EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Spinalonga: Creta sem multidões, com passeios silvestres e excelente comida

Ilhéu de Spinalonga, em Creta
Ilhéu de Spinalonga, em Creta Direitos de autor Joshua Kettle
Direitos de autor Joshua Kettle
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Embora os turistas tendam a preferir a parte ocidental de Creta, a parte oriental oferece experiências inolvidáveis de gastronomia, caminhadas e passeios nos tradicionais caïques de pesca.

PUBLICIDADE

"Um pouco de azeite", diz o cozinheiro cretense, Giannis Kallivretakis, antes de começar a salpicar o líquido dourado numa frigideira até quase um centímetro de profundidade.

O azeite cretense local parece estar presente em todos os pratos tradicionais da ilha, incluindo bolos e sobremesas, e a maioria dos cretenses tem os seus próprios olivais. Estes mantêm-nos ocupados durante os meses mais frios, quando os turistas evitam a ilha.

"As oliveiras são o bem mais precioso que temos", acrescenta Kallivretakis.

O cozinheiro dá aulas de culinária no Blue Palace, uma estância turística na parte oriental da maior ilha da Grécia, que é menos frequentada.

Eis como desfrutar da ilha sem as multidões.

Aprenda a fazer saladas coloridas e folhas de videira recheadas em Creta

Uma aula de culinária cretense é uma visão da notável autossuficiência dos habitantes da ilha. Há muito que é essencial aqui, sobretudo porque uma sucessão de conquistas - romanos, bizantinos, árabes, venezianos e turcos otomanos - significa que os cretenses aprenderam a depender da terra.

Para um lanche rápido, Kallivretakis começa com um sólido pão de farinha de alfarroba. As alfarrobeiras e as suas longas vagens castanhas crescem por toda a ilha e o hotel abastece-se de farinha num moinho próximo.

Kallivretakis cobre os pedaços de pão com tomates esmagados cultivados no planalto interior de Lassithi, uma alcaparra e um generoso fio de azeite.

Yevheniia
Num lanche, antes do jantar, os cretenses comem pão de alfarroba com tomate e azeiteYevheniia

Ele é de uma pequena aldeia perto da costa e possui 350 oliveiras. "O azeite é muito benéfico para o nosso corpo", comenta, oferecendo as suas unhas saudáveis para inspeção.

Na salada grega, Kallivretakis avisa que a alface não deve aparecer. Em vez disso, combina cebola roxa, pimento verde, tomate, azeitonas e queijo feta - todos da ilha - com o omnipresente azeite e sumo de uva verde.

"Estes legumes têm um aroma como nunca cheirou antes", diz ele, agitando a tigela, e tem razão.

A pièce de résistance são as dolmades. Colocando uma folha de videira sobre a palma da mão virada para cima, Kallivretakis demonstra como se pega numa pitada de arroz cru, curgete e cebola, coloca-a no centro e enrola-a numa embalagem elegante.

Depois de meia hora no forno, embebidos em caldo de carne, são deliciosos, com sabor a ervas e um agradável travo a limão.

Joshua Kettle
A ilha de Spinalonga tem muralhas defensivas espetacularmente preservadas construídas pelos venezianos no século XVI.Joshua Kettle

Visite a ilha-fortaleza de Creta num barco de pesca renovado

Do terraço do bar e da maioria das salas do Blue Palace, onde Kallivretakis dá aulas de culinária, tem-se uma vista cinematográfica de Spinalonga.

A ilha atrai os amantes da história com as suas muralhas defensivas espetacularmente preservadas, construídas pelos venezianos no século XVI em resposta à ameaça emergente da invasão turca.

Após um período sob o domínio dos otomanos, o ilhéutornou-se uma colónia de leprosos de 1903 a 1957. Agora desabitado, está a ser considerado Património Mundial.

ankarb/Getty Images/iStockphoto
A rota rochosa através do desfiladeiro leva às Cataratas de Richtis, perfeitas para um mergulho gelado.ankarb/Getty Images/iStockphoto

É possível combinar uma visita à ilha com um passeio de barco num caïque tradicional.

O marinheiro local, Giorgos, leva os hóspedes no seu barco de pesca renovado com 25 anos de idade e conhece os melhores locais para um mergulho isolado nas águas azul cobalto do Mar Egeu. A sua empresa, Meraki, organiza passeios de barco que partem regularmente da cidade portuária de Elounda.

PUBLICIDADE

Passear por caminhos de flores silvestres e desfiladeiros profundos em Creta

Voltando ao interior, o lado oriental de Creta é um local privilegiado para caminhadas.

Na primavera, os caminhos serpenteiam por entre flores silvestres perfumadas e ervas como os orégãos e a salva, que animam a cozinha da ilha ou dão sabor ao chá.

No ponto mais oriental da ilha, a aldeia de Zakros, do chefe Kallivretakis, fica no final da longa rota de caminhadas E4, que começa na Andaluzia e atravessa vários países europeus até terminar em Chipre.

Pode começar no alto, em Zakros, com um aglomerado de casas brancas e algumas tabernas, e descer através do tomilho selvagem que zumbe com abelhas até ao desfiladeiro de Zakros.

Ao atravessar os cumes superiores, é possível ver os vestígios antigos de pilares de mármore e piscinas cerimoniais do outrora luxuoso palácio de Zakros, mais a baixo. O passeio termina na baía de kato de Zakros, com a sua tranquila praia de seixos.

PUBLICIDADE

Em alternativa, começando na aldeia de Kavousi, os visitantes podem caminhar até à antiga povoação de Azoria, onde se encontra uma das oliveiras mais antigas do mundo. O exemplar, com 3000 anos de idade, forneceu os ramos para os vencedores dos Jogos Olímpicos realizados em Atenas, em 2004.

A partir daqui, desce-se por uma escada de madeira sinuosa até à foz do profundo desfiladeiro de Richtis, situado num Geoparque Mundial da UNESCO.

Caminhando ao longo da água salpicada de sol, os únicos sons são o gorgolejar do rio, o grito dos pássaros e o som distante de uma queda de água.

O caminho rochoso através do desfiladeiro leva às Cataratas de Richtis, que se derramam por um exuberante dossel de musgo numa piscina azul-turquesa, perfeita para um mergulho gelado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Barcelona debate-se com o futuro do turismo, enquanto a chuva dá um alívio de última hora à seca

Quer ir a um restaurante com estrela Michelin? Estes são os sítios mais acessíveis para o fazer

De Munique a Amesterdão: quais são as cidades europeias mais fáceis de percorrer a pé?