EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Estigma e ignorância históricos": Porque é que é difícil diagnosticar o défice de atenção e hiperatividade em adultos na Europa?

O desafio da Europa no diagnóstico e tratamento da PHDA
O desafio da Europa no diagnóstico e tratamento da PHDA Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Imane El Atillah
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Apesar da sua prevalência, a PHDA continua a ser amplamente incompreendida e subdiagnosticada na Europa, sobretudo entre os adultos.

PUBLICIDADE

Apesar da sua prevalência, a perturbação de défice de atenção, ou PHDA, continua a ser uma das doenças mais mal compreendidas e negligenciadas na Europa.

Caraterizada por desatenção, hiperatividade e impulsividade, esta condição neurodivergente tornou-se um desafio não só para as crianças, mas também para os adultos que continuam a debater-se com os seus sintomas.

O subdiagnóstico e o subtratamento desta doença criaram barreiras significativas, impedindo um apoio eficaz às pessoas afetadas.

Tony Lloyd, Diretor Executivo da ADHD Foundation aponta o dedo ao estigma histórico e às conceções erradas em torno do défice de atenção com ou sem hiperatividade.

"Devido ao estigma histórico e à ignorância em torno da PHDA como sendo uma perturbação comportamental e normalmente associada a crianças que são consideradas mal comportadas na escola, existe uma grande vergonha e estigma em torno da doença e uma grande quantidade de mal-entendidos", disse Lloyd à Euronews.

Nos últimos anos, no entanto, assistiu-se a uma mudança significativa, com um aumento no reconhecimento e diagnóstico da PHDA, particularmente intensificado pela pandemia da COVID-19.

De acordo com Lloyd, esta tendência deve-se à perturbação dos mecanismos de sobrevivência durante os períodos de confinamento, que afetaram muitos indivíduos.

"Quando a pandemia chegou, as pessoas foram confinadas, não puderam sair, fazer exercício, interagir com outras pessoas, ter apoio pessoal próximo dos colegas de trabalho. Muitas das estruturas de apoio que lhes permitiam gerir com sucesso a PHDA foram retiradas", explicou Lloyd.

Compreender a PHDA e os seus desafios

Embora a pandemia tenha aumentado o reconhecimento e o apoio às pessoas com PHDA, o problema continua a ser subdiagnosticado na Europa, segundo os especialistas.

Por exemplo, no Reino Unido, a taxa de diagnóstico de PHDA é significativamente baixa.

"No Reino Unido, apenas 13% das crianças com PHDA são medicadas e apenas 11% dos adultos. Por isso, é significativamente subdiagnosticada e significativamente subtratada", afirmou Lloyd.

Isto está de acordo com uma declaração de consenso publicada por membros da comunidade médica britânica, que afirma que "apesar das directrizes nacionais baseadas em provas para a PHDA no Reino Unido, a doença é subidentificada, subdiagnosticada e subtratada".

A declaração refere ainda que as pessoas que procuram ajuda no país enfrentam muitos desafios, incluindo preconceitos, longos tempos de espera e disponibilidade inconsistente de serviços.

Por outro lado, a situação parece ser melhor para quem vive nos países nórdicos.

Nina Hovén, presidente da ADHD Europe, refere que estes países são líderes em termos de apoio e diagnóstico.

PUBLICIDADE

"Se compararmos o que se passa nos países nórdicos e no resto da Europa, podemos ver uma grande diferença, porque a nossa organização tem uma estrutura muito boa e também recebemos dinheiro do governo ou de outras organizações", disse Hovén à Euronews.

Além disso, países como a Finlândia atualizaram as suas diretrizes para incluir os adultos, o que levou a um aumento da auto-consciência e do diagnóstico entre os indivíduos mais velhos.

No entanto, Hovén acrescentou que os países do sul e do leste da Europa, como a Itália, a Albânia, a Macedónia e a Sérvia, ainda não dispõem de recursos adequados nem de acesso a medicamentos para a PHDA.

De acordo com Mia Vieyra, psicóloga clínica residente em França, os adultos têm dificuldade em obter um diagnóstico e um tratamento adequados devido ao desconhecimento generalizado da PHDA por parte dos profissionais de saúde.

