Governo espanhol aprova licença menstrual

Manifestação de apoios às mulheres
Manifestação de apoios às mulheres Direitos de autor Andres Kudacki/AP
Direitos de autor Andres Kudacki/AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Espanha é o primeiro país da Europa a aprovar esta licença laboral por incapacidade temporária, que será assumida na íntegra pelo Estado.

PUBLICIDADE

O governo espanhol avançou, esta terça-feira, com uma medida inédita na Europa: uma licença especial  para mulheres que sofrem com fortes dores menstruais. Trata-se de uma baixa laboral por incapacidade temporária, que será assumida na íntegra pelo Estado. Esta medida está a ser vista de forma muito positiva pelas mulheres.

Andrea Garcia, uma cidadã espanhola, disse que olha para esta medida como algo muito positivo e explicou que, muitas vezes, as mulheres têm muita dificuldade em trabalhar devido às dores fortes provocadas pela menstruação.

“Acabamos por trabalhar com a ajuda de analgésicos e anti-inflamatórios. Não existe outra opção”.

Esta proposta provocou controvérsia no seio do governo, mas apesar disso, vai mesmo avançar. Em Espanha, vêm esta aprovação como um pequeno passo para proteger as mulheres que sofrem durante o período menstrual.

Vanessa Pérez, outra cidadã espanhol, considerou que este é um pequeno passo que contribui para a evolução da sociedade, mas recordou que a licença de maternidade também demorou a ser aprovada.

Para Isabel Rancaños, também espanhola, há a necessidade de educar as empresas e a sociedade para que exista mais sensibilidade relativamente a esta questão.

Esta licença menstrual faz parte um vasto pacote de medidas de saúde reprodutiva, que inclui alterações à lei do aborto. As jovens espanholas, a partir dos 16 anos, passam a poder abortar sem autorização dos pais.

A lei deixa, contudo, de fora a redução do IVA nos produtos de higiene, nomeadamente, pensos higiénicos e tampões, uma promessa que tinha sido feita pelo governo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos pró-aborto levam milhares às ruas nos EUA

Manifestações EUA pelo direito ao aborto

Vencer os mitos da menstruação