Tarifas da Ryanair deverão ficar mais caras este verão devido a problemas com os aviões

O atraso na entrega dos aviões Boeing 737 significa que a companhia aérea terá uma capacidade reduzida para os passageiros.
O atraso na entrega dos aviões Boeing 737 significa que a companhia aérea terá uma capacidade reduzida para os passageiros. Direitos de autor Lucas Davies
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O atraso na entrega do Boeing 737 significa que a Ryanair terá uma capacidade reduzida de transporte de passageiros.

PUBLICIDADE

As suas férias de verão poderão sair mais caras este ano se estiver a planear voar com algumas companhias europeias.

A transportadora irlandesa de baixo custo Ryanair declarou que as tarifas serão mais elevadas durante os meses de verão devido ao atraso na chegada dos novos aviões Boeing.

O atraso na entrega dos aviões Boeing 737 significa que a companhia aérea terá uma capacidade reduzida para transportar os passageiros, afirmou o diretor executivo Micheal O'Leary.

O Presidente do Conselho de Administração da Ryanair, Micheal O Leary, também previu que as tarifas aumentariam devido a problemas com outro fornecedor de aviões.

Preços dos voos da Ryanair vão aumentar este verão

Durante uma reunião na sede da Ryanair em Dublin, O'Leary anunciou que as tarifas aéreas da companhia aérea irlandesa poderão aumentar 10% este verão.

O'Leary atribuiu o aumento ao atraso na entrega de 57 aviões B737 Max. A chegada dos aviões estava prevista para março, mas apenas 40 a 45 deverão estar ao serviço no verão, segundo a empresa.

O contratempo surge no momento em que a Boeing enfrenta um escrutínio na sequência de um incidente ocorrido no início deste ano, quando parte da fuselagem de um 737 Max 9 explodiu num voo da Alaska Airlines.

O aumento do controlo de qualidade do fabricante de aviões abrandou a produção e os prazos de entrega.

O'Leary afirma que o programa de verão da Ryanair foi elaborado com base na receção de, pelo menos, 50 novos aviões da Boeing.

Se apenas 40 aviões forem entregues até ao final de março, a companhia aérea terá de efetuar "cortes nos horários [...] principalmente nas rotas com elevada frequência diária", afirmou o CEO.

As rotas mais movimentadas da Ryanair em 2023 foram Roma para Catânia, Roma para Palermo e Roma para Londres.

Em vez dos 205 milhões de passageiros previstos para o final de março de 2025, a companhia aérea diz que provavelmente será forçada a reduzir esse número para 200 milhões.

"Estamos a fazer os nossos orçamentos com base num aumento de tarifas de 5 a 10%, o que me parece razoável", terá afirmado durante a reunião de informação.

"Pode ser mais alto do que isso, pode ser mais baixo do que isso, não sabemos realmente".

Um porta-voz da Boeing respondeu aos comentários da Ryanair dizendo: "Estamos a comunicar aos clientes que alguns calendários de entrega podem ser alterados, uma vez que levamos o tempo necessário para garantir que cada avião que entregamos é de alta qualidade e cumpre todos os requisitos do cliente e regulamentares".

"Lamentamos profundamente o impacto que isto está a ter no nosso valioso cliente Ryanair. Estamos a trabalhar para responder às suas preocupações e a tomar medidas para um plano abrangente para reforçar a qualidade e o desempenho de entrega do 737."

Prevê-se que as tarifas aéreas na Europa sejam mais caras este verão

O'Leary também previu que haverá um "ambiente de tarifas mais elevadas em toda a Europa" neste verão.

Problemas com os motores Pratt & Whitney dos aviões Airbus A320 obrigarão à imobilização de alguns deles em companhias como a Wizz Air e a Lufthansa.

PUBLICIDADE

"A capacidade de voos de curta distância na UE, que está a funcionar apenas a 90% do nível anterior à Covid, será limitada durante todo o verão. A maior parte da Europa é um mercado de A320 e Airbus", afirmou O'Leary.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aeroporto de Dublin poderá quebrar tradição de 76 anos de bênção de aviões

Comboio noturno liga quatro capitais europeias da Bélgica à Chéquia

Portugal tem um dos melhores passaportes para nómadas digitais