EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Como é que a tecnologia de IA pode perturbar o futuro mercado de trabalho

Os profissionais são encorajados a aprender competências de IA para garantir as suas carreiras no futuro mercado de trabalho
Os profissionais são encorajados a aprender competências de IA para garantir as suas carreiras no futuro mercado de trabalho Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Imane El Atillah
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Com 71% dos líderes a favorecerem candidatos menos experientes, mas com competências em IA, em detrimento dos mais experientes, sem essas competências, os profissionais sentem a urgência em adotar, e a dominar, as ferramentas de IA para se manterem ou entrarem no mercado de trabalho.

PUBLICIDADE

Na era da inteligência artificial (IA), a mudança é inevitável.

Da vida pessoal à vida profissional, a IA está continuamente a encontrar formas de se integrar nas rotinas, por vezes criando perturbações e outras vezes oferecendo melhorias significativas.

A ascensão da IA generativa, especialmente após o lançamento do ChatGPT em novembro de 2022, deu origem a inúmeras discussões sobre o seu potencial impacto.

Entre as preocupações mais prementes está a previsível deslocação de empregos devido à adoção da IA no mercado de trabalho.

"O surgimento da inteligência colaborativa homem-máquina está a criar um novo paradigma em que os humanos não são realmente a única fonte de força no local de trabalho", disse Xiaochen Zhang, fundador e Chief AI Officer da AI 2030, à Euronews Next.

Recentemente, num evento em Zurique, Kristalina Georgieva, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, descreveu o impacto da IA como um "tsunami" que irá atingir a força de trabalho.

De acordo com Georgieva, é provável que a IA afete 60% dos empregos nas economias avançadas e 40% dos empregos a nível mundial, restando pouco tempo para preparar as pessoas para ela.

No entanto, apesar destas mudanças iminentes, a era da IA a assumir completamente as tarefas humanas ainda não chegou.

De acordo com Zhang, no mercado atual, os seres humanos ainda desempenham um papel fundamental e as máquinas ainda não os substituíram, sendo que o foco atual é mais a colaboração homem-máquina.

"Todos os trabalhos serão potencialmente redesenhados sob o conceito de inteligência colaborativa homem-máquina", afirmou Zhang.

"Este conceito em si é muito poderoso e a máquina assumirá papéis muito maiores do que antes, deixando de ser uma ferramenta e passando a fazer parte do próprio trabalho", acrescentou.

Embora a presença da IA no local de trabalho não seja um fenómeno novo, mais estudos confirmam o seu potencial impacto no mercado de trabalho, especialmente durante a fase de contratação.

Um relatório conjunto do LinkedIn e da Microsoft revelou que 66% dos líderes não considerariam a hipótese de contratar candidatos sem competências em IA.

Além disso, o relatório mostrou que 71% escolheriam provavelmente um candidato menos experiente com capacidades de IA em vez de um candidato mais experiente sem essas competências.

As pessoas estão a tomar o assunto nas suas próprias mãos, aprendendo a utilizar ferramentas de IA e incorporando-as nas suas tarefas profissionais, com 75% dos trabalhadores do conhecimento a admitirem utilizar a IA no local de trabalho, segundo o relatório.

A principal competência em IA para o mercado de trabalho atual

Embora a IA ainda não tenha assumido totalmente as tarefas humanas, não se espera que todos os empregos sejam afectados da mesma forma e alguns podem mesmo correr o risco de desaparecer.

"Como parte dos humanos que querem permanecer competitivos no mercado de trabalho, competindo com outros humanos, a IA está a tornar-se o fator de diferenciação", disse Zhang.

Por exemplo, Zhang explica que a indústria criativa está à beira de uma grande mudança à medida que a tecnologia de IA melhora.

PUBLICIDADE

Algumas tarefas, como a criação de conteúdos, o design, a investigação e a edição, podem ser facilmente realizadas com ferramentas de IA que estão constantemente a melhorar em termos de qualidade e eficiência.

A solução, de acordo com Zhang, é dominar a utilização dessas ferramentas de IA e tirar partido dessas competências para reformular a forma como o trabalho é realizado.

Por exemplo, as pessoas podem aprender a solicitar e a comunicar eficazmente com grandes modelos de linguagem (LLM), como o ChatGPT da OpenAI e o Gemini da Google, que estão continuamente a adquirir capacidades mais avançadas.

Ao dominarem estas competências, os profissionais podem tirar partido da crescente procura de proficiência na utilização de ferramentas de IA.

Embora seja importante adotar ferramentas de IA e aprender a utilizá-las, os especialistas dizem que as pessoas também se podem concentrar em melhorar as competências que as distinguem da IA.

PUBLICIDADE

A autenticidade e a criação humana, de acordo com Zhang, podem tornar-se mais valiosas, uma vez que a criatividade humana é alimentada por experiências de vida que as máquinas não conseguem reproduzir.

Mas ele vê como responsabilidade das empresas redesenhar a forma como o trabalho é conduzido para aproveitar as competências das pessoas para uma melhor colaboração homem-máquina.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OpenAI revela o novo modelo de IA ChatGPT-4o com um assistente de voz assustadoramente humano

A “contratação silenciosa” está a revolucionar o local de trabalho

Qual é o país mais instruído da Europa?