Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

República Centro-Africana: Uma armadilha para a França?

República Centro-Africana: Uma armadilha para a França?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A República Centro-Africana está mergulhada no caos, desde que um golpe de estado deitou abaixo o presidente François Bozizé, no dia 24 de março. Isso deu origem a uma onda de violência entre muçulmanos e cristãos.

O país ficou à beira de um genocídio, como o que abalou o Ruanda em 1994.

A antiga colónia francesa, rica em diamantes, ouro e urânio, nunca conheceu a estabilidade desde a independência em 1960.

As milícias Seleka, uma coligação heterogénea, de maioria muçulmana, onde participam chadianos e sudaneses, vestiram o uniforme do exército centro-africano, mas depois escaparam ao controlo do líder Michel Djotodia, que se tornou presidente interino.

Já as chamadas milícias anti-balaka pegaram em armas para defender as aldeias e bairros cristãos, numa espiral de vinganças sem fim.

Perante a urgência, o Conselho de Segurança da ONU autorizou as tropas francesas e africanas a usar a força para proteger os civis. Impôs um embargo de armas e pediu à ONU para preparar uma possível missão de manutenção da paz no país.

A França mandou imediatamente 1600 militares para apoiar os 2500 homens da MISCA, a força da União Africana, que vai ser aumentada para 6000 efetivos.

A resolução do Conselho de Segurança dá um mandato de seis meses às tropas francesas e da MISCA para restabelecer a segurança no país.

A repórter Sophie Desjardin conversou com François Soudan, diretor da revista “Jeune Afrique”, sobre a situação na República Centro-Africana.

Sophie Desjardin, euronews: Para começar, e para melhor compreender o contexto sobre a situação do país, mergulhado no caos desde a queda do presidente Bozizé em março, foi nessa altura que o caos começou ou vem de antes?

François Soudan: É um caos, ou uma má governação da República Centro-Africana que remonta aos anos 60, à altura em que o pai da independência, Barthélémy Boganda, morreu num misterioso acidente de avião, atribuído aos serviços secretos franceses. Foi o mal que originou tudo o que se seguiu: Tivemos uma sucessão de governos, marcados com o selo da má governação. Lembro que esta é a quinta intervenção francesa desde a independência e, de cada vez, é preciso recomeçar.

euronews: Em que é que esta intervenção é diferente da intervenção no Mali?

François Soudan: Para já, é diferente ao nível da imagem projetada em França. Falaram-nos de um genocídio, o que não é o caso. Foi preciso empregar certas palavras relativamente ultrajantes para que a intervenção passasse, aos olhos da opinião pública. Essa é a primeira coisa.

A segunda diferença tem a ver com quem os franceses devem combater e quem devem desarmar. No Mali era simples, tratava-se da Aqmi e da Mujao. Aqui, vai ter de combater a Seleka, mas também os movimentos anti-Seleka.
Por isso, a França tem de se bater em duas frentes.

A terceira diferença é muito importante. Amanhã, o que vai acontecer? No Mali, é simples: Havia uma classe política estabelecida, que podia prever eleições com uma margem relativamente curta. Na República Centro-Africana, não acontece nada disso.

euronews: A França evocou um presidente que perdeu as rédeas e a necessidade de uma transição política. A questão é saber se a França vai lá para salvar vidas ou para mudar o presidente. É uma missão humanitária ou política?

François Soudan: Diria que é as duas coisas. Há, de facto, uma missão humanitária, que vai ser muito complexa e difícil de levar a cabo, mas é preciso também que isso leve a eleições. Mais uma vez, não há uma administração capaz de organizar eleições. Por isso, vai ser preciso que a ONU e a União Africana se impliquem. É preciso chamar as coisas pelo nome, o país tem de ser posto sob tutela da ONU e da União Africana durante os próximos seis a oito meses.

euronews: Qual é o impacto da decisão francesa de implicar grupos armados vindos de países vizinhos, incluindo o tristemente célebre Exército de Resistência do Senhor, do criminoso de guerra ugandês Joseph Koni?

François Soudan: O grande medo dos franceses, mas também dos chefes de Estado dos Camarões, da República Democrática do Congo e do Chade, que rodeiam este país, é que a República Centro-Africana se torne uma espécie de zona cinzenta e que os grupos jihadistas, como o Boko Haram, vão para lá.

Esse é o primeiro ponto, que seria um fator de desestabilização para todos os países da região. A França tem alguns interesses económicos na República Centro-Africana, é preciso não esquecer. Há o urânio, a Areva tem interesses. O problema é que devemos preparar-nos para uma intervenção longa e custosa.

euronews: Tal como aconteceu com o Mali em janeiro, depois da segunda intervenção em um ano, o fantasma da África francesa está a ressurgir? O país é obrigado a fazer o policiamento das antigas colónias?

François Soudan: Faz bem em dizer. Há um certo número de elementos com os quais a França deve ter muito cuidado. Vimos François Hollande, que esteve ontem em Bangui sem pedir autorização ao governo de transição. A República Centro-Africana é um país independente.

Vemos o exército francês cair numa armadilha, já que pode dar a impressão de estar a defender a comunidade cristã. São as armadilhas que a França deve evitar, já que os objetivos desta intervenção podem apagar-se.