O índice de felicidade da UE deste ano já foi publicado: Qual é o lugar do seu país?

Pessoas seguram cartazes onde se lê, em búlgaro, "Parem de bater nas vossas mulheres" e "Nem mais uma" durante uma manifestação em Sófia, capital do país "menos feliz" da UE
Pessoas seguram cartazes onde se lê, em búlgaro, "Parem de bater nas vossas mulheres" e "Nem mais uma" durante uma manifestação em Sófia, capital do país "menos feliz" da UE Direitos de autor NIKOLAY DOYCHINOV/AFP via Getty Images
De  Saskia O'Donoghue
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O primeiro lugar é ocupado pela Áustria, e os cidadãos alemães estão menos felizes do que antes, de acordo com o novo estudo.

PUBLICIDADE

Já são conhecidos os cidadãos mais felizes e menos felizes da União Europeia e os resultados podem surpreendê-lo.

A Áustria, a Polónia e a Roménia são os três países mais felizes da UE.

No outro extremo da escala, a Alemanha é oficialmente o segundo país mais infeliz da classificação, sendo apenas ultrapassada pela Bulgária.

De facto, a Bulgária foi o único país dos 27 inquiridos a obter uma pontuação global inferior a seis em dez para a satisfação global com a vida em 2022.

Todos os anos, o Eurostat, a agência oficial de estatísticas do bloco, mede o grau de satisfação com a vida de uma amostra da população de cada Estado-Membro.

Esta escala vai de zero - insatisfação absoluta - a dez - o que significa que as coisas não poderiam estar a correr melhor.

Também se pergunta até que ponto os indivíduos inquiridos são otimistas em relação ao futuro ou, conforme o caso, pessimistas.

Embora se possa pensar que quanto mais rico é o país, mais felizes são as pessoas, não parece ser esse o caso em todos os países.

Embora a Alemanha tenha uma das economias mais fortes, os números relativos à felicidade são gritantes. Em 2021, o país obteve uma pontuação de 7,1. Os dados mais recentes mostram que caiu para apenas 6,5.

Embora meras estatísticas não possam explicar por que as pessoas estão muito menos felizes do que no ano anterior, elas indicam um crescente escurecimento do humor coletivo alemão.

Outro organismo alemão, o Instituto Rheingold, com sede em Colónia, utiliza sondagens combinadas com entrevistas em profundidade.

Num estudo publicado na semana passada, descobriram que as pessoas "dominadas pela ansiedade" representam 20% e outros 9% foram classificados como "desinteressados e retraídos".

A Alemanha tem sofrido com a estagnação económica, com o mal-estar relacionado com a guerra na Ucrânia, com o crescimento sem precedentes da imigração e com um governo relativamente impopular.

The broadcast tower at Alexanderplatz looms over the city centre of Berlin
The broadcast tower at Alexanderplatz looms over the city centre of BerlinSean Gallup/Getty Images

O que é que faz as nações mais felizes?

Não é a primeira vez que a Áustria está no topo da tabela. Os austríacos atribuíram aos seus níveis de felicidade uma pontuação média de 8.

A Áustria é um país com boas condições económicas, pelo que este facto não é surpreendente.

No entanto, na Roménia e na Polónia, duas nações bastante mais pobres, a satisfação com a vida está no extremo superior da escala, o que sugere que mais dinheiro não é necessariamente sinónimo de mais felicidade.

Em vez disso, parece que fatores como a idade, o nível de educação, a família e a situação financeira podem ser mais indicativos da satisfação geral do que a riqueza

Apesar das tão faladas dificuldades dos Millennials e da Geração Z, a maioria dos Estados-Membros mostrou que as pessoas com idades compreendidas entre os 16 e os 29 anos revelam maior satisfação com a vida do que as pessoas com mais de 65 anos.

PUBLICIDADE

O padrão oposto foi registado apenas na Dinamarca, Suécia, Irlanda, Países Baixos, Luxemburgo e Finlândia.

A segurança financeira manifesta-se em certa medida nos dados, mas talvez não da forma que seria de esperar. A satisfação com a vida parece estar bastante dependente do nível de educação de um indivíduo - o que, em certa medida, reflete os níveis de rendimento.

Em todos os Estados-Membros, a satisfação com a vida aumentou paralelamente ao nível de educação.

Na Eslováquia, é o nível mais importante, com uma diferença de cerca de 1,6 pontos entre as pessoas com ensino superior e as que têm o ensino primário.

O local onde se vive também faz a diferença, embora os resultados sejam muito mais díspares.

PUBLICIDADE

Em Malta, na Áustria, na Finlândia, nos Países Baixos, na Bélgica, na Irlanda, na Suécia, na Dinamarca e no Luxemburgo, as pessoas que vivem em zonas rurais declaram-se ligeiramente mais felizes, com uma diferença de 0,2 pontos ou mais.

A view of Salzburg - one of the most iconic Austrian cities
A view of Salzburg - one of the most iconic Austrian citiesAndreas Rentz/Getty Images

No entanto, na Bulgária, Roménia, Lituânia, Eslováquia, Portugal, Hungria, Croácia, Chipre, Alemanha e Eslovénia, os habitantes das zonas urbanas afirmaram estar mais satisfeitos com a vida.

Os agregados familiares com filhos são os mais felizes, enquanto os agregados familiares com uma só pessoa são os menos felizes. Este facto é peculiar, uma vez que os estudos realizados noutros continentes revelaram o contrário.

Entre 2018 e 2022, a satisfação com a vida diminuiu cerca de -0,3 pontos, para os agregados familiares com crianças dependentes.

No que respeita ao sexo, há muito poucas diferenças. Os homens ficaram ligeiramente menos satisfeitos entre 2018 e 2022 do que as mulheres, mas ambos os sexos continuam a ter uma média de 7,1 pontos a nível da UE.

PUBLICIDADE

Tendências geográficas?

Os estudos mostram que existe uma divisão bastante significativa entre as várias partes da UE.

De um modo geral, os habitantes das regiões setentrionais e ocidentais do bloco tendem a estar mais satisfeitos com a sua vida do que os habitantes dos países bálticos.

As pessoas que vivem perto da zona mediterrânica e nas regiões orientais da UE são, na sua maioria, mais infelizes.

No entanto, nem tudo é desolador. Nos países em que a satisfação com a vida é geralmente mais baixa, registaram-se ligeiros aumentos entre 2018 e 2022, tendo-se verificado o contrário nas nações tipicamente "mais felizes".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Sentia vergonha": Ex-pacientes de cancro falam sobre "reconstrução" de vida após a doença

"Janeiro seco": Em que países se bebe cada vez mais álcool na Europa?

As noites mal dormidas podem minar a alegria e aumentar o risco de ansiedade