EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Mortes e ferimentos graves provocados por turbulência são raros, mas as alterações climáticas estão a agravá-los

Cerca de 20 passageiros ficaram feridos, tendo alguns deles recebido os primeiros socorros para ferimentos na cabeça.
Cerca de 20 passageiros ficaram feridos, tendo alguns deles recebido os primeiros socorros para ferimentos na cabeça. Direitos de autor Saif Zaman ( আয়ান )
Direitos de autor Saif Zaman ( আয়ান )
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A turbulência tende a agravar-se devido às alterações climáticas.

PUBLICIDADE

A forte turbulência que atingiu um voo da Singapore Airlines proveniente de Londres causou uma morte e vários feridos. No entanto, o que aconteceu a bordo do Boeing 777-300ER com destino a Singapura ainda não é claro.

Os sites de localização das companhias aéreas registaram que o avião desceu cerca de 1800 metros em três minutos quando voou para o ar agitado para lá da Baía de Bengala.

Os acidentes mortais e os ferimentos graves provocados pela turbulência são raros. As tripulações de voo podem frequentemente prever com antecedência o mau tempo e o ar agitado e estão treinadas para lidar com os efeitos.

Quão perigosa é a turbulência num voo?

"Os ferimentos provocados por turbulência grave são relativamente raros no contexto de milhões de voos efetuados", disse à BBC John Strickland, especialista em aviação geral.

"No entanto, a turbulência severa pode ser dramática e provocar ferimentos graves ou, infelizmente, neste caso, uma fatalidade". Situações como esta, do Boeing 777-300ER, podem ocorrer quando um avião se depara com mau tempo. 

Também pode acontecer quando voa em "turbulência de ar puro", que ocorre apesar de condições aparentemente calmas. Esta ocorrência é particularmente perigosa porque, ao contrário da turbulência durante uma tempestade, é quase impossível de ser captada pelos instrumentos de deteção remota da aviação.

Também é difícil prever quando irá ocorrer porque é causada por turbilhões de pequena escala que são demasiado localizados para serem calculados pela maioria dos modelos meteorológicos.

A turbulência é a principal causa de ferimentos não mortais nos passageiros e na tripulação, de acordo com a Associação Internacional de Transportes Aéreos. Mas as mortes e os ferimentos graves em aviões de grande porte não são frequentes.

Entre 2009 e 2021, 146 passageiros e tripulantes ficaram gravemente feridos em incidentes de turbulência, de acordo com a Administração Federal de Aviação.

Em dezembro de 2022, 20 pessoas foram hospitalizadas na sequência de uma situação de turbulência num voo da Hawaiian Airlines de Phoenix para Honolulu.

Em março de 2023, um passageiro morreu depois de uma forte turbulência ter atingido o jato executivo em que viajava.

Em agosto passado, 11 pessoas tiveram de ser hospitalizadas depois de um voo da Delta ter sofrido uma turbulência na sua descida para Atlanta.

Os ferimentos terão incluído lacerações, ossos partidos, ferimentos na cabeça e perda de consciência, principalmente devido ao facto de os passageiros não usarem o cinto de segurança.

"Não é por acaso que as companhias aéreas recomendam que os cintos de segurança sejam mantidos levemente apertados durante todo o voo, seja ele longo ou curto", disse Strickland.

Uma vez que têm de estar de pé durante mais tempo do que os passageiros, as assistentes de bordo são as mais vulneráveis num avião - aliás, têm 24 vezes mais probabilidades de ficarem gravemente feridas.

A turbulência está a piorar devido às alterações climáticas

No ano passado, um estudo efetuado por meteorologistas da Universidade de Reading, no Reino Unido, concluiu que os céus estão até 55% mais turbulentos do que há quatro décadas, devido às alterações climáticas.

O ar mais quente resultante das emissões de dióxido de carbono está a alterar as correntes de ar na corrente de jato, exacerbando a turbulência no ar limpo no Atlântico Norte e a nível mundial.

Num ponto típico do Atlântico Norte, uma das rotas de voo mais movimentadas do mundo, a duração total anual da turbulência severa aumentou 55% entre 1979 e 2020, constataram os cientistas.

PUBLICIDADE

A equipa descobriu que a turbulência severa no ar aumentou de 17,7 horas em 1979 para 27,4 horas em 2020 num ponto médio sobre o Atlântico Norte.

A turbulência moderada nesta zona aumentou 37%, de 70,0 para 96,1 horas, e a turbulência ligeira subiu 17%, de 466,5 para 546,8 horas.

Embora o Atlântico Norte tenha registado os maiores aumentos, o novo estudo concluiu que outras rotas de voo movimentadas sobre os Estados Unidos, a Europa, o Médio Oriente e o Atlântico Sul também registaram um aumento significativo da turbulência.

"Deveríamos investir em sistemas melhorados de previsão e deteção de turbulência para evitar que o ar mais áspero se traduza em voos mais turbulentos nas próximas décadas", afirma Paul Williams, um cientista atmosférico da Universidade de Reading, coautor do estudo.

"As companhias aéreas terão de começar a pensar na forma de gerir o aumento da turbulência, uma vez que esta custa ao sector 150 a 500 milhões de dólares [134 a 465 milhões de euros] por ano, só nos Estados Unidos", afirma Mark Prosser, meteorologista da Universidade de Reading que liderou o estudo.

PUBLICIDADE

"Cada minuto adicional passado a viajar em turbulência aumenta o desgaste do avião, bem como o risco de ferimentos para os passageiros e assistentes de bordo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acrópole de Atenas encerrada devido à vaga de calor que assola a Grécia: O que os viajantes precisam de saber

Alemanha, Itália e Reino Unido: quais os países europeus que mais gastaram em turismo no ano passado?

Os custos dos vistos Schengen de curta duração vão aumentar a partir de junho: Eis o que precisa de saber