ChatGPT pode diagnosticar doentes tão bem como os médicos nas urgências, diz estudo piloto

A aplicação ChatGPT é apresentada num iPhone em Nova Iorque, a 18 de maio de 2023
A aplicação ChatGPT é apresentada num iPhone em Nova Iorque, a 18 de maio de 2023 Direitos de autor AP Photo/Richard Drew, File
De  Lauren Chadwick
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um novo estudo sugere que o ChatGPT pode dar diagnósticos aos pacientes tão bem quanto um médico treinado.

PUBLICIDADE

O ChatGPT poderá ajudar a diagnosticar os doentes nas futuras salas de emergência, de acordo com um novo estudo piloto que analisou a forma como o modelo de linguagem de grande dimensão pode ser utilizado para apoiar os médicos.

A investigação, publicada na revista Annals of Emergency Medicine, concluiu que o chatbot de inteligência artificial (IA) diagnosticou os doentes tão bem como os médicos treinados. A investigação vai ser apresentada no Congresso Europeu de Medicina de Emergência, que começa este fim de semana.

Os investigadores do Hospital Jeroen Bosch, nos Países Baixos, introduziram notas dos médicos e informações anónimas sobre 30 doentes, incluindo exames, sintomas e resultados laboratoriais, em duas versões do ChatGPT.

Verificaram que existia uma sobreposição de cerca de 60% entre a lista restrita de possíveis diagnósticos dos médicos das urgências e o chatbot.

"Descobrimos que o ChatGPT teve um bom desempenho na geração de uma lista de diagnósticos prováveis e na sugestão da opção mais provável", afirmou o autor do estudo, Dr. Hidde ten Berg, do departamento de medicina de emergência do Hospital Jeroen Bosch, num comunicado.

"Também encontrámos muitas sobreposições com as listas de diagnósticos prováveis dos médicos. Em termos simples, isto indica que o ChatGPT foi capaz de sugerir diagnósticos médicos tal como um médico humano o faria".

Os médicos de emergência tinham o diagnóstico correto nas suas cinco primeiras listas em 87% das vezes, enquanto a versão 3.5 do ChatGPT tinha o diagnóstico correto na sua lista restrita em 97% das vezes, em comparação com 87% da versão 4.0 do ChatGPT.

Esta ferramenta não é um dispositivo médico

A investigação, enquanto prova de conceito, não foi utilizada para ter impacto nos doentes, mas sim para testar o potencial ou a viabilidade da utilização da Inteligência Artificial (IA) generativa para o diagnóstico.

Mas ainda não é algo que esteja disponível para utilização clínica.

"Um dos problemas, pelo menos na Europa, é o facto de a legislação ser muito rígida", disse o autor do estudo, Steef Kurstjens, do departamento de química clínica e hematologia do Hospital Jeroen Bosch, à Euronews Next.

"Este tipo de instrumentos não são dispositivos médicos. Se os utilizarmos para afetar os cuidados dos doentes, estamos a utilizar um instrumento que não é um dispositivo médico como um dispositivo médico, o que não é permitido. Por isso, penso que é necessário adotar nova legislação se quisermos utilizar este tipo de instrumentos", acrescentou.

A privacidade dos dados dos pacientes é outra grande preocupação em torno da utilização da IA generativa nos cuidados de saúde, com alguns especialistas a exortarem os decisores políticos a tentarem reduzir quaisquer riscos potenciais através da regulamentação.

"A IA pode acabar por apoiar os profissionais de saúde ocupados

Uma das utilizações mais interessantes da IA nos cuidados de saúde poderá ser a poupança de tempo para os médicos, ajudando-os a fazer diagnósticos ou aliviando parte da carga administrativa do sistema de saúde, dizem os especialistas.

"Como ferramenta de apoio, pode ajudar os médicos a criar uma lista de diagnósticos ou a obter ideias que não teriam pensado por si próprios. Para os médicos menos experientes que ainda estão em formação, esta pode ser uma ferramenta de apoio aos seus cuidados diários", disse Kurstjens à Euronews Next.

"Penso que o futuro dos grandes modelos linguísticos mais relacionados com a medicina e treinados com base em dados médicos é muito interessante, como o Med-PaLM e outros tipos de grandes modelos linguísticos treinados com base em dados médicos. É muito interessante ver como se comportariam, se superariam o ChatGPT", acrescentou.

Os investigadores também sugeriram que existe potencial para poupar tempo e reduzir os tempos de espera nos serviços de urgência.

Youri Yordanov, do serviço de urgência do Hospital St. Antoine, em Paris, afirmou num comunicado que os médicos estão muito longe de utilizar o ChatGPT em termos clínicos.

Yordanov, que não esteve envolvido na investigação, acrescentou que é importante estudar a tecnologia e ver como pode ajudar os médicos e os doentes.

PUBLICIDADE

"As pessoas que precisam de ir ao serviço de urgência querem ser atendidas o mais rapidamente possível e que o seu problema seja corretamente diagnosticado e tratado", afirmou.

"Aguardo com expectativa mais investigação nesta área e espero que possa vir a apoiar o trabalho dos profissionais de saúde ocupados."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alegados corpos de extraterrestres expostos no Congresso Mexicano

Deputados alemães dão luz verde à legalização da canábis

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro