EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O planeta vai atingir temperaturas infernais?

Em parceria com ESA - The European Space Agency
O planeta vai atingir temperaturas infernais?
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Envie-nos as suas questões sobre o universo através do hashtag #AskSpace.

PUBLICIDADE

Na nossa rubrica #AskSpace, onde colocamos questões sobre o universo a peritos, contamos desta vez com a colaboração do professor Erland Källén, diretor do Centro de Investigação sobre o Clima, em Singapura.

Jeremy Wilks, Euronews: "Eis a pergunta de Hans Dekker. O planeta vai atingir temperaturas infernais?"

Erland Källén, cientista: "É uma questão interessante. Este ano, várias regiões do hemisfério norte tiveram um verão muito quente. Numa escala global, sabemos que dezoito dos últimos vintes anos foram os mais quentes desde que há registo. Sabemos que o aumento da temperatura global no último século está diretamente ligado às atividades humanas. A humanidade queima recursos fósseis, o que aumenta os níveis de dióxido de carbono na atmosfera, o que leva ao aumento da temperatura global. É provável que as emissões de dióxido de carbono aumentem no futuro e mais dióxido de carbono na atmosfera significa temperaturas mais elevadas.

Jeremy Wilks, Euronews:  "No norte da Noruega, este ano, as temperaturas ultrapassaram os 30 graus durante o dia e os 20 graus à noite. Pode ficar ainda mais quente?"

Erland Källén, cientista: "As simulações climáticas que realizámos mostram que sim. O clima nos países nórdicos pode aproximar-se do clima da Europa Central. Estocolmo poderá ter o clima de Paris daqui a 50 ou 100 anos. Há um risco maior de termos verões quentes, mas, ainda não se sabe quando é que isso vai acontecer e que temperaturas serão atingidas".

Envie-nos as suas questões sobre o universo através do hashtag #AskSpace.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Setembro mais quente do que o habitual em todo o planeta