EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Paris: Nova noite de "combates" contra a modificação da lei laboral

Paris: Nova noite de "combates" contra a modificação da lei laboral
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Comissário da polícia de Paris lançou um aviso aos manifestantes após nova noite degradação e violência contra as forças de segurança à margem do

PUBLICIDADE

O Comissário da polícia de Paris lançou um aviso aos manifestantes após nova noite degradação e violência contra as forças de segurança à margem do movimento de protesto à modificação da lei laboral.

O chefe de polícia exorta que os organizadores do movimento digam aos manifestantes que regressem a casa e dispersem logo que a hora legal de manifestação termine.

Sexta-feira à noite, cerca de 3.000 pessoas compareceram no comício “Noite de pé” na praça da República.

Às provocações as forças da ordem responderam com
gás lacrimogéneo e tiros e o agitadores foram empurrados para fora da Praça da República.

Este comeciante comenta: “Vivemos a situação com alguma dificuldade. Porque posso entender coletivamente o protesto, mas não entendo que as pessoas abusem e se excedam. Uma vergonha, porque a iniciativa parece-me boa embora eu não adira a essa maneira, acho que é bom que eles discutam, mas que argumentam, somente com palavras. “

Durante uma semana, houve incidentes “que não podem ser aceites” refere o chefe da polícia em comunicado sublinhando haver a presença de indivíduos mais agressivos que atacam as forças de segurança e degradam bens privados e público.

De acordo com fontes oficiais, os protestos resultaram em 412 prisões em Paris e subúrbios desde março, e 193 pessoas foram colocados sob custódia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos dos agricultores abrandam em França

Residentes de Marselha abrem guerra ao Alojamento Local

Ativistas mascarados de animais recebem em protesto cruzeiro com turistas