A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Arábia Saudita rejeita assento no Conselho de Segurança da ONU

Arábia Saudita rejeita assento no Conselho de Segurança da ONU
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Arábia Saudita recusa entrar no Conselho de Segurança da ONU como membro não permanente, acusando o órgão de levar a cabo uma “política de dois pesos e duas medidas” em relação aos conflitos no Médio Oriente, nomeadamente quanto à Síria e aos territórios palestinianos. Riade recusa ocupar um assento no Conselho de Segurança enquanto este não for reformado e se garantam “os meios para cumprir as suas obrigações e assumir as suas responsabilidades para preservar a paz e a segurança no mundo”.

O comunicado divulgado hoje pelo ministério dos Negócios Estrangeiros da Arábia Saudita acusa o Conselho de “impotência” por “permitir que o regime sírio mate o seu povo e use armas químicas à vista do mundo inteiro sem que haja sanções dissuasivas”. A Arábia Saudita lamenta, ainda, que “a questão palestiniana dure há 65 anos sem solução”.

As críticas de Riade

As autoridades sauditas dizem que o Conselho “falhou” na missão de livrar o Médio Oriente de armas de destruição maciça devido à incapacidade de submeter os programas nucleares de todos os países da região às inspeções internacionais » (numa alusão a Israel) e de não se ter oposto “às tentativas de qualquer país da região em se dotar de armas nucleares” (em referência ao Irão). Note-se que a Arábia Saudita, primeiro exportador mundial de petróleo, é um dos pesos pesados do mundo árabe. Constitui o principal apoio à oposição armada ao regime do presidente sírio Bashar Al-Assad e afirma-se como um rival regional de Teerão.

Os novos membros

Pela primeira vez, este país tinha sido eleito, ontem, como membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. O Chade, o Chile, a Nigéria e a Lituânia foram os outros Estados escolhidos para ocupar os assentos não permanentes do Conselho, com os mandatos previstos para começar em janeiro de 2014. A eleição parecia facilitada porque apenas se apresentaram estes cinco candidatos. Porém, organizações de defesa dos direitos humanos manifestaram, de imediato, reservas à eleição de três países, invocando a negação dos direitos das mulheres na Arábia Saudita, a incorporação forçada de crianças no Exército no Chade e os abusos das forças de segurança aliados à incapacidade do Governo da Nigéria em travar os fundamentalistas islâmicos do grupo Boko Haram.