EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Não é não": Alemanha aprova nova lei contra agressões sexuais

"Não é não": Alemanha aprova nova lei contra agressões sexuais
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Qualquer ato de caráter sexual cometido “contra a vontade identificável de outra pessoa” passa agora a constituir uma infração penal na Alemanha.

PUBLICIDADE

Qualquer ato de caráter sexual cometido “contra a vontade identificável de outra pessoa” passa agora a constituir uma infração penal na Alemanha.

O projeto de lei batizado com o nome de “Não é não” foi aprovado de forma unânime no parlamento alemão, endurecendo efetivamente as penas contra os delitos sexuais.

O princípio da nova lei penaliza qualquer contacto contra a “vontade expressa” de uma pessoa, seja manifestada verbalmente ou de outra forma, como através de lágrimas.

Katja Grieger, ativista do grupo “Mulheres contra a Violência”, afirma que “antes, para que uma violação pudesse ser punida, a pessoa afetada tinha de resistir ou o agressor tinha de usar violência ou ameaças. Agora basta dizer ‘não’, o que significa que muitos atos que até hoje estavam totalmente isentos de castigo, como se não acontecessem, podem pelo menos ser julgados, se for feita uma denúncia”.

A nova lei foi equacionada pelo governo alemão em larga medida depois das centenas de denúncias de agressões sexuais durante a noite de Ano Novo na cidade de Colónia, cometidas por grupos de homens que, segundo testemunhas, eram pela maioria migrantes. Participantes, mesmo indiretos, de um ataque em grupo passam também a poder ser julgados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Principal suspeito do rapto de Madeleine McCann volta a tribunal na Alemanha

Josef Fritzl, que prendeu e violou a filha durante 24 anos, pode ser transferido para prisão normal

Andrew Tate vai a julgamento na Roménia por violação e tráfico de seres humanos