Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Marcha pela liberdade e respeito interreligioso em Bruxelas

Marcha pela liberdade e respeito interreligioso em Bruxelas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma marcha pela “Paz, Liberdade e Respeito”, na capital da União Europeia. Representantes das religiões cristã, muçulmana e judaica, bem como da sociedade laica, organizaram uma manifestação em Bruxelas para defender a compreensão inter-religiosa, a liberdade de expressão e de consciência e denunciar a cultura do medo, extremismo e terrorismo.

Simon Najm, presidente do Comité de Apoio aos Cristãos do Oriente diz que “é muito importante ser solidários e transmitir a mensagem a todos os países, sobretudo aos países árabes, para que todos pratiquemos a arte de viver em conjunto, em todo o mundo”.

Julien Klener, presidente do Consistório Central Judaico da Bélgica explica que “o apelo a esta marcha é motivado pelo clima de inquietude. Uma marcha não resolve nada, mas é um sinal necessário de que, apesar das inquietudes, existe esperança”.

O presidente do Executivo dos Muçulmanos na Bélgica, Noureddine Smaili, afirma que “vai ser feito tudo o possível para pôr fim à radicalização dos jovens no território [belga], seja através da formação dos imãs ou dos capelães nas prisões, que é onde, muitas vezes, surge o problema. É preciso enquadrar melhor os detidos”.

Os meios de comunicação belgas faziam eco, este domingo, das declarações do ministro da Justiça, que anunciou a intenção de criar secções especiais nas prisões para isolar os detidos suscetíveis de radicalizar outros prisioneiros.

A correspondente da euronews, Marta Vivas Chamorro, diz que “a Bélgica é o país da Europa que conta, proporcionalmente à população, com o maior número de voluntários a partir para a Síria e o Iraque, para combater com grupos radicais. As autoridades identificaram pelo menos 350 potenciais combatentes ‘jihadistas’ e, apesar de não haver uma ameaça concreta, as instituições europeias e outros locais sensíveis estão sob elevada vigilância”.