Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Berlim recorda a arte dissidente do período comunista

Berlim recorda a arte dissidente do período comunista
Tamanho do texto Aa Aa

Esta exposição leva-nos de volta aos anos do Muro de Berlim, a uma sociedade sob vigilância constante do Estado. É uma homenagem à resistência de uma minoria.

Reeducação

Intitulada Vozes da Dissidência: Arte na RDA 1976-1989, reúne um grande número que obras que mostram como alguns dos artistas declaravam a sua oposição ao regime.

Hans-Hendrik Grimmling é um dos artistas dissidentes cujas obras fazem parte da exposição no museu Martin-Gropius-Bau de Berlim.

“A reeducação dos pássaros” é um dos quadros de Grimmling que pode ser visto na exposição.

“Não me era autorizado viajar ao estrangeiro, nem sequer no Bloco de Leste”; disse Grimmling. “As minhas exposições foram encerradas. Foi apertado um cerco muito cerrado em torno de mim. O fluxo de informações estava bloqueado. A sensação de aperto tornava tudo muito urgente e esquizofrénico, era como uma infecção que atingia toda a sociedade.”

Disponibilidade

A exposição começa em 1976, o ano quando Wolf Biermann, um cantor e compositor popular e crítico do regime, foi impedido de voltar à RDA, depois de uma “tournée”, o que provocou um movimento de contestação entre os artistas e intelectuais.

Começou a tomar forma uma subcultura de oposição. A partir de 1976, o distanciamento crítico face ao aparelho de Estado assumiu uma grande variedade de formas artísticas.

A vida dos cidadãos estava debaixo de um rigoroso controlo do estado e a arte não era exceção.

O regime esperava dos artistas que colaborassem na propaganda comunista, privilegiando temas como o heroísmo da classe operária.

Muitos escolheram uma vida confortável produzindo obras conformes com a ideologia, alguns baixaram a cabeça e tentaram manter-se fora da política, poucos foram aqueles que desafiaram as imposições do regime.

“É claro, muitos dos artistas pintavam apenas paisagens e mantinham-se fora da política”, recordou Christoph Tannert, curador da exposição. “Os artistas da subcultura dissidente usavam uma linguagem muito clara, quer contra as normas estéticas impostas pelo regime, recorrendo a formas irreverentes e expressivas, quer através do realismo, retratando temas que considerados tabu.”

Muitos destes artistas dissidentes conheceram a prisão, outros foram proibidos de viajar fora das cidades de origem e a maioria estava sob vigilância constante.

A exposição “Vozes da Dissidência: Arte na RDA 1976-1989” está no museu Martin-Gropius-Bau de Berlim até 26 de setembro.