Última hora
This content is not available in your region

Revolução egípcia está refém dos seguidores de Mubarak

Revolução egípcia está refém dos seguidores de Mubarak
Tamanho do texto Aa Aa

Cinco anos após a queda de Hosni Mubarak, a 11 de fevereiro de 2011, os egípcios continuam à espera da plena realização dos objetivos da revolução: liberdade, justiça social e uma vida decente.

As instituições do tempo de Mubarak e os membros do Partido Nacional Democrático continuam a controlar o país.

“Eu participei na revolução de 25 de janeiro, exigindo liberdade e justiça social e uma vida melhor, com dignidade. Mas cinco anos após a queda de Mubarak, a situação não melhorou, está é talvez pior”, afirma um popular.

No Cairo, a sede do Sindicato dos Jornalistas foi um dos poucos espaços onde se comemorou a queda de Hosni Mubarak após 30 anos como presidente do Egito.

“O lado positivo é que os egípcios voltaram a sentir uma ligação forte com o país. Independentemente de suas opções, milhões deles estão mais interessados nos assuntos públicos, . Tomam posições, que podem ser de apoio ou de oposição ao atual regime,” considera o fundador da Rede Árabe para os Direitos Humanos, Jamal Eid.

“No aniversário da queda de Mubarak, parte do povo egípcio, assim como dos líderes políticos, considera que a revolução ainda não esta concluída, e que o regresso gradual de leis restritivas vai acabar por abafar a revolução; enquanto outros acreditam que para se conseguir a eliminação total do antigo regime e a realização de todas as exigências do povo, é necessário mais tempo e paciência,” verificou o correspondente da Euronews.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.