EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Bruxelas e Havana querem acordo de diálogo político e cooperação no final do ano

Bruxelas e Havana querem acordo de diálogo político e cooperação no final do ano
Direitos de autor 
De  Fernando Peneda com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A União Europeia e Cuba acordaram terça-feira em Havana acelerar o ritmo das negociações que decorrem entre o país latino-americano e o bloco europeu

PUBLICIDADE

A União Europeia e Cuba acordaram terça-feira em Havana acelerar o ritmo das negociações que decorrem entre o país latino-americano e o bloco europeu para atingir um acordo de diálogo político e de cooperação no final do ano.

O anúncio foi feito pela chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, no final da sua primeira visita oficial a Cuba, onde se reuniu com o presidente Raul Castro.

“Precisamos de intensificar o diálogo. Isto não significa que estejamos insatisfeitos com o passado, mas apenas que devemos aproveitar o momento político da minha visita e das reuniões frutuosas que tivemos hoje, para garantirmos que tudo seja traduzido num acordo”, sublinhou a chefe da diplomacia europeia.

No mesmo dia, no início de uma visita a quatro países da América Latina, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, também se avistou com o Presidente cubano com quem debateu a estratégia conjunta contra o embargo económico norte-americano,

Esta quarta-feira os Estados Unidos levantaram as sanções a cerca de 60 empresas e indivíduos que tinham sido objeto de penalizações por ligações a Cuba.

A mudança de posição do governo norte-americano surge quando Washington e Havana progridem nas negociações bilaterais para restaurar as relações diplomáticas ao fim de mais de meio século de hostilidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China

Papa Francisco critica corrupção mas elogia liberdade religiosa na Mongólia

A surpreendente demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros da China