EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Comissão Europeia acusa Apple de violar Lei dos Mercados Digitais com regras da App Store

A Apple está também a ser alvo de uma terceira investigação por incumprimento.
A Apple está também a ser alvo de uma terceira investigação por incumprimento. Direitos de autor Keith Srakocic/Copyright 2019 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Keith Srakocic/Copyright 2019 The AP. All rights reserved
De  Cynthia Kroet
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O gigante da tecnologia também enfrenta uma terceira investigação de não-conformidade sobre a sua App Store.

PUBLICIDADE

A Apple está a violar a Lei dos Mercados Digitais (DMA na sigla original) da União Europeia com as regras da App Store, afirmou a Comissão Europeia nas conclusões preliminares enviadas à empresa na segunda-feira. De acordo com o executivo da UE, o gigante da tecnologia impede que os criadores de aplicações orientem livremente os consumidores para canais alternativos de conteúdos.

Ao abrigo da Lei dos Mercados Digitais - as regras de concorrência da UE que entraram em vigor em março deste ano - os criadores que distribuem as suas aplicações através da App Store da Apple devem poder, gratuitamente, informar os seus clientes de possibilidades alternativas de compra mais baratas, orientá-los para essas ofertas e permitir-lhes fazer compras.

As conclusões preliminares da Comissão sugerem que nenhuma das condições comerciais da empresa permite que os programadores orientem livremente os seus clientes. Além disso, na maior parte das condições comerciais disponíveis para os criadores de aplicações, a Apple só permite a orientação através de "ligações", o que significa que os criadores de aplicações podem incluir uma ligação na sua aplicação que redirecciona o cliente para uma página da internet onde este pode celebrar um contrato.

Nos termos da lei, a Apple pode, através da App Store, receber uma taxa por facilitar a aquisição inicial de um novo cliente pelos programadores. No entanto, a Comissão afirmou que as taxas cobradas pela Apple ultrapassam o estritamente necessário para essa remuneração.

"A nossa posição preliminar é que a Apple não permite totalmente a orientação. O direcionamento é fundamental para garantir que os criadores de aplicações sejam menos dependentes das lojas de aplicações dos guardiões e para que os consumidores tenham conhecimento de melhores ofertas", afirmou Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da comissão responsável pela política de concorrência, numa declaração.

A Apple tem agora a possibilidade de examinar as conclusões da Comissão e responder por escrito.

Se o seu ponto de vista for confirmado, a Comissão pode adotar uma decisão de não conformidade no prazo de 12 meses a contar da abertura do processo, em 25 de março.

Terceira investigação de incumprimento

Além disso, a Comissão deu início a uma terceira investigação de incumprimento contra a empresa de tecnologia de ponta por recear que os novos requisitos contratuais da empresa para os criadores de aplicações e lojas de aplicações de terceiros - incluindo a nova "taxa de tecnologia de base" da Apple - não cumpram as suas obrigações.

A Comissão vai, entre outras coisas, verificar se a taxa de tecnologia de base da Apple, segundo a qual os criadores de aplicações de terceiros devem pagar uma taxa de 0,50 euros por aplicação instalada, está a cumprir a Lei dos Mercados Digitais.

Em declarações à Euronews, um porta-voz da Apple afirmou que a empresa já "efetuou uma série de alterações para cumprir a DMA".

"Estamos confiantes de que o nosso plano está em conformidade com a lei e estimamos que mais de 99% dos programadores pagariam o mesmo ou menos em taxas à Apple ao abrigo das novas condições comerciais que criámos. Todos os programadores que fazem negócios na UE na App Store têm a oportunidade de utilizar as capacidades que introduzimos, incluindo a capacidade de encaminhar os utilizadores da aplicação para a web para completarem as compras a uma taxa muito competitiva. Como temos feito habitualmente, continuaremos a ouvir e a colaborar com a Comissão Europeia", afirmou o porta-voz.

Para além da Apple, a Comissão designou cinco outros guardiões ao abrigo da DMA: Alphabet, Amazon, ByteDance, Meta e Microsoft.

Em março, o executivo abriu investigações por incumprimento das regras à Alphabet sobre o direcionamento no Google Play e auto-preferência na Pesquisa Google, das regras da Apple sobre direcionamento na App Store e no ecrã de escolha do Safari, e do "modelo de pagamento ou consentimento" da Meta.

Em caso de infração, as empresas podem ser sujeitas a coimas até 10% do volume de negócios total a nível mundial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apple revela novas funcionalidades de inteligência artificial e acordo com a OpenAI

Comissão Europeia multa Apple em 1,84 mil milhões de euros por streaming de música

Apple obrigada a deixar de vender o iPhone 12 em França devido a elevados níveis de radiação eletromagnética