EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

NATO preparada para intervir na Ucrânia

NATO preparada para intervir na Ucrânia
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

É com ansiedade e medo que os Países do Báltico olham para a Rússia. Nesta floresta da Lituânia treinam vários voluntários paramilitares da União de

PUBLICIDADE

É com ansiedade e medo que os Países do Báltico olham para a Rússia. Nesta floresta da Lituânia treinam vários voluntários paramilitares da União de Fuzileiros. As fileiras têm vindo a engrossar.

“Na verdade, a agressão russa contra a Ucrânia teve impacto na União. No ano passado, admitimos cerca de um milhar de novos membros na nossa organização e hoje contamos com mais de 8000 membros”, assegurou o comandante Liudas Gumbinas.

A anexação da Crimeia pela Rússia, na primavera de 2014, deixou a Europa estupefacta. Depois do conflito que opôs a Geórgia e a Ossétia do Sul, em 2008, a NATO assistiu a mais uma modificação unilateral das fronteiras, levada a cabo por Moscovo.

A NATO não pretende envolver-se a não ser que um dos seus membros seja ameaçado. A Ucrânia não é um membro.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, acusou a Rússia de violar o direito internacional.

“Na Ucrânia a violência está a piorar e a crise agudiza-se. A Rússia continua a desrespeitar as leis internacionais e a apoiar os separatistas com armas, treinos e forças”, acusou.

Na quinta-feira, os ministros da defesa dos Estados-membros da NATO aprovaram um plano para reforçar o flanco da Europa de leste.

A Força de Intervenção Rápida constituída por 13 000 efetivos vai aumentar para 30 000, 5 000 dos quais das forças especiais. Contam ainda com apoio da força aérea e da marinha. Esta força de Intervenção Rápida pode ser acionada em 48 horas.

Esta é a maior operação militar de defesa colocada em marcha pelos aliados desde o final da Guerra Fria.

Seis unidades de comando dotadas de 50 efetivos, e de todo o tipo de materiais, vão ser instaladas, de imediato, nos três países do Báltico, na Polónia, Roménia e Bulgária.

Estas unidades permitem facilitar, no espaço de uma semana, a implementação da Força de Intervenção Rápida, em caso de crise. Esta Força pode intervir, de igual modo, em outros territórios de modo a fazer face às ameaças criadas pela instabilidade no norte de África e no Médio Oriente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia denuncia novo ataque russo contra infraestruturas energéticas

Familiares de soldados ucranianos em cativeiro protestam em Kiev

Pelo menos seis feridos em ataque aéreo russo a zona residencial de Kostiantynivka