EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

A escassez de medicamentos está na origem da morte iminente das farmácias comunitárias na Alemanha

A man passes by a pharmacy logo on February 9, 2022 in Berlin.
A man passes by a pharmacy logo on February 9, 2022 in Berlin. Direitos de autor STEFANIE LOOS/AFP
Direitos de autor STEFANIE LOOS/AFP
De  Giulia Carbonaro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Só nos primeiros três meses do ano, mais de 120 farmácias fecharam definitivamente as portas.

PUBLICIDADE

As farmácias têm vindo a encerrar a um ritmo alarmante nos últimos anos, na Alemanha, de acordo com dados da Associação Federal de Farmacêuticos Alemães (ABDA).

"Neste momento, temos o número mais baixo de farmácias desde o início dos anos 80", disse Christian Splett, porta-voz da ABDA, à Euronews.

O número de farmácias no país tem vindo a diminuir desde há algum tempo, mas o declínio acentuou-se no último ano. No final de 2022, havia pouco mais de 18 mil abertas, menos 2.800 do que há uma década, de acordo com o jornal The Frankfurter Allgemeine Zeitung.

É uma situação que está a deixar muitos alemães sem uma ligação crucial ao sistema de saúde, especialmente nas zonas rurais, uma vez que os farmacêuticos são frequentemente os primeiros especialistas a quem as pessoas pedem ajuda.

"Os farmacêuticos desempenham uma função fundamental também no sistema de saúde, que não se pode medir pela quantidade de medicamentos que vendem", afirmou Splett. "São o primeiro ponto de contacto para os doentes que não têm a certeza se devem consultar um médico ou que medicamentos podem tomar. E isso é importante", sublinhou.

Porque é que isto está a acontecer?

De acordo com a ABDA, há várias razões para o encerramento de farmácias a um ritmo sem precedentes, mas a principal é que parece não haver grande futuro para os jovens farmacêuticos no setor das farmácias comunitárias - uma componente importante do sistema de saúde alemão.

"Se perguntarmos aos jovens farmacêuticos, eles dizem que não há perspetiva económica, porque o governo não quer investir dinheiro no sistema", disse Splett à Euronews. "Mas também há muita burocracia, muitos procedimentos burocráticos quando se gere uma farmácia ou se lida com as companhias de seguros de saúde, que desencorajam os jovens profissionais", acrescentou. 

Isto leva a que muitas farmácias na Alemanha fechem porque os proprietários com 65 ou 70 anos não consegue encontrar um sucessor.

Outro problema é o facto de a indústria farmacêutica privada pagar aos seus funcionários muito mais dinheiro do que qualquer farmácia comunitária. Na Alemanha, e o rendimento das farmácias comunitárias é determinado principalmente pelas despesas do seguro de saúde obrigatório. "Esta é uma das razões pelas quais os protestos estão a decorrer, para aumentar este rendimento", disse Splett.

Mas todas as outras questões podem ser relacionadas com um trio de problemas fundamentais que surgiram recentemente no país: a escassez de medicamentos devido ao aumento da procura e da redução da oferta, exacerbada pelo impacto persistente da pandemia, o aumento da inflação e a crise energética.

De acordo com a base de dados nacional oficial da PharmNet.Bund, que monitoriza o fornecimento de medicamentos na Alemanha, mais de 400 medicamentos estão identificados como "não disponíveis".

Esta escassez está a custar às farmácias comunitárias uma quantidade significativa de tempo e dinheiro, uma vez que os farmacêuticos procuram formas alternativas de servir os seus pacientes.

"Este tempo não é remunerado, ninguém paga por este tempo extra. E é muita burocracia. Mesmo que encontremos medicamentos alternativos, temos de fornecer uma grande quantidade de documentação para provar ao seguro de saúde obrigatório que escolhemos a opção mais próxima da mais barata disponível", afirmou Splett.

Como resolver o problema?

No dia 14 de junho, milhares de farmácias em todo o país fecharam as portas durante o dia para protestar contra a situação cada vez mais difícil em que são obrigadas a trabalhar.

Os trabalhadores pedem que o governo aumente o valor que lhes é pago por cada medicamento que vendem, passando de 8,35 euros para 12 euros, o que refletiria a subida recente da inflação.

PUBLICIDADE

As farmácias foram "dissociadas do desenvolvimento económico geral", disse a ABDA, o que "já não é apenas injusto, mas também uma ameaça existencial".

Splett disse que os farmacêuticos estão a tentar convencer o governo de que as coisas precisam de mudar, pelo menos enquanto o país estiver a enfrentar a escassez de medicamentos.

Mas o ministro alemão da Saúde, Karl Lauterbach, rejeitou o pedido dos farmacêuticos para receberem mais dinheiro, dizendo que não há fundos adicionais para satisfazer os pedidos do pessoal.

Embora os farmacêuticos estejam frustrados com a situação atual, são inevitavelmente os doentes que acabam por sofrer mais.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quase um quarto da população da UE é fumadora, de acordo com uma nova investigação

Quase metade das mortes por cancro e 40% dos casos são causados por fatores evitáveis, segundo um novo estudo

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"