Última hora
This content is not available in your region

ONU aprova supervisionar aplicação de acordo de paz na Colômbia

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques com Lusa, ONU e FARC-EP
euronews_icons_loading
ONU aprova supervisionar aplicação de acordo de paz na Colômbia
Tamanho do texto Aa Aa

O conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou, por unanimidade, supervisionar o processo de paz em curso na Colômbia, entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias.

A resolução aprovada em Nova Iorque implica uma missão política de observadores na Colômbia assim que estiver no papel o acordo final entre as partes.

(Conselho de Segurança aprova missão de monitorização do acordo de paz entre a Colômbia e as FARC.)

O presidente Juan Manuel Santos agradece: “A decisão tomada pelo Conselho de Segurança significa que, a partir de agora, já não estamos sozinhos. Vamos pela mão da ONU e do mundo até ao fim desta guerra. É a melhor garantia de cumprimento.”

O fim do conflito de meio século — o mais longo em curso na América Latina — teve um forte impulso em Cuba, há 4 meses. Raul Castro apadrinhou em Havana o aperto de mão entre o presidente colombiano Juan Manuel Santos e o líder das FARC, Timoléon Jiménez, conhecido como “Timochenko”, selando o compromisso de assinar um acordo de paz final no prazo de 6 meses.

Há mais de três anos sobre a mesa, o processo de paz em curso aguarda agora que o cessar-fogo entre as partes e o desarmamento dos guerrilheiros fique preto no branco e seja transposto para o terreno com a ONU a supervisionar.

 

FARC

Fundadas em 1964, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, a que se junta ainda o termo “exército do povo”, tiveram na base uma rebelião camponesa reprimida com violência por volta de 1948. Os membros eram liberais, tinham o apoio do Partido Comunista Colombiano e evoluíram para o maior grupo paramilitar da América do Sul. Presume-se que integrem cerca de 7.000 combatentes.

Na semana passada, as autoridades colombianas libertaram, pela primeira vez, guerrilheiros das FARC. “É um primeiro gesto unilateral do governo após ter avaliado o respeito pelo cessar-fogo unilateral pelas FARC, a diminuição da violência daí decorrente e os avanços do processo”, anunciou, a 21 de janeiro, o gabinete do Alto-comissário para a paz na Colômbia, informando que “16 das 30 pessoas que o Governo decidiu agraciar em 22 de novembro estão atualmente em liberdade”.

A decisão surgiu em resposta à proposta dos revolucionários, uns dias antes, de libertação de guerrilheiros presos como um novo gesto de confiança nas conversações e um dia depois do pedido conjunto à ONU para a formação de uma missão de observadores internacionais para supervisionar o cessar-fogo.

(Chanceler e o secretário-geral da ONU reuniram-se para discutir o processod e paz da Colômbia.)