É seguro viajar para França neste momento? País proíbe o fogo de artifício antes do Dia da Bastilha

Agentes da polícia em patrulha em frente ao Arco do Triunfo nos Campos Elísios, em Paris, a 1 de julho de 2023.
Agentes da polícia em patrulha em frente ao Arco do Triunfo nos Campos Elísios, em Paris, a 1 de julho de 2023. Direitos de autor AP Photo/Christophe Ena
De  Euronews Travel
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Nas últimas semanas, as cidades francesas têm sido afectadas por violentos protestos. Eis o que precisa de saber sobre as tensões em curso.

PUBLICIDADE

Os tumultos registados em França no início deste mês deixaram alguns turistas inseguros em relação às próximas viagens ao país.

Após o tiroteio fatal do jovem Nahel Merzouk, de 17 anos, durante uma paragem de trânsito **da polícia**francesa, a 27 de junho, Paris e outras grandes cidades assistiram a protestos violentos.

Seis dias de tumultos culminaram na detenção de 850 pessoas no fim de semana de 1 e 2 de julho. Desde então, os tumultos mais graves parecem ter diminuído.

No entanto, há receio de reacendimentos depois de um manifestante pacífico ter sido derrubado pela polícia no sábado. Youssouf Traoré juntou-se à marcha anual em Paris em memória do irmão Adama, que morreu sob custódia em 2016.

A polícia está particularmente preocupada com a possibilidade de as tensões se inflamarem durante o Dia da Bastilha, a 14 de julho.

No domingo, o governo francês proibiu a venda, posse e utilização de fogo-de-artifício antes das celebrações do dia nacional. Os fogos-de-artifício foram utilizados em violentos confrontos com a polícia no início deste mês. A proibição será aplicada até 15 de julho.

A morte de Nahel provocou uma raiva, há muito latente, sobre o policiamento e a discriminação racial nos subúrbios multiétnicos e de baixos rendimentos de França. No ano passado, um número recorde de 13 pessoas morreram durante paragens da polícia, a maioria das vítimas de origem negra ou árabe.

Em Paris, Marselha, Lyon, Grenoble, Lille e Toulouse, as recentes manifestações degeneraram em violência. Houve fortes confrontos com a polícia, carros incendiados e lojas saqueadas.

No entanto, não se registaram mais incidentes desde o início do mês.

Se está a planear viajar para França, eis o que precisa de saber.

Os motins continuam a ocorrer em França?

CHRISTOPHE SIMON / AFP
Manifestantes entram em confronto com a polícia de choque na Porte d'Aix, em Marselha, em 30 de junho.CHRISTOPHE SIMON / AFP

Cerca de 17 milhões de cidadãos do Reino Unido visitam a França todos os anos, a grande maioria dos quais absorve a cultura e as costas ensolaradas do país sem incidentes.

O conselho do Governo do Reino Unido para os turistas, a partir de 10 de julho, é o seguinte: “embora a situação esteja agora calma, deve acompanhar os meios de comunicação social, verificar os últimos conselhos com os operadores quando viajar e seguir os conselhos das autoridades."

No final do mês passado, quando os tumultos ainda estavam a decorrer, o executivo britânico também alertou para o facto de a localização e o calendário dos protestos poderem ser imprevisíveis e aconselhou os viajantes a evitarem as zonas onde estão a ocorrer tumultos.

Em Portugal, também se ouviram recomendações idênticas.

Se França continuar a registar distúrbios, poderá haver perturbações nas deslocações rodoviárias e as opções de transporte local poderão ser reduzidas. Algumas autoridades locais poderão também impor o recolher obrigatório.

Durante os tumultos, os autocarros e os elétricos pararam às 21h00 ou 22h00 em algumas cidades, para evitar que fossem alvo dos manifestantes. Os comboios e o metro de Paris continuaram a circular normalmente.

O Ministério alemão dos Negócios Estrangeiros também apela aos turistas para que se mantenham informados e evitem zonas onde possam estar a ocorrer tumultos violentos. Recomenda a utilização da aplicação Safe Travel para se manterem atualizados sobre os últimos acontecimentos.

Esta recomendação surge na sequência de um alerta de segurança lançado pelo Departamento de Estado dos EUA no mês passado, que apelava, igualmente, aos seus cidadãos para evitarem os focos de tensão.

PUBLICIDADE

Deve cancelar a sua viagem a França?

Se se está a preparar para viajar para França, não há necessidade de mudar de rumo.

Apesar de poder ter de ser flexível nas reservas de restaurantes e nos planos para a noite, dependendo da situação, ainda há muito para explorar nesta altura do ano tão popular.

A beleza de estar numa grande cidade significa que há sempre opções, mas, por outro lado, também poderá explorar as cidades turísticas mais pequenas ao longo da Côte d'Azur e em outros locais que não foram largamente afetados.

Não foram registados casos de cidadãos ou de turistas atacados pelos desordeiros, que dirigiram a sua raiva contra edifícios, carros estacionados e a polícia.

Uma vez que os serviços estrangeiros, como o Reino Unido e a Alemanha, não desaconselharam as viagens a França, é pouco provável que os fornecedores de férias reembolsem os turistas que decidam não viajar.

PUBLICIDADE

No entanto, há indícios de que os caminhos-de-ferro e as companhias aéreas poderão ser flexíveis, caso os tumultos voltem a deflagrar. Durante o auge dos distúrbios, no final do mês passado, o Eurostar disse que os passageiros que quisessem adiar as suas viagens podiam trocar de bilhetes, depois de ter avisado que os transportes domésticos eram "extremamente limitados" entre as 21h00 e as 5h00 da manhã.

E um porta-voz da easyJet disse ao jornal “The Independent” que os clientes que iam viajar de avião podiam, se quisessem, "transferir-se para um voo alternativo e nós não cobramos a taxa de alteração."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Segurança apertada nas celebrações da "Tomada da Bastilha" em França

França: Jean Messiha desresponsabiliza polícia pela morte do jovem, em entrevista à euronews

Quando entrarão em vigor os novos controlos nas fronteiras da UE? Tudo o que precisa de saber sobre o EES e o ETIAS