder da oposição britânica Keir Starmer foram alvo de desinformação em linha.
O Presidente francês Emmanuel Macron e o líder da oposição britânica Keir Starmer foram alvo de desinformação em linha. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  James Thomas
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Espera-se que ambas as votações abalem a direção política de cada país, mas, como é habitual, há muita desinformação a circular, especialmente dirigida a políticos individuais.

PUBLICIDADE

Numa altura em que o Reino Unido se prepara para as eleições gerais de quinta-feira e a França aguarda a segunda volta das eleições legislativas antecipadas três dias depois, as redes sociais estão inundadas de falsas alegações que tentam desacreditar figuras de todo o espetro político.

Este post no X diz que a antiga Secretária do Interior do Reino Unido, Suella Braverman, usou 25.000 libras (cerca de 29.500 euros) em despesas para pagar as contas de eletricidade dos pais e não as suas próprias.

Este post distorce o que o Mirror descobriu na sua investigação
Este post distorce o que o Mirror descobriu na sua investigaçãoEuronews

O caso baseia-se numa investigação efetuada pelo jornal britânico The Daily Mirror no ano passado.

Descobriu-se que a política conservadora reclamou cerca de 25.000 libras em contas domésticas para a sua casa em Londres em cinco anos, apesar de viver sem pagar renda na casa dos pais.

Esta situação está de acordo com as regras de despesas dos deputados, mas, na altura, Braverman foi acusada de explorar o sistema.

De qualquer forma, o relatório do Mirror não faz qualquer menção ao facto de Braverman ter usado as suas despesas de deputada para pagar as contas dos pais.

Por outro lado, uma imagem editada mostra Sir Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista, sentado ao lado do predador sexual Jimmy Savile.

Esta fotografia de Keir Starmer com Jimmy Savile é falsa
Esta fotografia de Keir Starmer com Jimmy Savile é falsaEuronews

A imagem não é nova, mas está de novo a circular no período que antecede as eleições.

A chanceler-sombra do Partido Trabalhista, Rachel Reeves, publicou a foto original e inalterada no X em dezembro de 2022.

Mostra Starmer sentado ao lado do antigo primeiro-ministro Gordon Brown, e não Savile, cujo rosto foi editado no corpo de Brown.

Do outro lado do Canal, publicações como esta sugerem que o presidente francês Emmanuel Macron convocou as eleições legislativas para se poder candidatar uma terceira vez.

A Constituição francesa desmente esta afirmação neste post
A Constituição francesa desmente esta afirmação neste postEuronews

Afirma que poderá demitir-se e candidatar-se novamente se a votação não for favorável, porque o seu segundo mandato ficaria incompleto.

Isto é incorreto: a Constituição francesa diz claramente que o presidente é eleito por cinco anos e não pode ter mais de dois mandatos consecutivos.

Depois, há este post que diz que Manuel Bompard, deputado do partido de esquerda La France Insoumise, está a usar um pin com um triângulo vermelho em apoio ao Hamas.

O triângulo vermelho é um símbolo antifascista
O triângulo vermelho é um símbolo antifascistaEuronews

Mas isto também não está correto - o La France Insoumise diz na sua plataforma de notícias que o distintivo é um símbolo antifascista.

PUBLICIDADE

O símbolo remete para os triângulos vermelhos que os prisioneiros políticos eram obrigados a usar pelos nazis quando estavam detidos nos campos de concentração.

A paisagem política europeia está a mudar

Sendo dois dos pesos pesados do continente, os resultados das votações em França e no Reino Unido terão provavelmente enormes ramificações na política europeia como um todo.

A extrema-direita triunfou na primeira volta das eleições francesas, no passado domingo, e parece estar preparada para obter novos ganhos na segunda volta.

A aliança de esquerda também teve um bom desempenho e espera-se que se mantenha, enquanto o apoio à coligação de Macron se desmoronou.

PUBLICIDADE

Aconteça o que acontecer, um governo dividido ou minoritário poderá constituir um sério risco para a estabilidade da UE.

O Reino Unido, por seu lado, deverá inclinar-se para a esquerda após 14 anos de governos conservadores, com as sondagens a colocarem os trabalhistas 20 pontos à frente dos seus rivais.

Tal resultado levaria a uma maioria significativa de assentos para Starmer - ainda mais do que a maioria de 80 assentos que o ex-primeiro-ministro Boris Johnson ganhou nas últimas eleições gerais em 2019.

Se se tornar primeiro-ministro, Starmer promete procurar um novo pacto de segurança entre o Reino Unido e a UE e melhorar o acordo do Brexit, mas afirmou repetidamente que não haverá regresso à união aduaneira ou ao mercado único.

PUBLICIDADE

Seja qual for o seu sentido de voto, certifique-se de que não está a ser apanhado por informações duvidosas na Internet.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os partidos apresentaram candidatos falsos nas eleições gerais no Reino Unido?

Verificação de factos: a mulher de Zelenskyy gastou 4 milhões de euros num Bugatti?

Retórica anti-imigração e antissemita no centro da desinformação relacionada com o Euro 2024