EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Apple obrigada a deixar de vender o iPhone 12 em França devido a elevados níveis de radiação eletromagnética

Um organismo de controlo francês ameaçou recolher o iPhone 12 da Apple.
Um organismo de controlo francês ameaçou recolher o iPhone 12 da Apple. Direitos de autor JOEL SAGET / AFP
Direitos de autor JOEL SAGET / AFP
De  Lauren Chadwick
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma agência governamental francesa afirmou que o iPhone 12 expõe as pessoas a demasiada radiação eletromagnética e ordenou a suspensão da venda do telemóvel.

PUBLICIDADE

A Agência Nacional de Frequências (ANFR), uma agência governamental francesa, exigiu que a gigante tecnológica Apple retirasse o iPhone 12 do mercado francês esta semana, depois de determinar que este emite demasiada radiação eletromagnética.

A ANFR ordenou à Apple "que implemente todos os meios disponíveis para remediar rapidamente esta avaria" ou a empresa terá de recolher os telemóveis já vendidos em França.

A agência responsável pelo controlo dos equipamentos de rádio e da exposição do público às ondas eletromagnéticas verificou recentemente as taxas de absorção específica (SAR) de 141 telemóveis vendidos em França, incluindo o iPhone 12 da Apple.

 A SAR mede a taxa de energia de radiofrequência absorvida pelo corpo humano.

Os agentes estão a verificar se esta versão do iPhone já não é vendida em França. Na quarta-feira, várias lojas de telecomunicações francesas tinham retirado o iPhone 12 das suas vendas online.

"Para os telefones já vendidos, a Apple deve tomar medidas corretivas o mais rapidamente possível para que os telefones afetados estejam em conformidade. Caso contrário, caberá à Apple fazer o seu  recall ", disse a ANFR em um comunicado.

'As ondas podem variar durante a atualização do software'

Jean-Noël Barrot, ministro francês responsável pelo digital, escreveu num post nas redes sociais que as ondas podem mudar depois de o telefone ser lançado, dependendo das atualizações.

"Os níveis de ondas que os smartphones emitem podem variar durante uma atualização de software. É sem dúvida por causa de uma atualização após o seu lançamento que o iPhone 12 excedeu o limite autorizado. E é uma simples atualização que o fará voltar a estar em conformidade", escreveu.

A Apple respondeu que o iPhone 12 cumpriu todos os regulamentos e normas SAR e contestou os resultados da análise da ANFR.

A agência francesa disse que os telemóveis são analisados tanto quando estão perto do corpo - na mão ou no bolso - como quando estão a uma distância de 5 milímetros - como numa mala.

O limite quando o telemóvel está na mão é de 4 watts por quilograma (W/kg), mas o iPhone 12 tinha 5,74 W/kg, segundo a agência. O telemóvel não ultrapassou, no entanto, o limite quando situado à distância.

O nível é "mais de dez vezes inferior ao nível em que haveria um risco para a saúde", escreveu Barrot na plataforma de media social X, anteriormente conhecida como Twitter.

"Mas a regra é a regra: A Apple deve cumprir".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apple na corrida ao domínio da realidade mista com Vision Pro

Apple proibida de vender iPhones sem carregadores no Brasil

Facebook e Instagram alvo de novas investigações da Comissão Europeia