PUBLICIDADE

"A França continua a ser muito lenta no desenvolvimento de uma visão mais moderna e no diagnóstico e tratamento da PHDA. Está a melhorar, mas ainda não é o ideal", disse Mia Vieyra.

"Em França, a PHDA não é um diagnóstico reconhecido por muitos psicólogos ou psiquiatras, especialmente no caso dos adultos, pelo que é muito difícil apresentar-lhes o conceito de PHDA", acrescentou Mia Vieyra.

De acordo com Vieyra, a disponibilidade de tratamento em França é limitada, com uma gama mais reduzida de medicamentos e desafios significativos no acesso a tratamentos não farmacológicos eficazes.

"Há o problema do acesso, porque não há muitos psicólogos com formação para trabalhar com pessoas com PHDA e, por isso, é difícil encontrar alguém", disse Vieyra.

PUBLICIDADE

"E depois é caro, porque normalmente não é reembolsado, ou é pouco reembolsado pelo sistema de Segurança Social", acrescentou.

A PHDA tem uma imagem pública bastante negativa

Apesar de a PHDA ser uma das condições neurológicas mais discutidas atualmente, continua a ser muito suscetível a equívocos que podem levar a diagnósticos errados.

De acordo com Lloyd, os indivíduos neurodiversos foram durante muito tempo vistos como menos inteligentes ou moralmente fracos, o que contribuiu para a formação de um estigma em torno da PHDA.

"Tradicionalmente, nos últimos 200 anos, partimos do pressuposto errado de que quem tem esse tipo de condição neurológica é menos inteligente, menos capaz, menos empregável e, sobretudo no que se refere à PHDA, que tem uma espécie de fraqueza moral", afirmou Lloyd.

PUBLICIDADE

Jan Buitelaar, professor de ciências médicas na Universidade de Radboud, nos Países Baixos, defende ainda que a PHDA tende a ser vista de forma negativa, o que tem impacto na forma como os indivíduos com esta doença são vistos e tratados socialmente.

"Em geral, a PHDA tem uma imagem pública bastante negativa. Se olharmos para os meios de comunicação social, para as redes sociais, as pessoas com PHDA são retratadas como preguiçosas, barulhentas e pouco simpáticas", disse Lloyd.

Falta de formação dos médicos

Além disso, a falta de compreensão e de formação dos médicos e educadores na identificação da PHDA é uma das principais causas de erros de diagnóstico.

"De um modo geral, na Europa, a PHDA não é bem compreendida. Os médicos não têm formação adequada para a identificar", afirmou Lloyd.

PUBLICIDADE

Hovén acrescentou ainda: "Já conheci pessoas a quem foram feitos oito diagnósticos de depressão e depois encontram um médico que lhes diz que não, não é depressão, é PHDA. A chave do nosso trabalho é a consciencialização".

Além disso, segundo Lloyd, embora a PHDA ocorra frequentemente em conjunto com outras doenças, como a dislexia e o autismo, muitos indivíduos com múltiplas doenças do neurodesenvolvimento recebem apenas um diagnóstico.

Por conseguinte, há uma necessidade significativa de melhorar a informação sobre saúde pública, a formação e a compreensão da sociedade para melhor diagnosticar a PHDA.

"Existe um enorme problema de saúde pública, na Europa, e precisamos de formar melhor os professores para que compreendam que o facto de uma criança não estar a ter sucesso na escola não significa que tenha poucas capacidades", sublinhou Lloyd.

PUBLICIDADE

Como é diagnosticada a PHDA?

O diagnóstico da PHDA envolve normalmente avaliações comportamentais e entrevistas com contributos de várias fontes, incluindo pais, professores e auto-relatos de adolescentes mais velhos e adultos.

Além disso, para que o diagnóstico seja estabelecido, os sintomas devem estar presentes há pelo menos seis meses e devem ter começado antes dos 12 anos de idade, explicou Buitelaar.

O processo de diagnóstico procura especificamente padrões de comportamentos de desatenção, hiperatividade-impulsividade ou comportamentos combinados em diferentes ambientes.

