Última hora

Última hora

Resolução do mistério do avião da Malásia depende da localização das caixas negras

Em leitura:

Resolução do mistério do avião da Malásia depende da localização das caixas negras

Resolução do mistério do avião da Malásia depende da localização das caixas negras
Tamanho do texto Aa Aa

A corrida contra o relógio continua numa vasta zona do Oceano Índico para tentar encontrar os destroços do voo MH370, antes que as caixas negras se silenciem de vez. O sinal é emitido apenas durante 30 dias e só alcança 2 a 3 km.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines, descolou de Kuala Lumpur no dia 8 de março às 00:41 h, quando o avião entrou na zona aérea sob controlo vietnamita.
Eram 1:19 horas quando se ouviu, na Torre de Controlo da Malásia, a última mensagem oral: “Está tudo bem, boa noite”.
Dois minutos depois, o o aparelho que transmitia a localização e altiutude do avião foi desativado.
Entre a 1h07 e 1h37, o sistema ACARS, que envia os dados para terra, também foi desligado.
Às 2:15 h, o avião foi detetado pela última vez por um radar militar a 200 milhas a nordeste da Malásia.
Sete horas mais tarde (8.11) um último sinal foi captado por um satélite sobre o Oceano Índico.

No dia 20 de março, os restos do avião, captados por um satélite, orientaram a procura para sul do Oceano Índico.

Uma nova zona de pesquisa foi estabelecida a mais de 5 mil km da Malásia e a 2.260 km de Pequim, graças aos sinais “ping” lançados hora a hora pelo avião e captados por um sinal do Inmarsat. Chris McLaughlin, vice-presidente e responsável pelas relações externas do Inmarsat:
“É a primeira vez que nos pedem para tentarmos localizar um avião perdido com base num único sinal. Normalmente, triangulamos, ou temos um GPS. Mas nesta região os aviões não estão autorizados a enviar ou receber sinais de localização, portanto trabalhamos às cegas e com uma só abordagem.
Se tivéssemos tido estes dados em tempo real, nas horas em que o avião voava e se perdia, era possível uma tentgativa de resgate.
Podiam ter sido enviados aviões de interceção para ver o que se passava. É inconcebível que os aviões em pleno voo desapareçam sem deixar traço quando os navios são todos obrigados a tê-lo, segundo as regras de sinalização e de despistagem a longa distância, a cada seis horas, estejam onde estiverem”.

A única esperança para desvendar o mistério do voo MH370 da Malaysia Airlines é encontrar algumas peças e as caixas negras.
Depois do crash no Atlântico do avião Rio-Paris, que fazia o voo AF447, foram necessários dois anos para encontrar as caixas negras.