EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Operação Overload: agentes pró-russos estão a inundar redações com conteúdos falsos para sobrecarregar os jornalistas

Páginas do relatório do Centro de Engajamento Global do Departamento de Estado dos EUA, divulgado em 5 de agosto de 2020, são vistas nesta foto.
Páginas do relatório do Centro de Engajamento Global do Departamento de Estado dos EUA, divulgado em 5 de agosto de 2020, são vistas nesta foto. Direitos de autor Jon Elswick/AP
Direitos de autor Jon Elswick/AP
De  James Thomas
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Um novo relatório revela que o esquema também procura amplificar certas narrativas falsas, fazendo com que os repórteres publiquem os seus desmentidos e os partilhem por toda a parte.

PUBLICIDADE

Agentes pró-russos estão a bombardear propositadamente os jornalistas com notícias falsas, num esforço para dispersar os recursos de verificação e amplificar o alcance da desinformação, de acordo com um novo estudo.

Denominada "Operação Overload" pela empresa finlandesa de software e metodologias Check First, que publicou o relatório, o esquema em curso envolve intervenientes pró-russos anónimos que contactam jornalistas numa campanha coordenada para que verifiquem notícias suspeitas de serem falsas.

O estratagema baseia-se no princípio simples de que "toda a publicidade é boa publicidade".

Os pedidos de verificação visam geralmente a Ucrânia, a França e a Alemanha, e assumem a forma de mensagens de correio eletrónico e menções nas redes sociais.

Até agora, a "Operação Overload" visou mais de 800 organizações noticiosas na Europa e noutros países, assoberbando-as com cerca de 2.400 tweets e mais de 200 e-mails.

O Telegram também desempenhou um papel significativo, com a maioria das ligações enviadas aos jornalistas a levá-los para esta aplicação de troca mensagens.

A Check First descobriu que, nos últimos meses, foram publicadas mais de 250 verificações de factos que mencionam as falsas narrativas criadas para a Operação Overload.

Por exemplo, o remetente de uma mensagem eletrónica citada no relatório faz-se passar por um cidadão preocupado que supostamente viu afirmações suspeitas nos meios de comunicação social russos e pede aos jornalistas que dêem uma vista de olhos.

Noutra, o autor deixa claro que quer que qualquer verificação de factos seja amplamente partilhada para que possa ser vista pelo maior número possível de pessoas.

Isto prova o objetivo da Operação Overload de chegar a um público mais vasto, quer a história seja desmascarada ou não, segundo a Check First.

Promover a "agenda militar" do Kremlin

Os agentes pró-russos usam o que a Check First chama de "amálgama de conteúdo", em que misturam diferentes tipos de conteúdo para criar uma história credível e com várias camadas.

Ao serem inundados com tanta informação, cria-se um falso sentido de urgência entre os jornalistas, o que conduz ao sucesso do esquema.

"A operação serve tanto para fins de propaganda interna como de FIMI [interferência estrangeira e manipulação de informação]", afirma a Check First. "Embora o nosso relatório se concentre principalmente neste último, é essencial reconhecer que o conteúdo considerado falso tem origem em plataformas de redes sociais russas e se espalha em sites e blogues em língua russa, incluindo meios de comunicação social estatais, com o objetivo manifesto de promover a agenda militar do Kremlin para o público local.

Muitas das notícias falsas assumem a forma de vídeos e criam narrativas para desacreditar os refugiados ucranianos que vivem no Ocidente.

Este vídeo, por exemplo, usa os recursos da Euronews para espalhar a história de que um salão de beleza ucraniano na Polónia está a expor os clientes a picadas de mosquito para os ajudar a perder peso.

PUBLICIDADE
O vídeo falso usa a imagem da Euronews
O vídeo falso usa a imagem da EuronewsCheck First

Uma pesquisa reversa de imagem mostra que as imagens foram retiradas de um vídeo do YouTube exibido em 2021, no qual uma mulher polaca é presa em Gdansk. Não tem nada a ver com a Ucrânia ou com os ucranianos.

Outro vídeo, erradamente atribuído à Euronews, utiliza imagens antigas do economista francês Philippe Aghion para falar do alegado agravamento da crise económica em França.

O que fazem agora os verificadores de factos?

Embora possa parecer que a eficácia das verificações de factos foi posta em causa, a Check First exorta os jornalistas a manterem-se vigilantes e a redobrarem os seus esforços para reprimir os conteúdos enganosos.

A empresa incentiva os jornalistas a verificarem a identidade de qualquer pessoa que envie as suas preocupações por e-mail ou redes sociais.

PUBLICIDADE

"Ao receber e-mails ou mensagens diretas, especialmente quando aludem à 'propaganda do Kremlin', desconfie de e-mails não solicitados e mensagens diretas que contenham links ou anexos relacionados com a Ucrânia, Rússia ou outros tópicos politicamente sensíveis", diz a Check First.

Os verificadores de factos são encorajados a colaborar entre os meios de comunicação social para identificarem padrões e potenciais esforços coordenados, aumentando a consciência e a resposta coletivas.

A Check First também sugere que os meios de comunicação social reforcem a formação em cibersegurança e as melhores práticas, como a comunicação de e-mails suspeitos.

"Forme a sua equipa para reconhecer a fusão de conteúdos, em que diferentes tipos de conteúdos manipulados são combinados para criar uma narrativa falsa mais convincente", afirma. "Isto inclui a compreensão da forma como vídeos, imagens e textos relacionados podem ser detetados em vários meios de comunicação duvidosos ou publicados por contas suspeitas nas redes sociais".

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Centenas de cubanos visitam navio de guerra russo

Jornalista norte-americano Evan Gershkovich vai ser julgado na Rússia por espionagem

Ameaças da Rússia preocupam flanco leste da NATO