Embora os sintomas de PHDA surjam tipicamente durante a infância e não sejam condições que se desenvolvam subitamente na idade adulta, muitos adultos que não foram diagnosticados na infância tendem a procurar o diagnóstico mais tarde na vida.

PUBLICIDADE

Para esses adultos, os sintomas podem ser diferentes, exigindo ajustes no apoio prestado.

"Temos de nos lembrar que a PHDA das crianças não se parece com a dos adultos. As crianças podem ser hiperactivas, não se conseguem concentrar, mas quando se passa para a idade adulta, a situação muda", afirma Hovén.

Ainda assim, um diagnóstico precoce na infância é geralmente preferível.

"Se o identificarmos precocemente e apoiarmos as crianças e os seus pais desde o início, as suas trajetórias de vida serão profundamente melhores", afirma Lloyd.

PUBLICIDADE

Disparidade de género no diagnóstico da PHDA

O facto de a PHDA ser mal caracterizada como uma perturbação comportamental resulta frequentemente em critérios de diagnóstico que tendem a ignorar as raparigas e as mulheres.

Isto deve-se ao facto de a PHDA se apresentar de forma diferente nas mulheres, que exibem uma hiperatividade menos visível e os seus sintomas tendem a ser menos perturbadores.

"Muitas vezes não vemos o que se passa com as raparigas porque elas são simpáticas, são caladas. Ficam quietas na sala de aula, mas não estão presentes", acrescentou Hovén.

De acordo com Lloyd, esta situação conduziu a uma disparidade histórica de género no diagnóstico, sendo as mulheres frequentemente diagnosticadas erradamente com outras perturbações mentais.

PUBLICIDADE

"As mulheres que sofrem de PHDA têm mais probabilidades de serem diagnosticadas erradamente como tendo ansiedade, depressão, distúrbios alimentares e até mesmo perturbação bipolar", observou Lloyd.

A diversidade da capacidade neurocognitiva humana

De acordo com Buitelaar, o tratamento da PHDA deve integrar múltiplos componentes, incluindo psicoeducação, medicação e intervenções comportamentais.

A gestão da doença não se limita à prescrição de medicamentos, mas requer também ajustamentos do estilo de vida.

"Gerir a PHDA com sucesso não é apenas tomar medicação, que dura oito horas. Trata-se de compreender como é que a PHDA o afeta e que escolhas de estilo de vida tem de fazer, bem como quais são os seus pontos fortes cognitivos", afirma Lloyd.

PUBLICIDADE

Hovén explica ainda que as pessoas com PHDA precisam do apoio das pessoas que a rodeiam para gerir melhor a situação.

"Penso que é muito importante olhar para toda a família, se conseguirmos apoio para as crianças no jardim de infância, se em casa a situação for um caos, isso não ajuda", disse Hovén.

No caso dos adultos, Lloyd explica que a sociedade precisa de começar a abrir-se às suas diversas capacidades cognitivas e mudar a forma como a PHDA é encarada no local de trabalho.

"Precisamos de reconhecer que a diversidade da capacidade neurocognitiva humana é muito maior do que pensamos. O facto de 20% das pessoas pensarem de forma diferente não significa que sejam menos inteligentes ou empregáveis", afirmou.

PUBLICIDADE

De acordo com Lloyd, as pessoas neurodiversas, incluindo as que sofrem de PHDA, apresentam pontos fortes cognitivos únicos associados às suas condições, que podem ser vantajosos no ambiente de trabalho e até contribuir para impulsionar a economia.

Globalmente, Lloyd sublinha a necessidade de reconhecer o potencial dos indivíduos neurodiversos em geral.

"Trata-se de reconhecer a diversidade da capacidade neurocognitiva humana. É muito maior do que pensamos. E só porque temos estes 20% de pessoas que pensam de forma diferente da maioria, não significa que sejam menos inteligentes, menos empregáveis ou que sejam desordenadas", afirmou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ensaio clínico com novo medicamento indica cura em 100% de doentes oncológicos

Só estas quatro indústrias causam 2,7 milhões de mortes na Europa, segundo um novo relatório da OMS

"Sentia vergonha": Ex-pacientes de cancro falam sobre "reconstrução" de vida após a doença