EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Primeiro carregamento de gás de xisto norte-americano chega a Portugal

Primeiro carregamento de gás de xisto norte-americano chega a Portugal
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O primeiro carregamento de gás de xisto norte-americano para a Europa chegou, esta terça-feira, ao porto de Sines, em Portugal. O navio Creole

PUBLICIDADE

O primeiro carregamento de gás de xisto norte-americano para a Europa chegou, esta terça-feira, ao porto de Sines, em Portugal.
O navio Creole Spirit saiu do terminal de liquefacção de Sabine Pass, em Luisiana, nos Estados Unidos, no dia 15 de abril e tem como destino os clientes ibéricos da Galp Energia. A embarcação transportou 1 terawatts-hora (Twh) de GNL, o equivalente a uma semana de consumo de gás em Portugal, ou a dois por cento do total de um ano.

O gás foi comprado à Cheniere Energy, a primeira companhia norte-americana a exportar gás natural liquefeito (GNL). A empresa exportou ainda para países como o Brasil, a Argentina, a Índia e a Ásia-Pacífico. No âmbito de acordos comerciais realizados com as empresas francesas EDF e a britância BG, espera-se que mais transferências sejam feitas para a Europa.

Estas exportações podem vir a agitar o mercado europeu e desencadear uma guerra de preços com a Rússia, o principal fornecedor de gás natural do Velho Continente.
A proximidade da costa de Sines dos EUA e a capacidade de receber navios de maiores dimensões, fazem deste porto de àguas profundas, no sul de Portugal, um território excelente para a receção de GNL, mas também de petróleo. No dia 29 de setembro foi assinado um protocolo de cooperação, que indica que, em 2020, o gás natural proveniente dos EUA, de África e da América do Sul poderá substituir a totalidade das importações russas na Europa. Portugal e Espanha, poderão beneficiar das suas posições geoestratégicas e tornar-se numa importante plataforma para a melhoria da segurança energética da Europa. Para isso, será necessário criar infraestruturas para a receção e o transporte de GNL, nomeadamente uma ligação direta a França.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron e Biden assinalam os 50 anos do 25 de Abril em Portugal

Diretora dos Serviços Secretos dos EUA admite que "falhou" na missão de proteger Trump

Tribunal russo condena jornalista do Wall Street Journal a 16 anos de prisão por espionagem