A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

UE recusa regatear com Rússia para obter mercado da Ucrânia

UE recusa regatear com Rússia para obter mercado da Ucrânia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Vilnius, na Lituânia, ambicionava ficar para a história com a capital em que a União Europeia (UE) conquistou influência geopolítica sobre meia dúzia de ex-territórios soviéticos.

Nessa ambição, a Comissão Europeia punha esperanças, sobretudo, na Ucrânia: país de 600 mil km2, 46 milhões de habitantes e um dos mais importantes mercados emergentes mundiais devido à capacidade produtiva na indústria e agricultura.

A assinatura de um acordo de associação seria o primeiro passo da Ucrânia em direção à eventual adesão à UE e afastaria a ex-república soviética da órbita da Rússia pela primeira vez.

Mas o presidente russo, Vladimir Putin, não esteve nunca pelos ajustes e ameaçou cortar o fornecimento de gás e criar outras dificuldades comerciais. Moscovo teme perder influência política e um mercado para as suas exportações, substituídas pelas europeias.

A suspensão do acordo, decretada pela Ucrânia a uma semana da cimeira de Vilnius, foi um duro golpe para a estratégia de alargamento da UE a leste, liderada pelo comissário Štefan Füle, entrevistado pelo correspondente da euronews, Andrei Beketov.

Andrei Beketov/euronews (AB/euronews): “Na Rússia está em curso uma grande campanha mediática e reuniões de alto nível com o objetivo de demover a Ucrânia de se aproximar do oeste. Por que é que não existe esse sentimento de urgência em Bruxelas?”

Štefan Füle/Comissão Europeia (SF/CE): “Temos um sentimento de responsabilidade e de compromisso, enquanto há quem tenha preferido expressar essa sensação de urgência nas últimas semanas. Temos sido o maior contribuinte para a Ucrânia desde que se declarou independente. Ao longo dos anos, desde 1991, já concedemos à Ucrânia 3300 milhões de euros.”

AB/euronews: “A UE não pode financiar ainda um pouco mais?”

SF/CE: “Não estamos num concurso de beleza, nem é algo sobre quem põe mais dinheiro em cima da mesa à última da hora! O primeiro ano após o acordo de associação permitiria às empresas exportadoras da Ucrânia pouparem até 500 mil milhões de euros em impostos aduaneiros. Os benefícios para o Produto Interno Bruto são estimados num crescimento de 6,2% à conta do acordo de associação. Os nossos amigos em Kiev sabem melhor do que nós de que não vamos negociar como se estivessemos num mercado, a ver quem regateia mais, se Bruxelas ou se Moscovo.”

AB/euronews: “Quando haverá outra oportunidade para avançar nesse sentido?”

SF/CE: “Temos trabalhado muito para que isso aconteça e que o acordo de associação seja assinado em Vilnius. Penso que seriam necessários muitos esforços para voltar a criar outra oportunidade. Mas da nossa parte há um total e definitivo compromisso.”

AB/euronews: “Qual é a mensagem para os países que estão comprometidos com o projeto europeu, e que querem dele participar, mas que temem enfrentar as duras reformas necessárias? Países que são menos ativos no esforço de modernização em relação ao que a UE desejaria?

SF/CE: “Não existe outro caminho a não ser o das reformas, não existem atalhos para a prosperidade, que é alcançável só através das reformas. Podemos comparar a Polónia com a Ucrânia. Em 1991, os dois países estavam mais ou menos ao mesmo nível de produção de riqueza. Mas agora veja como é que está um e como é que está o outro. Essa é a minha mensagem principal e a segunda é de que podem sempre contar com o nosso apoio”.

AB/euronews: “Ainda acredita no sucesso da Parceria de Leste, tendo apenas países como a Geórgia e a Moldávia a quererem avançar?”

SF/CE: “Acredito na Parceria de Leste e que ela pode ser uma associação entre a UE e seis países que têm diferentes aspirações, ambições e percurso histórico. Da nossa parte tentamos implementar políticas abrangentes que beneficiem esses países e que permitam também maior cooperação regional entre eles. Ao mesmo tempo, criamos programas à medida de cada um e apoiamos várias atividades. A cimeira de Vilnius será extremamente importante para avançar nesse caminho.”