EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Drones e robôs: como a guerra na Ucrânia está a impulsionar a inovação tecnológica

Um piloto de drones ucraniano alcança um drone de reconhecimento na região de Luhansk, Ucrânia, sábado, 19 de agosto de 2023
Um piloto de drones ucraniano alcança um drone de reconhecimento na região de Luhansk, Ucrânia, sábado, 19 de agosto de 2023 Direitos de autor Bram Janssen/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Bram Janssen/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Joshua Askew
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os combates impulsionaram a inovação na indústria da defesa, com os países ocidentais a gastarem milhares de milhões em armas.

PUBLICIDADE

A guerra na Ucrânia transformou a vida de milhões de ucranianos e russos, desencadeou a maior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, empurrou a Finlândia e a Suécia para a NATO e fez disparar as contas da energia e dos alimentos - a lista é interminável.

No entanto, uma das transformações mais marcantes foi a tecnológica.

Os combates na Ucrânia impulsionaram a inovação na indústria da defesa, com os países ocidentais a gastarem milhares de milhões em armas.

As novas mudanças tiveram impacto na guerra dos drones, com os veículos aéreos não tripulados a tornarem-se uma ferramenta fundamental das campanhas de Moscovo e de Kiev.

O mercado global de drones militares deverá crescer de 13,3 mil milhões de euros em 2023 para 33,4 mil milhões de euros em 2030, de acordo com a Fortune Business Insights.

À medida que a dura contraofensiva avança, Kiev quer gastar cerca de mil milhões de euros para melhorar as suas capacidades de combate com drones, informou a agência de notícias AP na segunda-feira.

"Estamos a desenvolver uma tecnologia nova e realmente ágil", disse Rauno Lember, diretor de operações da Marduk Technologies, durante um painel de discussão com especialistas do setor da defesa da Estónia.

A sua empresa desenvolveu o "Marduk Shark", um sistema móvel que pode detetar, seguir e destruir drones até 5 km de distância.

Tanel Meos/Tanel Meos
The Marduk SharkTanel Meos/Tanel Meos

Em 2016, quando a Marduk - a empresa estónia que recebeu o nome de um deus babilónico que caçava dragões - começou a desenvolver dispositivos "eletro-óticos" capazes de detetar drones que não funcionavam com sinais de rádio, "toda a gente se riu", diz Lember, porque essa tecnologia ainda não existia.

Mas, entretanto, os drones tornaram-se silenciosos e ganharam poder suficiente para agir autonomamente, tornando a tecnologia de Marduk útil no campo de batalha.

O empresário estónio não quis dar pormenores, mas disse à Euronews Next que os sistemas Marduk foram instalados na Ucrânia.

Mykhailo Federov, ministro da transformação digital do país, disse à AP que Kiev está empenhada em construir um "exército de drones" de última geração, cujo valor será evidente até ao final deste ano.

Apesar dos avanços, Lember afirmou que ainda existem grandes dúvidas sobre a forma de utilizar esta tecnologia no campo de batalha.

"Neste momento, não existe uma solução realmente boa para os drones (...) As empresas conseguem detetar os drones a quilómetros de distância, mas o problema é que não sabem como os abater eficazmente", disse à Euronews Next, citando a enorme disparidade de custos entre um míssil anti-drone e o próprio drone.

Tanel Meos/Tanel Meos
The THeMIS UGVTanel Meos/Tanel Meos

Outra tecnologia inovadora, neste momento, são os veículos terrestres não tripulados, também conhecidos como robôs.

Desde 2013, a Milrem Robotics desenvolveu 15 sistemas robóticos, que estão implantados em 16 países em todo o mundo, incluindo na Ucrânia e em vários membros da NATO.

O "TheMis UGV" é um robô de controlo remoto que pode ser armado ou utilizado para a eliminação de bombas e recolha de informações.

"O que vimos no terreno na Ucrânia confirma o que pretendemos. A nossa robótica tem sido utilizada para tirar os humanos de perigo", afirmou Sten Allik, Diretor de Desenvolvimento da Milrem Robotics, no painel de peritos realizado num estaleiro em Kopli.

PUBLICIDADE

"As máquinas, que apenas necessitam de um pouco de combustível e de alguma manutenção, são uma opção para aumentar a sustentabilidade [de uma campanha militar]", afirmou. Foram vendidos 14 TheMIS à Ucrânia.

"Há segmentos (...) em que os robôs já são atualmente melhores do que um humano", acrescentou.

Até ao momento, a tecnologia da Milrem é semi-autónoma, auxiliando - e não substituindo - as tropas da linha da frente, e Allik afirma que será esse o caso num futuro próximo.

"A tecnologia ainda não chegou a um ponto em que se possa substituir a linha da frente por tecnologia não tripulada. O pensamento está lá, mas não há tecnologia que o suporte".

Ainda assim, o ritmo da mudança tecnológica continua a ser alucinante.

PUBLICIDADE

"Qualquer sistema de combate aos drones anterior a 2019 é como um avô", afirmou James Acuna, membro da Rede Europeia de Investidores na Defesa, no painel de discussão.

"O mercado dos veículos aéreos não tripulados vai definitivamente evoluir e a Ucrânia está a liderar o processo no lado militar".

Segundo Allik, o facto de as forças russas serem capazes de desenvolver contramedidas para a utilização de novas tecnologias por parte de Kiev numa questão de semanas contribui para esta rapidez.

"Há uma espiral permanente e quem consegue lidar com ela é quem consegue lidar com a velocidade", afirmou.

A invasão da Ucrânia pela Rússia incentivou mais criativos a trabalhar na indústria da tecnologia de defesa.

PUBLICIDADE

É o caso, em particular, da Estónia, que faz fronteira com a Rússia.

Antes da guerra, "a indústria da defesa não era considerada muito importante. Mas agora toda a gente percebe que se trata da nossa liberdade e da nossa existência", afirmou Arno Vaik, diretor executivo da Threod Systems, uma empresa estónia que desenvolve e produz drones.

Tanel Meos/Tanel Meos
A Threod droneTanel Meos/Tanel Meos

Talvez um dos maiores impactos seja a forma como as atitudes dos militares e dos governos em relação à tecnologia foram abaladas, dizem os especialistas.

Em 2021, a NATO lançou o seu Acelerador de Inovação em Defesa para o Atlântico Norte (DIANA), destinado a promover tecnologias disruptivas.

Durante os últimos 10 anos, os clientes militares eram "muito difíceis", diz Vaik, "especialmente se o seu país estivesse em paz".

PUBLICIDADE

"Mas agora não é esse o caso. Todas as forças armadas do mundo estão muito mais abertas a falar. Sabem exatamente do que precisam", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque aéreo da Rússia mata duas pessoas em Kherson

A maior bolsa de criptomoedas da Turquia foi pirateada

De um assistente virtual a avatares digitais: o que saber sobre as novas funcionalidades do TikTok baseadas em IA