EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Cessar-fogo na Síria era do interesse de EUA e Rússia, diz Vladimir Putin

Cessar-fogo na Síria era do interesse de EUA e Rússia, diz Vladimir Putin
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com reuters, RTR
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um cessar-fogo para a Síria foi acertado esta segunda-feira, com início previsto para as “zero” horas de sábado. O fim das hostilidades foi anunciado

PUBLICIDADE

Um cessar-fogo para a Síria foi acertado esta segunda-feira, com início previsto para as “zero” horas de sábado. O fim das hostilidades foi anunciado em conjunto pela Rússia e pelos Estados Unidos, mas está ainda dependente do acordo de todas as forças envolvidas no conflito sírio, que opõe o regime de Bashar al-Assad — apoiado por Moscovo — a milícias afetas a grupos de oposição ao Presidente — apoiadas por Washington.

De fora deste acordo de cessar-fogo ficaram, porém, as operações militares antiterrorismo da Síria, da Rússia e da aliança liderada pelos Estados Unidos. Nomeadamente os bombardeamentos aéreos contra posições da Frente Al-Nustra, do “Daesh” (o autoproclamado Estado Islâmico) e outros grupos considerados terroristas.

Vladimir Putin’s address following adoption of a joint statement by Russia and US on Syria https://t.co/LCYtVf4lrG

— President of Russia (@KremlinRussia_E) 22 fevereiro 2016

(Comunicação de Vladimir Putin após a adoçãode uma declaração conjunta de Rússia e Estados Unidos sobre a Síria.)

Vladimir Putin sublinhou que as “conversações foram iniciadas pela Rússia”, mas admitiu que “o interesse era seguramente de ambos”. “No decurso das conversações, formalizámos uma declaração conjunta entre a Rússia e os Estados Unidos, como colíderes do Grupo Internacional de Apoio à Síria, sobre este cessar-fogo na Síria,” disse o Presidente russo.

Pela Casa Branca, foi divulgado um comunicado assinado pelo secretário de Estado John Kerry e falou o porta-voz. “Sabemos que existem muitos obstáculos e vão haver por certo alguns contratempos. Afinal de contas, há anos que andamos a tentar uma resolução diplomática para os muitos problemas que afetam uma nação que se partiu em pedaços. Mas este é um momento de oportunidade”, sublinhou Josh Earnest.

Gratified to see final arrangements concluded today for a cessation of hostilities in #Syria.
My full statement: https://t.co/76DSDBbwHN

— John Kerry (@JohnKerry) 22 fevereiro 2016

(Grato por ver os derradeiros acertos concluídos hoje para uma cessação de hostilidades na Síria.)

A Síria é, por estes dias, um país a ferro e fogo e o maior foco da onda de refugiados em rota para o centro da Europa. A somar-se aos cinco anos de guerra civil há agora a ascensão de grupos terroristas como o “Daesh”. Ao todo, desde 2011 e de acordo com a ONU, já terão morrido mais de 250.000 de pessoas e 11 milhões foram deslocadas.

The number killed in Syria's civil war may be double the UN's 2015 estimates https://t.co/u9Mavyn72bpic.twitter.com/nCM072i4CF

— The Economist (@TheEconomist) 21 fevereiro 2016

(O número de mortos na guerra civil da Síria já pode ter dobrado a estimativa da ONU de 2015)

READ #UNHCR#Syria End of Year Report https://t.co/8sLDzEp7Hi Protecting &Supporting the #DisplacedInSyriaRefugees</a> <a href="https://t.co/QH1RpBXrmY">pic.twitter.com/QH1RpBXrmY</a></p>&mdash; UNHCR-Syria (UNHCRinSYRIA) 22 fevereiro 2016

13.5m people in #Syria inc 6m children need humanitarian assistance & protection #SupportSyrians -via UNHCRinSYRIA</a> <a href="https://t.co/glzzhxykT2">pic.twitter.com/glzzhxykT2</a></p>&mdash; UN Geneva (UNGeneva) 7 fevereiro 2016

The #lives and #futures of millions of Syrian depend on the world's response #SyriaTalks#SupportSyrianspic.twitter.com/ucm4yvKIPf— UNHCR-Syria (@UNHCRinSYRIA) 3 fevereiro 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bashar al-Assad marca eleições legislativas na Síria para 13 de abril

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado