EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Haia: Gbagbo começa a ser julgado no TPI

Haia: Gbagbo começa a ser julgado no TPI
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ex-presidente da Costa do Marfim, Laurent Gbagbo, de 70 anos, e o aliado, Charles Ble Goude, de 44, começam esta quinta-feira a ser julgados no

PUBLICIDADE

O ex-presidente da Costa do Marfim, Laurent Gbagbo, de 70 anos, e o aliado, Charles Ble Goude, de 44, começam esta quinta-feira a ser julgados no Tribunal Penal Internacional em Haia, na Holanda.

Respondem por quatro acusações de crimes contra a Humanidade, incluindo assassinato, violação e perseguição, durante as convulsões políticas que assolaram o país africano entre 2010 e 2011.

Cerca de 3.000 pessoas morreram na crise de cinco meses durante a qual Laurent Gbagbo se agarrou ao poder na Costa do Marfim, recusando-se a admitir a derrota nas eleições presidenciais de novembro de 2010, ganhas por Alassane Ouattara.

O episódio desencadeou uma crise internacional, com a União Europeia, os Estados Unidos e a antiga potência colonial França a reconhecerem Ouattara como o vencedor.

Semanas de tensão arrastaram-se para um sangrento impasse de cinco meses, com Gbagbo escondido no palácio presidencial, até ser detido pelas tropas de Ouattara, auxiliadas por forças francesas e da ONU.

Laurent Gbagbo, extraditado para Haia em 2011, é o primeiro ex-chefe de Estado a ir a julgamento no TPI e “o objetivo do julgamento é descobrir a verdade através de um processo estritamente legal”, segundo Fatou Bensouda, procuradora daquela instância.

“O nosso caso é baseado na lei e na força das provas que os nossos investigadores recolheram”, afirmou ainda a responsável, acrescentando que o julgamento decorrerá “com toda a justiça e toda a imparcialidade”.

Por seu lado, o advogado de defesa de Gbagbo, Emmanuel Altit, insistiu hoje, numa conferência de imprensa nas novas instalações permanentes do TPI em Haia, que se trata de “um julgamento importante para a Costa do Marfim e para África”, pois “tornará possível esclarecer e compreender os acontecimentos trágicos que ocorreram no país”.

O advogado de defesa de Ble Goude, Geert-Jan Alexander Knoops, disse, por seu turno, que o seu cliente é “um homem de paz”, acrescentando que “a imagem que dele foi pintada não é um verdadeiro reflexo do seu caráter”.

Em Abidjan, o porta-voz do governo, Bruno Kone, disse que o julgamento deve “servir de lição” para todos, incluindo “as personalidades políticas”, de modo a que o país não volte a passar por algo semelhante.

Entretanto, apoiantes de Gbagbo alegam que a acusação está a basear o caso na versão contada pelo lado de Alassane Ouattara, que foi reeleito em 2015 para um segundo mandato como Presidente da Costa do Marfim.

Nesse sentido, a procuradora Fatou Bensouda advertiu os jornalistas para não se deixarem influenciar por informação falsa, assegurando que “nenhumas testemunhas foram retiradas” do processo, que deve levar três a quatro anos a ficar concluído, com os procuradores a apresentarem 5.300 elementos de prova, incluindo vídeos, bem como 138 testemunhas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Antigo presidente da Costa do Marfim absolvido pelo Tribunal Penal Internacional

UE dividida sobre pedido de mandado do TPI contra governantes de Israel

O que é o TPI e que papel desempenha no julgamento de crimes de guerra?